Nível de disclosure nos relatórios de sustentabilidade em conformidade com o Global Reporting Initiative (GRI)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/2176-9036.2023v15n2ID28710

Palavras-chave:

disclosure, sustentabilidade, gestão ambiental

Resumo

Objetivo: Analisar o nível de disclosure nos relatórios de sustentabilidade em conformidade com o Global Reporting Initiative (GRI), por meio de um estudo descritivo, com análise documental e procedimento quantitativo.

Metodologia: A população da pesquisa compreendeu todas as empresas listadas na B3 que publicaram os relatórios de sustentabilidade por meio dos seus respectivos sites, nos anos de 2015 a 2020, sendo a amostra composta por 103 empresas.

Resultados: O estudo aponta que o grupo de indicadores do perfil organizacional apresentou maior média de evidenciação com 96,34%. Sob outra perspectiva, os grupos de itens relacionados à presença no mercado, práticas de segurança, direito dos povos indígenas e marketing e rotulagem apresentaram o menor índice de evidenciação 26,10%. Conclui-se que à medida em que há maior complexidade nos itens relacionados aos indicadores dos relatórios de sustentabilidade em conformidade ao modelo GRI, é reduzido o nível de evidenciação pelas empresas. Desta forma, a complexidade das informações de determinados itens está relacionada à probabilidade de não divulgação.

Contribuições do estudo: Diante disso, neste estudo foram analisados todos os indicadores tanto de maior quanto de menor complexibilidade, podendo destacar que a medida em que há maior complexidade e esforço por parte das empresas nos itens relacionados aos indicadores dos relatórios de sustentabilidade em conformidade ao modelo GRI, a um menor nível de evidenciação pelas empresas. Desta forma, a complexidade das informações de determinados itens é relacionada à probabilidade de não divulgação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pamela Três, UNOCHAPECÓ

Graduanda em Ciências Contábeis (Unochapecó).

Daniela Di Domenico, Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECÓ

Possui Graduação em Ciências Contábeis pela Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECÓ (2010). Mestrado em Ciências Contábeis pela Universidade Regional de Blumenau - FURB (2012). Contadora CRC/SC. Atualmente é Professora Titular B na Universidade Comunitária da Região de Chapecó - UNOCHAPECÓ. Tem experiência na área da Contabilidade, com ênfase em Contabilidade e Gestão Ambiental, atuando principalmente nas seguintes áreas: Responsabilidade Socioambiental, Contabilidade da Gestão Ambiental, Relatórios de Sustentabilidade, Contabilidade do Agronegócio, Contabilidade Gerencial e Financeira, Contabilidade Internacional e Indicadores de Desempenho. 

Naline Três, UNOCHAPECÓ

Mestre em Ciências Contábeis (Unochapecó).

Referências

Araujo Junior, M. E., & Martins, L. G. C. (2020). Indivíduo, sociedade e direitos humanos: a sustentabilidade integrada à ideia de bem viver e sua relação com os negócios jurídicos no mundo globalizado. Revista Veredas do Direito, Belo Horizonte, 17(37), 172.

Augusto, J. A., & de Souza, M. M. (2021). Características associadas ao nível de evidenciação das receitas de contratos com clientes das companhias de capital aberto brasileiras. Revista Ambiente Contábil - Universidade Federal do Rio Grande do Norte-ISSN 2176-9036, 13(1), 114-133.

Brandalize, T. (2019). Análise dos determinantes no grau de evidenciação do risco de crédito em centrais de cooperativas de crédito. Revista de Gestão e Organizações Cooperativas, 01-34.

Beuren, I. M., Di Domenico, D., & Cordeiro, A. (2013). Análise de indicadores do Environmental Management Accounting evidenciados no Global Reporting Initiative. Revista Gestão Organizacional, 6(2).

Chagas, M. J. R., Cavalcante, D. S., de Melo Travassos, S. K., de Macedo Pinto, S. K., & da Silva, P. Z. P. (2020). Evidenciação contábil dos recursos auferidos pelas OSCIPs do nordeste brasileiro: um enfoque nas subvenções e assistências governamentais. Revista Ambiente Contábil - Universidade Federal do Rio Grande do Norte-ISSN 2176-9036, 12(2), 236-253.

