DEFININDO FRONTEIRAS E ABRINDO NOVOS HORIZONTES: O CONCEITO DE GOVERNANÇA NA PESQUISA EM CONTABILIDADE

Autores

  • Susana Cipriano Dias Raffaelli Universidade de São Paulo (USP)
  • Henrique Portulhak Universidade Federal do Paraná (UFPR)
  • Paulo Mello Garcias Universidade Federal do Paraná (UFPR)
  • Rodrigo Oliveira Soares Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Resumo

O termo “governança” é utilizado pela Nova Teoria Institucional, pela Teoria de Finanças e pela BM&FBOVESPA nos segmentos especiais de listagem de empresas, tendo sido atribuídos em cada vertente conceitos particulares que contribuem para a formação das teorias. Diante da similaridade dos termos, existe a possibilidade de pesquisadores cometerem equívocos no uso dos diferentes conceitos de governança. A presente investigação teve por objetivo avaliar como o termo “governança” tem sido utilizado em artigos publicados em periódicos da área de Contabilidade. A análise interpretativa empreendida em 43 artigos publicados no período entre 2008 e 2012 em sete periódicos da área de Contabilidade com estrato entre A1 e B2 demonstrou que 18,6% dessas publicações apresentam ausência de alinhamento com os diferentes conceitos dados pelas três vertentes que utilizam o termo “governança”. Desse modo, verificou-se existência de falhas epistemológicas nas pesquisas que podem conduzir o leitor a conclusões incorretas com relação às temáticas abordadas, especialmente sobre a diferenciação entre governança corporativa e os níveis de governança da BM&FBOVESPA, bem como se evidenciou a existência de amplo campo de pesquisa a ser explorado na área contábil devido à baixa utilização dos conceitos de estrutura de governança.

Palavras-chave: Estrutura de Governança. Governança Corporativa. Níveis de Governança Corporativa. Pesquisa em Contabilidade. Análise Interpretativa.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Susana Cipriano Dias Raffaelli, Universidade de São Paulo (USP)

Doutoranda em Controladoria e Contabilidade pela Universidade de São Paulo (FEA/USP)

Mestre em Contabilidade pela Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Henrique Portulhak, Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Mestre em Contabilidade pela Universidade Federal do Paraná (UFPR); Professor da Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas do Paraná (FACET) e das Faculdades Integradas do Brasil (UNIBRASIL); Contador do Hospital de Clínicas da UFPR.

Paulo Mello Garcias, Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Doutor em Economia pela Universidade de São Paulo (FEA/USP)

Professor do Programa de Pós-Graduação em Contabilidade da Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Rodrigo Oliveira Soares, Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Doutor em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Professor do Programa de Pós-Graduação em Contabilidade da Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Referências

ARROW, Kenneth. J. The economics of moral hazard: further comment. American Economic Review, v. 58, n. 3, p. 537-538, 1968.

BERLE, Adolf A.; MEANS, Gardine C. The modern corporation and private property. New York: MacMillan, 1932.

BERTUCCI, Janete Lara de Oliveira; BERNARDES, Patricia; BRANDÃO, Mônica Mansur. Políticas e práticas de governança corporativa em empresas brasileiras de capital aberto. Revista de Administração da USP, v. 41, n. 2, p. 183-196, 2006.

BM&FBOVESPA. Governança corporativa. Disponível em <http://www.bmfbovespa.com.br/cias-listadas/consultas/governanca-corporativa/governanca-corporativa.aspx?idioma=pt-br>. Acesso em 13 dez. 2012.

BRYMAN, Alan. Social research methods. 4. ed. New York: Oxford University Press, 2012.

BURRELL, Gibson; MORGAN, Gareth. Sociological paradigms and organizational analysis: elements of the sociology of corporate life. Londres: Heinemann, 1979.

BUSHMAN, Robert M.; SMITH, Abbie J. Financial accounting information and corporate governance. Journal of Accounting and Economics, v. 32, n. 1-3, p. 237-333, 2001.

CAMPOS, Gabriel Moreira; DINIZ, Josedilton Alves; MARTINS, Gilberto de Andrade. Fronteiras da pesquisa sobre governança corporativa: uma análise epistemológica. Enfoque: Reflexão Contábil, Maringá, v. 30, n. 2, p. 36-51, 2011.

CAPES – Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Cursos recomendados e reconhecidos. Disponível em <http://www.capes.gov.br/cursos-recomendados>. Acesso em 10 dez. 2012.

_____. Qualis Periódicos. Disponível em <http://www.capes.gov.br/avaliacao/qualis>. Acesso em 15 dez. 2012.

CARVALHO, Antonio Gledson de. Governança corporativa no Brasil em perspectiva. In: SILVA, André Luis Carvalhal da; LEAL, Ricardo Pereira C. (Org.). Governança corporativa: evidências empíricas no Brasil. São Paulo: Atlas: 2007. Cap. 2.

CATAPAN, Anderson; CHEROBIM, Ana Paula Mussi Szabo. Estado da arte da governança corporativa: estudo bibliométrico nos anos de 2000 a 2010. RACE, v. 9, n.1-2, p. 207-230, 2010.

CEG – Centro de Estudos em Governança Corporativa FIPECAFI. Artigos sobre governança corporativa. Disponível em <http://www.ceg.org.br/biblioteca/artigos_governanca_corporativa.aspx>. Acesso em 13 dez. 2012.

