Traços de personalidade e variáveis do comportamento planejado do indivíduo: um estudo de seus efeitos nas intenções empreendedoras

Palavras-chave: Propensão a assumir riscos. Personalidade proativa. Lócus de controle. Ciências Contábeis.

Resumo

Objetivo: Este estudo tem como objetivo investigar quais os efeitos dos traços de personalidade sobre as intenções empreendedoras dos alunos concluintes dos cursos de Ciências Contábeis de duas instituições de ensino superior privadas e uma pública, localizadas na região centro-oeste do Brasil.

Metodologia: Estudo descritivo, realizado a partir de uma pesquisa de levantamento, com a amostra constituída por 173 alunos sendo 86 de uma universidade pública e 87 de duas universidades privadas. O instrumento de pesquisa foi aplicado presencialmente aos respondentes e para a análise dos dados adotou-se a técnica de modelagem de equações estruturais.

Resultados: Dentre os resultados constatou-se que as atitudes afetam as intenções empreendedoras dos alunos de maneira estatisticamente significante permitindo inferir que ela é um dos princípios mais forte para se iniciar uma carreira empreendedora pelo fato da avaliação dos prós e contras. Também confirmou-se que os traços de personalidade (personalidade proativa e lócus de controle) são muito relevantes para se entender os interesses empreendedores de um indivíduo. A personalidade proativa é uma característica que afeta positivamente a atitude, a norma subjetiva, o controle comportamental percebido e também as intenções empreendedoras do indivíduo. O lócus de controle por sua vez afeta tanto nas normas subjetivas quanto no controle comportamental percebido do indivíduo.

Contribuições do estudo: Seus resultados permitem inferir que os traços de personalidade e as variáveis da Teoria do Comportamento Planejado são em partes boas preditoras das intenções comportamentais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Ajzen, I. (1991). The Theory of Planned Behavior. Organizational Behavior and Human Decision Processes, 50 (2), 179-211.

Baron, R. M., & Kenny, D. A. (1986). The moderator-mediator variable distinction in social psychological research: Conceptual, strategic, and statistical considerations. Journal of Personality and Social Psychology, 51(6), 1173-1182.

Baum, J. R., & Locke, E. A. (2004). The relationship of entrepreneurial traits, skill, and motivation to subsequent venture growth. Journal of Applied Psychology, 89(4), 587.

Brislin, R. W. (1970). Back-translation for cross-cultural research. Journal of cross-cultural Psychology, 1(3), 185-216.

Caliendo, M., Fossen, F., & Kritikos, A. (2010). The impact of risk attitudes on entrepreneurial survival. Journal of Economic Behavior & Organization, 76(1), 45-63.

Castro, C. de M. (1977). A prática da pesquisa. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil.

Fischbein, M., & Ajzen, I. (1975). Belief, attitude, intention and behavior: an introduction to theory and research. Reading, MA: Addison-Wesley.

Fornell, C., & Larcker, D. F. (1981). Structural equation models with unobservable variables and measurement error: algebra and statistics. Journal of Marketing Research, 18(3), 382- 388.

Global Entrepreneurship Monitor - GEM. (2018). Empreendedorismo no Brasil: relatório executivo. 2018. Recuperado em: <https://datasebrae.com.br/wp-content/uploads/2019/02/Relat%C3%B3rio-Executivo-Brasil-2018-v3-web.pdf.> Acesso em 14 de jul. de 2019.

Hair Jr, J. F., Hult, G. T. M., Ringle, C., & Sarstedt, M. (2016). A primer on partial least squares structural equation modeling (PLS-SEM). USA: Sage Publications.

Heidemann, L. H., Araújo, I. S., & Veit, E. A. (2012). Um referencial teórico-metodológico para o desenvolvimento de pesquisas sobre atitude: a Teoria do Comportamento Planejado de Icek Ajzen. Revista Electrónica de Investigación en Educación En Ciencias, 7(1).

Hurtz, G. M., & Donovan, J. J. (2000). Personality and job performance: The Big Five revisited. Journal of Applied Psychology, 85(6), 869.

Klem, L. (2006). Structural equation modeling. In: Grimm, L. G., & Yarnold, P. R. (Eds.). Reading and understanding more multivariate statistics, (227-260). Washington: American Psychological Association.

Lima, R. C. R., & Freitas, A. A. F. D. (2010). Personalidade empreendedora, recursos pessoais, ambiente, atividades organizacionais, gênero e desempenho financeiro de empreendedores informais. Revista de Administração Pública, 44(2), 511-531.

Lortie, J., & Castogiovanni, G. (2015). The theory of planned behavior in entrepreneurship research: what we know and future directions. International Entrepreneurship and Management Journal, 11(4), 935-957.

Martinelli, L. A. S., & Fleming, E. S. (2010). O comportamento empreendedor: a influência das características emocionais na motivação dos indivíduos para a ação empreendedora. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 34.

McCrae, R. R.; & John, O. P. (1992). An introduction to the five-factor model and its applications. Journal of Personality, 60(2), 175-215.

Moutinho, K., & Roazzi, A. (2010). As teorias da ação racional e da ação planejada: relações entre intenções e comportamentos. Avaliação Psicológica, 9(2), 279-287.

Munir, H., Jianfeng, C., & Ramzan, S. (2019). Personality traits and theory of planned behavior comparison of entrepreneurial intentions between an emerging economy and a developing country. International Journal of Entrepreneurial Behavior & Research, 25(3), 1-28.

Nabi, G., & Liñán, F. (2013). Considering business start-up in recession time: The role of risk perception and economic context in shaping the entrepreneurial intent. International Journal of Entrepreneurial Behavior & Research, 19(6), 633-655.

Oliveira, J. R. C., Silva, W. A. C., & Araújo, E. A. T. (2014). Características comportamentais empreendedoras em proprietários de MPE’s longevas do Vale do Mucuri e Jequitinhonha/MG. Revista de Administração Mackenzie, 15(5).

Rocha, E. L. C., & Freitas, A. A. F. (2014). Avaliação do ensino de empreendedorismo entre estudantes universitários por meio do perfil empreendedor. Revista de Administração Contemporânea, 18(4), 465-486.

Rotter, J. B. (1966). Generalized expectancies for internal versus external control of reinforcement. Psychological monographs: General and Applied, 80(1).

Santos, E. A. D. (2016). Fatores determinantes da intenção de escolha da carreira na área de contabilidade: um estudo sob o enfoque da Teoria do Comportamento Planejado. Dissertação de mestrado de Ciências Contábeis da Universidade Federal de Paraná. Recuperado em: https://acervodigital.ufpr.br/handle/1884/42724. Acesso em 14 de jul. de 2019.

Santos, E. A., & Almeida, L. B. (2018). Seguir ou não carreira na área de contabilidade: um estudo sob o enfoque da Teoria do Comportamento Planejado. Revista Contabilidade & Finanças, 29(76), 114-128.

Santos, S. C., Caetano, A., & Curral, L. (2010). Atitude dos estudantes universitários face ao empreendedorismo: Como identificar o potencial empreendedor? Revista de Gestão dos Países de Língua Portuguesa, 9(4), 2-14

Zhao, H., Seibert, S. E., & Lumpkin, G. T. (2010). The relationship of personality to entrepreneurial intentions and performance: A meta-analytic review. Journal of Management, 36(2), 381-404.

Zampetakis, L. A. (2008). The role of creativity and proactivity on perceived entrepreneurial desirability. Thinking Skills and Creativity, 3(2), 154-162.

Publicado
02-01-2021
Como Citar
EDICREIA ANDRADE DOS SANTOS; GABRIEL LOURENÇO XAVIER; CRISTIANE ALVES DA SILVA MOURA; LUIZ MIGUEL RENDA DOS SANTOS. Traços de personalidade e variáveis do comportamento planejado do indivíduo: um estudo de seus efeitos nas intenções empreendedoras . REVISTA AMBIENTE CONTÁBIL - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ISSN 2176-9036, v. 13, n. 1, 2 jan. 2021.
Seção
Seção 7: Internacional (S7)