Claro, P. B. O., Claro, D. P., & Amâncio, R. (2008). Entendendo o conceito de sustentabilidade nas organizações. Revista de Administração-RAUSP, 43(4), 289-300.

Cong, Y., & Freedman, M. (2011). Corporate governance and environmental performance and disclosures. Advances in Accounting, 27(2), 223-232.

Costa, E., & Ferezin, N. B. (2021). ESG (Environmental, Social and Corporate Governance) e a comunicação: o tripé da sustentabilidade aplicado às organizações globalizadas. Revista Alterjor, 24(2), 79-95.

Da Rosa Moura, J., & Gonçalves, M. S. (2020). Educação e Sustentabilidade: um estudo sobre as representações sociais nos dizeres de assentados do MST, em Viamão-RS. Cadernos de Estudos Sociais, 35(1).

Da Silva, D., Lopes, E. L., & Junior, S. S. B. (2014). Pesquisa quantitativa: elementos, paradigmas e definições. Revista de Gestão e Secretariado, 5(1), 01-18.

Da Silva Souza, F. R. (2020). Educação Ambiental e sustentabilidade: uma intervenção emergente na escola. Revista Brasileira de Educação Ambiental (RevBEA), 15(3), 115-121.

Da Silva Teixeira, F., & Freitag, A. E. B. (2021). Análise da Sustentabilidade em empresas participantes do Índice ISE. South American Development Society Journal, 7(20), 309.

De Moura, G. D., Mazzioni, S., & Di Domenico, D. (2021) Mulheres na Gestão e a Evidenciação Ambiental em Companhias Abertas.

De Santana, A. F. D. S., & Azevedo, T. C. (2020). Evidenciação contábil das entidades sem fins lucrativos de assistência social em Feira de Santana (BA): abordagem à luz das normas brasileiras de contabilidade. Revista Ambiente Contábil - Universidade Federal do Rio Grande do Norte-ISSN 2176-9036, 12(1), 171-191.

De Sousa Gonçalves, R., Weffort, E. F. J., Peleias, I. R., & de Oliveira Gonçalves, A. (2008). Social Disclosure das empresas brasileiras listadas na NYSE e na BOVESPA: sua relação com os níveis de governança corporativa. Revista Contemporânea de Contabilidade, 5(9), 71-94.

Di Domenico, D., Dal Magro, C. B., Mazzioni, S., Preis, M. B., & Klann, R. C. (2015). Determinantes do nível de disclosure nos relatórios de sustentabilidade em conformidade com o Global Reporting Initiative. Revista Gestão & Sustentabilidade Ambiental, 4(2), 4-30.

Di Domenico, D., Tormem, L., & Mazzioni, S. (2017). Nível de disclosure nos relatórios de sustentabilidade em conformidade com o global reporting initiative (GRI). Revista Catarinense da Ciência Contábil, 16(49), 84-100.

Dos Reis, L., Rigo, V. P., & Farinon, K. (2020). Disclosure nos relatórios de sustentabilidade de empresas do novo mercado da Bovespa em consonância com os objetivos de desenvolvimento sustentável publicados pela ONU. Revista Ambiente Contábil - Universidade Federal do Rio Grande do Norte-ISSN 2176-9036, 12(1), 88-108.

Fank, D. R. B., Wernke, R., & Zanin, A. (2019). Evidenciação das estratégias de legitimidade nos relatórios da administração da empresa Vale. Management Control Review, 4(1), 50-69.

Fernandez‐Feijoo, B., Romero, S., & Ruiz‐Blanco, S. (2014). Women on boards: do they affect sustainability reporting?. Corporate Social Responsibility and Environmental Management, 21(6), 351-364.

Gallon, A. V., Beuren, I. M., & Hein, N. (2007). Análise da relação entre evidenciação nos relatórios da administração e o nível de governança das empresas na Bovespa. Revista de Informação Contábil, 1(2), 18-41.

Gazzoni, F., Scherer, F. L., Hahn, I. S., de Moura Carpes, A., & dos Santos, M. B. (2018). O papel das IES no desenvolvimento sustentável: estudo de caso da Universidade Federal de Santa Maria. Revista Gestão Universitária na América Latina-GUAL, 48-70.

Gomes, I. (2005). Sustentabilidade social e ambiental na agricultura familiar. Revista de Biologia e Ciências da Terra, 5(1), 0.

Locatelli, O., Nossa, V., & Ferreira, F. R. (2020). Impacto da evidenciação de informações no valor das ações das sociedades de economia mista. Revista de Contabilidade e Organizações, 14, e168631-e168631.

Lourenço, M. L., & Carvalho, D. M. (2013). Sustentabilidade social e desenvolvimento sustentável. Race: revista de administração, contabilidade e economia, 12(1), 9-38.

Macêdo, F. F. R. R., De Moura, G. D., Dagostini, L., & Hein, N. (2013). Evidenciação ambiental voluntária e as práticas de governança corporativa de empresas listadas na Bm&Fbovespa. Contabilidade Gestão e Governança, 16(1).

Machado, D. P., & Ott, E. (2015). Estratégias de legitimição social empregadas na evidenciação ambiental: um estudo à luz da teoria da legitimidade. Revista Universo Contábil, 11(1), 136-156.

Madeira, G. J. (1995). Evidenciação. Contabilidade Vista & Revista, 6(1), 13-21.

Munck, L., & de Souza, R. B. (2009). Gestão por competências e sustentabilidade empresarial: em busca de um quadro de análise. Gestão e sociedade, 3(6), 254-287.

Paz, F. J., & Kipper, L. M. (2016). Sustentabilidade nas organizações: vantagens e desafios. Revista Gestão da Produção Operações e Sistemas, 11(2), 85.

Prudêncio, P. A., Forte, H. C., De Luca, M. M. M., & de Vasconcelos, A. C. (2019). Disclosure ambiental negativo e desempenho em empresas listadas na B3. Revista de Gestão Social e Ambiental, 13(2), 58-74.

Raupp, F. M., & Beuren, I. M. (2006). Metodologia da pesquisa aplicável às ciências. Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. São Paulo: Atlas, 76-97.

Severo, E. A., de Guimarães, J. C. F., & Morais, L. (2019). A sustentabilidade ambiental na perspectiva das gerações do sul do Brasil. Revista eletrônica de estratégia & negócios, 12(2), 85-112.

Staffen, M. R., & Polis, G. (2020). A promoção da sustentabilidade social na sociedade transnacionalizada a partir da norma ISO 26.000. Dom Helder Revista de Direito, 3(5), 39-56.

Tiossi, F. M., & Simon, A. T. (2021). Economia Circular: suas contribuições para o desenvolvimento da Sustentabilidade. Brazilian Journal of Development, 7(2), 11912-11927.

Vieira, I. C. G. (2019). Abordagens e desafios no uso de indicadores de sustentabilidade no contexto amazônico. Ciência e Cultura, 71(1), 46-50.

Yahiro, A. A., & Moura-Leite, R. C. (2020). A evidenciação da responsabilidade social da empresa no ramo têxtil: uma revisão sistemática. Facef, Pesquisa-Desenvolvimento e Gestão, 23(3).

Downloads

Publicado

04-07-2023

Como Citar

TRÊS, P. .; DOMENICO, D. D.; TRÊS, N. . Nível de disclosure nos relatórios de sustentabilidade em conformidade com o Global Reporting Initiative (GRI). REVISTA AMBIENTE CONTÁBIL - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ISSN 2176-9036, [S. l.], v. 15, n. 2, p. 1–18, 2023. DOI: 10.21680/2176-9036.2023v15n2ID28710. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/ambiente/article/view/28710. Acesso em: 3 mar. 2024.

Edição

Seção

Seção 1: Contabilidade Aplicada ao Setor Empresarial (S1)