Estruturação de sistemas de controle gerencial por organizações residentes em parques tecnológicos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/2176-9036.2024v16n1ID31503

Palavras-chave:

Sistemas de controle gerencial, Parques Tecnológicos, Empresas Incubadas

Resumo

Objetivo: A presente pesquisa enfatiza os modelos de sistema de controle gerencial, com o objetivo de analisar a estruturação dos SCGs das empresas incubadas no Parque de Ciência e Tecnologia Guamá, permitindo mensurar o nível de estruturação de seus processos de gestão.

Metodologia: Trata-se de pesquisa exploratória desenvolvida com abordagem quantitativa, por meio da aplicação de questionários aplicados presencialmente em 15 empreendimentos do Parque de Ciência e Tecnologia Guamá.

Resultados: Os resultados indicaram que os empreendedores residentes possuem sistemas de controle gerencial estruturados, com maior ênfase para marcadores de planejamento e controle de resultados e menor estruturação de controles culturais e comportamentais, coadunando com os resultados obtidos com a própria importância atribuída pelos gestores ao uso de SCG. Conclui-se que as empresas participantes da pesquisa realizam uma gestão equilibrada entre o planejamento e o controle operacional, com necessidade de realização de ações para estimular o uso de ferramentas gerenciais que auxiliem na divulgação da cultura e nos controles comportamentais.

Contribuições do Estudo: Como contribuição prática, este estudo coopera para o aprimoramento da gestão de Parques Tecnológicos, a partir do mapeamento das necessidades de seus usuários. Como contribuição acadêmica, acreditamos que compreender fatores de gestão que estão melhor desenvolvidos e os que precisam se desenvolver para o atingimento de níveis satisfatórios de sistemas de controle gerencial é crítico para a definição de políticas internas de desenvolvimento dos processos de gestão, dessa forma, caminhando para a contribuição social da pesquisa, na qual o aprimoramento teórico favorece empreendedores e seus empreendimentos, com ganhos para o ecossistema dos parques tecnológicos e para a sociedade como um todo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcia Athayde Moreira, Universidade Federal do Pará - UFPA

Pós Doutora em Administração Estratégica e Empreendedorismo pela EAESP/FGV (2020). Doutora em Controladoria e Contabilidade pela Universidade de São Paulo (2010), mestre em Ciências Contábeis pela Universidade de Brasília (2006), especialista em Magistério Superior pela Universidade Ceuma (2003) e graduada em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do Pará (1999). Atua como professora e pesquisadora na Universidade Federal do Pará, com ênfase em pesquisas que discutem o desenvolvimento e o fortalecimento do empreendedorismo e a sustentabilidade.

Everaldo Marcelo Souza da Costa, Universidade da Amazônia - Unama

Mestre e Doutor em Administração pela Universidade da Amazônia (2012 - 2018). Especialista em Matemática Elementar pela Universidade Federal do Pará (2005). Graduado em Licenciatura Plena em Matemática pela Universidade Estadual do Pará (2000). Atualmente é Professor do Programa de pós Graduação em Administração (PPAD) da UNAMA, tendo especial interesse em pesquisas e desenvolvimento de projetos nas áreas do marketing tecnológico, usabilidade tecnológica e comportamento de consumo.

Carlos Augusto Santana de Freitas, Universidade Federal do Pará - UFPA

Estudante de Bacharelado em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Iniciação Científica (PIVIC UFPA 2021/2022) - Iniciação Científica (PIBIC UFPA 2020/2021) com ênfase Contabilidade Gerencial, Empreendedorismo, Parques Tecnológicos e Sistemas de Controle Gerencial.

Referências

Abbud, E. B.; Tonelli, D. F. (2018). Governança Colaborativa: Implantação de Parques Tecnológicos pelo Governo De MG. BASE – Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, 15(2), 95-110.

Anthony, R. N.; Govindarajan, V. (2011). Sistemas de controle gerencial. AMGH Editora.

Associação Nacional De Entidades Promotoras De Empreendimentos Inovadores (ANPROTEC). (2021). Sobre a ANPROTEC. Recuperado em 4 de fevereiro, 2021, de: https://anprotec.org.br/site/sobre/.

Audy, J., & Piqué, J. (2016). Dos parques científicos e tecnológicos aos ecossistemas de inovação: desenvolvimento social e econômico na sociedade do conhecimento. Brasília, DF: ANPROTEC.

Benedetti, M. H., Rebello, K. M. R., & Reyes, D. E. C. (2006). Empreendedores e inovação: contribuições para a estratégia do empreendimento. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 5(1), 1-15. (https://doi.org/10.21529/RECADM.20060501005).

Beuren, I. M., Santos, V., & Theiss, V. (2018). Análise da Formalidade dos Sistemas de Controle Gerencial em Empresas Incubadas. RMC, Revista Mineira de Contabilidade, 19(2), 19-30. (https://doi.org/10.21714/2446-9114RMC2018v19n2t02).

Borsatto Junior, J. L.; Vesco, D. G. D. (2020). Sistemas de Controle Gerencial como Instrumento de Poder sob a Ótica De Bourdieu. Revista Universo Contábil, 16(1), 27-53. (http://dx.doi.org/10.4270/ruc.2020102).

Brasil (2004). Lei nº 10.973, 2 dez. 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Recuperado em 4 fevereiro, 2021, de: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.973.htm>.

Campos, B. R.; Gáudio, A. E. G. M. (2014). A Utilização de Ferramentas de Controle Gerencial em Micro e Pequenas Empresa da Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Revista da Micro e Pequena Empresa, 8(3), 66 – 78.

Chenhall, R. H. (2003). Management control systems design within its organizational context: findings from contingency-based re¬search and directions for the future. Accounting, Organizations and Society, 28(2-3), 127-168. (https://doi.org/10.1016/S0361-3682(01)00027-7).

