Impressão 3D e o Ensino de Geografia para aluna com Deficiência Visual

  • Antonio Virgínio Martins Neto Governo do Estado da Paraíba/SESDS
  • Carlos José Sabino Nascimento Governo do Estado da Paraíba/SEECT
  • Jarles Tarsso Gomes Santos Governo do Estado do Rio Grande do Norte/SEEC
  • Flávia Roldan Viana Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Géssica Fabiely Fonseca Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Palavras-chave: Deficiência Visual; Ensino de Geografia; Impressão 3D; Desenho Universal da Aprendizagem.

Resumo

As dificuldades docentes quanto a inclusão de alunos com deficiência visual em sala de aula é uma situação constante na prática de professores, havendo necessidade de medidas que busquem minimizar esse fato. Partindo deste pressuposto, este trabalho busca apresentar um planejamento pedagógico para o ensino da Geografia, usando como recurso pedagógico a impressora 3D, para uma estudante com deficiência visual. Diante deste contexto escolar, questiona-se: quais ações a professora de Geografia, Cláudia (pseudônimo), poderia ter desenvolvido para garantir a inclusão das especificidades de uma aluna com deficiência visual e seus colegas, no planejamento da aula, e quais contribuições esse planejamento inclusivo pode contribuir para o processo de ensino e aprendizagem na turma do 6º ano do Ensino Fundamental? A partir desse questionamento, o trabalho traz como objetivo elaborar um plano de aula para uma turma do 6º ano dos anos finais do Ensino Fundamental, baseado no Desenho Universal da Aprendizagem (DUA), utilizando a impressora 3D para estudantes com deficiência visual. Para isso, foi construído um plano de aula e posteriormente o material didático foi customizado na impressora 3D, buscando criar representações do conteúdo proposto. O caso pode ser utilizado nos componentes curriculares de Educação Especial, Didática, Ensino de Geografia e na formação inicial e continuada de professores. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Resolução CNE/CEB Nº 2, de 11 de setembro de 2001. Institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Diário Oficial da União, Brasília, 2001. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CEB0201.pdf>. Acesso em 07 Ago. 2020.

BRASIL. Saberes e Práticas de Inclusão: estratégias para a educação de alunos com necessidades educacionais especiais. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2003.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: Ensino Fundamental. Brasília: MEC/Secretaria de Educação Básica, 2017. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/bncc-20dez-site.pdf>. Acesso em: 13 Mar. 2019.

NUNES, C.; MADUREIRA, I. Desenho Universal para a Aprendizagem: Construindo práticas pedagógicas inclusivas. Da Investigação às Práticas, v. 5, n. 2, p. 126 – 143, 2015.

TANNÚS-VALADÃO, G.; MENDES, E. G. Inclusão escolar e o planejamento educacional individualizado: estudo comparativo sobre práticas de planejamento em diferentes países. Revista Brasileira de Educação, v. 23, 2018.

VESENTINI, José William. Geografia: Geografia Geral e do Brasil. Volume único: professor. São Paulo: Ática, 2005.

Publicado
23-10-2020
Como Citar
MARTINS NETO, A. V.; NASCIMENTO, C. J. S.; SANTOS, J. T. G.; VIANA, F. R.; FONSECA, G. F. Impressão 3D e o Ensino de Geografia para aluna com Deficiência Visual. Revista de Casos e Consultoria, v. 11, n. 1, p. e11115, 23 out. 2020.
Seção
Casos