CERVO, Amado Luiz; BERVIAN, Pedro Alcino. Metodologia científica: para uso dos estudantes universitários. São Paulo: McGraw-Hill, 1983.

COASE, Ronald H. The nature of the firm. Economica, v. 4, n. 4, p. 331-351, 1937.

COOPER, Donald R.; SCHINDLER, Pamela S. Métodos de pesquisa em administração. 7. ed. Porto Alegre: Bookman, 2003.

DUARTE, Elizangela; CARDOZO, Maria Aparecida; VICENTE, Ernesto Fernando Rodri-gues. Governança: uma investigação da produção científica brasileira no período de 2000 a 2009. Contabilidade, Gestão e Governança, v. 15, n.1, p. 115-127, 2012.

EISENHARDT, Kathleen M. Agency theory: an assessment and review. Academy of Mana-gement Review, v.14, n. 1, p. 57-74, 1989.

FACCHIN, Odília. Fundamentos de metodologia. 3. Ed. São Paulo: Saraiva, 2001.

FARINA, Elizabeth M. M. Q.; AZEVEDO, Paulo F.; SAES, Maria Sylvia M. Competitividade: Mercado, Estado e Organizações. São Paulo: Singular, 1997.

FIANI, Ronaldo. Teoria dos custos de transação. In: KUPFER, David; HASENCLEVER, Lia (Org.). Economia industrial: fundamentos teóricos e práticas no Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 2002. Cap.12. p. 267-306.

GARCÍA-MECA, Emma; SÁNCHES-BALLESTA, Juan P. Corporate governance and earnings management: a meta-analysis. Corporate governance: an international review, v. 17, n. 5, p. 594-610, 2009.

JENSEN, Michael C.; MECKLING, William H. Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, v. 3, n. 4, p. 305-360, 1976.

LA PORTA, Rafael et al. Law and finance. Journal of Political Economy, v. 106, n. 6, p. 1113-1155, 1998.

MERRIAM, Sharan B. Qualitative research: a guide to design and implementation. San Francisco: Jossey-Bass, 2009.

MURITIBA, Sérgio Nunes. et al. Governança corporativa no Brasil: uma análise bibliométrica das publicações dos últimos doze anos. In: SEMINÁRIOS EM ADMINISTRAÇÃO. SE-MEAD, 13. Anais... São Paulo: USP, 2010.

PONDÉ, João Luiz. Coordenação, custos de transação e inovações institucionais. Texto para Discussão nº 38. Campinas: IE/UNICAMP, 1994.

RIBEIRO, Henrique César Melo. et al. Governança corporativa: um estudo bibliométrico da produção científica das dissertações e teses brasileiras. Contabilidade, Gestão e Governança, v. 15, n. 3, p. 52-70, 2012.

ROSSONI, Luciano. Governança corporativa, legitimidade e desempenho das organizações listadas na Bovespa. Tese de Doutorado. Setor de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Federal do Paraná. Curitiba: 2009. Disponível em <http://dspace.c3sl.ufpr.br:8080/dspace>. Acesso em 9 fev. 2013.

ROTTA, Claudio. Governança corporativa e as decisões de investimento. Dissertação de mestrado. Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: 2004. Disponível em <http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/5770/000475215.pdf?sequence=1>. Acesso em 9 fev. 2013.

SHLEIFER, Andrei; VISHNY, Robert W. A survey of corporate governance. Journal of Finance, v. 52, n. 2, p. 737-783, 1997.

SILVEIRA, Alexandre Di Miceli da. Crítica à teoria dos stakeholders como função-objetivo corporativa. Caderno de Pesquisas em Administração, v. 12, n. 1, p. 33-42, 2005.

SIMON, Herbert. Administrative behavior, Nova Iorque: Macmillan, 1957.

SOUZA, Flavia Cruz de. et al. Análise das IES da Área de Ciências Contábeis e de seus Pesquisadores por meio de sua Produção Científica. Contabilidade Vista & Revista, v. 19, n. 3, p. 15-38, 2008.

TRUJILLO FERRARI, Alfonso. Metodologia da pesquisa científica. São Paulo: McGraw-Hill, 1982.

WILLIAMSON, Oliver E. Markets and hierarchies: analysis and antitrust implications: a study in the economics of internal organization. University of Illinois at Urbana-Champaign's Academy for Entrepreneurial Leadership Historical Research Reference in Entrepreneurship, 1975.

_____. The governance of contractual relations. Journal of Law and Economics, v. 22, n. 2, p. 233-261, 1979.

_____. Antitrust Economics. Nova Iorque: Basil Blackwell, 1987.

_____. The Mechanisms of Governance. Londres: Oxford University Press, 1996.

ZATTONI, Alessandro; CUOMO, Francesca. Why adopt codes of good governance? A comparison of institutional and efficiency perspectives. Corporate Governance, v. 16, n. 1, p. 1-15, 2008.

Downloads

Publicado

08-01-2015

Como Citar

RAFFAELLI, S. C. D.; PORTULHAK, H.; GARCIAS, P. M.; SOARES, R. O. DEFININDO FRONTEIRAS E ABRINDO NOVOS HORIZONTES: O CONCEITO DE GOVERNANÇA NA PESQUISA EM CONTABILIDADE. REVISTA AMBIENTE CONTÁBIL - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ISSN 2176-9036, [S. l.], v. 7, n. 1, p. 196–215, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/ambiente/article/view/5506. Acesso em: 6 dez. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS