Análise dos indicadores de produção e distribuição do valor adicionado da Natura S.A

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/2176-9036.2023v15n1ID28112

Palavras-chave:

Demonstração Valor Adicionado, Indicadores de Produção, Indicadores de Distribuição

Resumo

Objetivo: O estudo teve por objeto analisar os indicadores de produção e distribuição do valor adicionado da Natura S.A, na busca por evidenciar o comportamento dos mesmos no período entre 2011 e 2020.

Metodologia: Este estudo caracteriza-se como uma pesquisa de natureza documental e descritiva. A coleta de dados foi realizada junto à base de dados da B3 e compreendeu o levantamento de informações da Demonstração do Valor Adicionado (DVA), além da consideração de indicadores de produção e distribuição do valor adicionado. Os dados foram analisados de forma analítica, com elaboração de tabelas para evidenciar as informações coletadas de forma estruturada.

Resultados: Os resultados demonstraram que o indicador de produção que mais se destaca é relacionado à riqueza própria (GPRP). Os valores adicionados apresentaram comportamento crescente durante o período observado, com destaque ao valor gerado pela empresa no ano de 2020.  A distribuição dos valores gerado se dá principalmente entre Pessoal, Impostos, Taxas e Contribuições e Remuneração de Capitais de Terceiros, o que impacta nos indicadores de distribuição ao Pessoal (PDVAP), distribuição ao Governo (PDVAG) e distribuição ao Capital de Terceiros (PDVACT).

Contribuições do Estudo: Esta pesquisa contribuem para teoria e para a prática no campo da contabilidade. De forma geral, os resultados apresentados reforçam o exposto por outras pesquisas e oferece novas evidências em relação a ampliação do período de observação.  Ademais, auxiliam na compreensão em relação ao processo de produção e distribuição do valor adicionado, bem como ao demonstrar a relevância da DVA.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula Lemes da Silva, Universidade Federal de Uberlândia - UFU.

Graduanda em Ciências Contábeis pela Universidade Federal de Uberlândia.

Renata Mendes de Oliveira, Universidade Federal de Uberlândia - UFU.

Doutora em Contabilidade pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professora da Faculdade de Administração, Ciências Contábeis, Engenharia de Produção e Serviço Social da Universidade Federal de Uberlândia.

Thiago Alberto dos Reis Prado, Universidade Federal de Uberlândia - UFU.

Doutor em Controladoria e Contabilidade pela Universidade de São Paulo. Professor da Faculdade de Administração, Ciências Contábeis, Engenharia de Produção e Serviço Social da Universidade Federal de Uberlândia.

Carlos Eduardo de Oliveira, Universidade Federal de Uberlândia - UFU.

Doutor em Economia pela Universidade Federal de Uberlândia. Professor da Faculdade de Administração, Ciências Contábeis, Engenharia de Produção e Serviço Social da Universidade Federal de Uberlândia.

Referências

Aguiar, L. G., & de Oliveira, T. C. (2018). Balanço social: análise dos modelos praticados atualmente e indícios de padronização em empresas que fazem parte do índice de sustentabilidade empresarial. Revista Eniac Pesquisa, 7(1), 109-124.

Almeida, R. L., & Silva, A. H. C. (2014). Demonstração do Valor Adicionado (DVA): Uma análise de sua comparabilidade após tornar-se obrigatória no Brasil. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, 19(1), 95-110. DOI: https://doi.org/10.12979/10778

Arruda, M. P., Garcia, I. A. S., & Lucena, W. G. L. (2020). A influência do valor adicionado na precificação das ações das companhias abertas brasileiras listadas na BM&FBovespa. Revista INTERFACE-UFRN/CCSA, 17(2), 74-94.

Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal e Cosméticos - ABIHPEC. (2021). Panorama do Setor Atualizado – Agosto. Recuperado em: 17 de setembro de 2021, de https://abihpec.org.br/panorama_do_setor_atualizado_agosto1408/.

Ataides, C. M., Nagib, L. D. R. C., & Costa, L. B. (2018). Uma análise da produção e distribuição de riqueza de companhias de capital aberto do setor de telecomunicações no Brasil. Revista de Auditoria, Governança e Contabilidade (RAGC), 6(25), 101-115.