Costa, L. F. S., França, M. C. L. & Teixeira, R. M. (2010). Apoio gerencial na incubação de empresas de base tecnológica: o caso da incubadora Cise. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 4(1), 1-15.

Fávero, L. P. L.; Belfiore, P. P. (2017). Manual De Análise De Dados: estatística e modelagem multivariada com Excel, SPSS e Stata. Rio de janeiro: Elsevier.

IASP - International Association of Science Parks. (2020). Definitions. Recuperado em 4 de fevereiro, 2021, de: https://www.iasp.ws/our-industry/definitions.

Lenzi, F. C., & Kiesel, M. D. (Org.). (2009). O empreendedor de visão. São Paulo: Atlas.

Malmi, T.; Brown, D. (2008). Management control systems as a package – Opportunities, challenges, and research directions. Manage¬ment Accounting Research, 19(4), 287-300. (https://doi.org/10.1016/j.mar.2008.09.003).

Moreira, M. A.; Borges, D, N.; Santiago, A. M. (2017). Relação Entre Formação Estratégica E Sistemas De Controle Gerencial. Contabilidade, Gestão E Governança – Brasília, 20(1), 133-152.

Neck, H. M., Meyer, G. D., Cohen, B., & Corbett, A. C. (2004). An entrepreneurial system view of new venture creation. Journal of small business management, 42(2), 190-208.

Oliveira, R., & Velho, L. (2009). Benefícios e riscos da proteção e comercialização da pesquisa acadêmica: uma discussão necessária. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 17(62), 25-54. (https://doi.org/10.1590/S0104-40362009000100003).

Pardini, D. J., & Paim, L. R. C. (2001). Empreendedorismo e interdisciplinaridade: uma proposta metodológica no ensino de graduação. In: II EGEPE. Anais..., Londrina: EGEPE.

PCT Guamá - Parque de Ciência e Tecnologia do Guamá. (2021). Informações. Recuperado em 4 de fevereiro, 2021 de: http://pctguama.org.br.

Pereira, M. J., Oliveira, Edson A. A. Q., & Oliveira, A. L. (2016). Origens dos parques tecnológicos e as contribuições para o desenvolvimento regional brasileiro. Latin American Journal of Business Management, 7(1), 117-138.

Pletsch, C. S.; Lavarda, C. E. F. (2016). Uso das Alavancas De Controle De Simons (1995) na Gestão de uma Cooperativa Agroindustrial. Revista de Contabilidade e Organizações, 10(28), 18-31. (https://doi.org/10.11606/rco.v10i28.117375).

Ribeiro, H. A. S.; Sotello, F.; Damke, E. J. (2017). Aderência às Alavancas de Controle Estratégico: estudo em uma indústria farmacêutica brasileira. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, 10(3), 197-222. (https://doi.org/10.19177/reen.v10e32017197-222).

Santos, V., Beuren, I. M., & Conte, A. (2017). Uso De Instrumentos do Sistema de Controle Gerencial em Empresas Incubadas. Revista Contabilidade Vista & Revista, 28(3), 103-132.

Simons, R. (1995). Control in an age of empowerment. Harvard Business Review, 73(2), 8-88.

Steiner, J. E., Cassim, M. B., & Robazzi, A. C. (2008). Parques tecnológicos: ambientes de inovação. Revista IEA. USP. São Paulo.

Thiesen, L. G. R. S.; Theiss, V. (2020). Influência do Pacote de Sistema de Controle Gerencial no Desempenho de Tarefas, moderado pela Presença de Recursos Financeiros em Startups. In: 10º Congresso UFSC. Anais (p. 1-17), Santa Catarina: UFSC.

Tonelli, D. F. (2012). Perspectivas de política científica e tecnológica para a cooperação governo - universidade - empresa: diferenças e possibilidades. Revista em Gestão Pública: Práticas e Desafios, 3(5), 24-42.

Tonelli, D. F., Marquesini, M. A., Zambalde, A. L., & de Almeida, R. E. (2015). Implantação de Parques Tecnológicos como Política Pública: Uma Revisão Sistemática sobre seus Limites e Potencialidades. Revista Gestão & Tecnologia, 15(2), 113-134.

United Kingdom Science Park Association - UKSPA. About UKSPA. Recuperado em 4 de fevereiro, 2021, de: <https://www.ukspa.org.uk/>.

Vedovello, C. A.; Judice, V. M. M.; Maculan, A. M. D. (2006). Revisão Crítica às Abordagens a Parques Tecnológicos: Alternativas Interpretativas às Experiências Brasileiras Recentes. RAI - Revista de Administração e Inovação, 3(2), 103-118.

Veroneze, S., & Kruger, S. D. (2021). Uso de controles e informações gerenciais por empresas startups incubadas. ABCustos, 16(1). (https://doi.org/10.47179/abcustos.v16i1.600).

Widener, S. K. (2007). An empirical analysis of the levels of control framework. Accounting, Organizations and Society, 32(7-8), 757-788.

Downloads

Publicado

02-01-2024

Como Citar

MOREIRA, M. A.; COSTA, E. M. S. da; FREITAS, C. A. S. de. Estruturação de sistemas de controle gerencial por organizações residentes em parques tecnológicos. REVISTA AMBIENTE CONTÁBIL - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ISSN 2176-9036, [S. l.], v. 16, n. 1, p. 349–369, 2024. DOI: 10.21680/2176-9036.2024v16n1ID31503. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/ambiente/article/view/31503. Acesso em: 24 jul. 2024.

Edição

Seção

Seção 3: Pesquisas de Campo sobre Contabilidade (Survey) (S3)