Baracho, H. U., & Cecato, M. A. B. (2016). Da função social da empresa à responsabilidade social: reflexos na comunidade e no meio ambiente. Direito e Desenvolvimento, 7(2), 114-128. DOI: https://doi.org/10.26843/direitoedesenvolvimento.v7i2.320

Botrel, S. Direito Societário Constitucional: uma proposta de leitura constitucional do Direito Societário. (2009). São Paulo: Atlas.

Calixto, L. (2008). Responsabilidade Socioambiental: Pública ou Privada?. Contabilidade Vista & Revista, 19(3), 123-147.

Ceciliano P. H, Vieira P. R. C, & Silva A. C. M. (2021). A influência da Responsabilidade Social Corporativa na satisfação dos empregados: um estudo com Modelagem de Equações Estruturais. Exacta Engenharia de Produção (e-ISSN: 1983-9308), 1-26.

Comissão de Valores Mobiliários - CVM. (2021). Portal do Investidor. B3 - Brasil, Bolsa e Balcão. Recuperado em: 30 de março de 2021, de https://www.investidor.gov.br/menu/Menu_Academico/Comite_educacao/Participantes/B3/B3.html.

Comitê De Pronunciamentos Contábeis. (2008). CPC 09: Demonstração do valor adicionado. Recuperado em: 22 de maio de 2021, de http://www.cpc.org.br/pdf/CPC_09.pdf.

Conselho Federal de Contabilidade – CFC. (2004). Resolução CFC 1.003 de 19.08.2004. Aprova a NBC T 15 – Informações de natureza social e ambiental. Brasília: CFC. Recuperado em: 30 de março de 2021, de http://www.cfc.org.br/sisweb/sre/detalhes_sre.aspx?Codigo=2004/001003.

Cosenza, J. P. (2003). A eficácia informativa da demonstração do valor adicionado. Revista Contabilidade & Finanças, 14(SPE), 07-29.

Costa, C. A. G. (2012). Contabilidade Ambiental: evidenciação e transparência. São Paulo: Atlas.

Costa, L. B., Lima, F. A., & Alves, P. M. (2020). Nível de evidenciação de informações socioambientais em empresas listadas na b3 nos setores de madeira, papel e celulose. Revista de Auditoria, Governança e Contabilidade (RAGC), 8(36), 145-157.

Cunha, J. V. A. D., Ribeiro, M. D. S., & Santos, A. D. (2005). A demonstração do valor adicionado como instrumento de mensuração da distribuição da riqueza. Revista Contabilidade & Finanças, 16(37), 7-23.

Degenhart, L., Vogt, M., & Hein, N. (2018). Relação do desempenho econômico-financeiro com a responsabilidade social corporativa das empresas brasileiras. Revista Metropolitana de Sustentabilidade, 8(1), 28-51.

De Luca, M. M. M. (1998). Demonstração do valor adicionado: do cálculo da riqueza criada pela empresa ao valor do PIB. São Paulo: Atlas.

Dias, O. C. (2009). Racionalidades subjacentes às ações de responsabilidade social corporativa em empresas do setor elétrico brasileiro. Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília, Brasília. Recuperado em 15 de maio de 2021, de https://repositorio.unb.br/handle/10482/5934.

Elkington, J. (2001). Canibais com garfo e faca. São Paulo: Makron.

Follmann, D. A., de Paiva, K. S. E., & Soares, S. V. (2011). Distribuição do valor adicionado nas empresas do novo mercado: análise setorial da destinação da riqueza em 2008 e 2009. REUNIR Revista de Administração Contabilidade e Sustentabilidade, 1(2), 101-117. DOI: https://doi.org/10.18696/reunir.v1i2.33

Gomes, A., & Moretti, S. (2007). A responsabilidade e o social: uma discussão sobre o papel das empresas. São Paulo: Saraiva.

Guesser, A. P. G., Fedrigo, J., & Einsweiller, A. C. (2018). Demonstração do Valor Adicionado: A evolução e a distribuição da riqueza das empresas Catarinenses listadas na BM&FBOVESPA. Revista Ambiente e Contábil-Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 10(1), 200-222.

Hosser, C., Ferreira, L. N., Soares, I. T. D., & Karnopp, N. V. (2020). Demonstração do Valor Adicionado (DVA): distribuição das riquezas das empresas listadas nos níveis 1 e 2 da B3. Revista do Instituto de Ciências Econômicas, Administrativas e Contábeis (SINERGIA), 24 (2), 9-22. DOI: https://doi.org/10.17648/sinergia-2236-7608-v24n2-9407

Martins, A. S. R, Quintana, A. C, Jacques, F. V. S, & Valle, P. R. P. C. (2016). A percepção nos indicadores sociais e da Petrobras: petróleo brasileiro S/A com o auxílio do Balanço Social e Demonstração do Valor Adicionado (DVA). Estudos do ISCA, (14), 1-21.

Martins, E., Gelbcke, E. R., Santos, A. dos, & Iudícibus, S. de. (2013). Manual de contabilidade societária: aplicável a todas as sociedades: de acordo com as normas internacionais e do CPC. 2. ed. São Paulo: Atlas.

Melo, F. L., Rover, S., Ferreira, D. D. M., & Ferreira, L. F. (2017). Demonstração do Valor do Valor Adicionado (DVA): um estudo sobre a destinação da riqueza nas regiões brasileiras. Revista Metropolitana de Sustentabilidade, 7(2), 68-92.

Moreno, J. C., de Jesus, R., Grecco, M. C. P., da Silva, F. L., & de Mendonça Neto, O. R. (2019). Análise da Geração e Distribuição da Riqueza através da Demonstração de Valor Adicionado no Setor de Construção do Brasil. Revista Eletrônica do Departamento de Ciências Contábeis & Departamento de Atuária e Métodos Quantitativos (REDECA), 6(1), 178-199. DOI: https://doi.org/10.23925/2446-9513.2019v6i1p178-199

Natura. Natura é uma das empresas mais sustentáveis do mundo. (2020). Recuperado em 12 de setembro de 2021, de https://www.natura.com.br/blog/mais-natura/natura-e-uma-das-empresas-mais-sustentaveis-do-mundo.

Nossa, V., Rodrigues, V. R. dos S., & Nossa, S. N. (2017). O que se tem pesquisado sobre Sustentabilidade Empresarial e sua Evidenciação?. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade (REPeC), 11, 87-105. DOI: https://doi.org/10.17524/repec.v11i0.1719

Oliveira, G. P. (2009). Contabilidade Tributária. São Paulo: Saraiva.

Padoveze, C, L., Benedicto, G. C., & Leite, J. S. J. (2012). Manual de Contabilidade Internacional: IFRS-US Gaap-BR Gaap: Teoria e Prática. 1. ed. - São Paulo: Cenage Learning.

Ponchirolli, O. (2008). Ética e responsabilidade social empresarial. Curitiba: Juruá.

Porter, M. E. & Kramer, M. R. (2011). The big idea: creating shared value. H Harvard Business Review.

Ribeiro, M. S. (2010). Contabilidade Ambiental. 2. ed. São Paulo: Saraiva.

Santos, A. (2007). Demonstração do Valor Adicionado: Como elaborar e analisar a DVA. São Paulo: Atlas.

Santos, A. A., Botinha, R. A., & Lemes, S. (2019). Análise da value relevance da demonstração do valor adicionado nos níveis diferenciados de governança corporativa da BM&FBOVESPA. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 18, 1-16. DOI: https://doi.org/10.16930/2237-766220192697

Tenório, F. G. (2006). Responsabilidade Social Empresarial: Teoria e Prática. Rio de Janeiro: FGV.

Tinoco, J. E. P., & Kraemer, M. E. P. (2004). Contabilidade e Gestão Ambiental. São Paulo: Atlas.

Wink, E., Severo, P. S., & Dornelles, M. T. (2015). Demonstração do Valor Adicionado (DVA): distribuição de riqueza ao pessoal e aos capitais de entidades dos Setores da Autoindústria e de Bens de Capitais. Revista Metropolitana de Sustentabilidade, 5(3), 61-80.

Downloads

Publicado

02-01-2023

Como Citar

SILVA, A. P. L. da .; OLIVEIRA, R. M. de; PRADO, T. A. dos R. .; OLIVEIRA, C. E. de. Análise dos indicadores de produção e distribuição do valor adicionado da Natura S.A. REVISTA AMBIENTE CONTÁBIL - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ISSN 2176-9036, [S. l.], v. 15, n. 1, p. 137–153, 2023. DOI: 10.21680/2176-9036.2023v15n1ID28112. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/ambiente/article/view/28112. Acesso em: 15 jun. 2024.

Edição

Seção

Seção 1: Contabilidade Aplicada ao Setor Empresarial (S1)