Marketing B2B - Fatores determinantes de compra de insumos na Indústria Cosmética

Palavras-chave: Matérias-primas; Indústria nacional; Marketing relacional; Marketing transacional.

Resumo

O Brasil é o 4º mercado mundial em consumo de produtos de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (HPPC). Em 2018, quase 2.800 empresas de HPPC estavam regularizadas na ANVISA. O cenário de expansão observado para HPPC não é refletido nas mesmas proporções na Indústria Nacional de Insumos para Cosméticos, a qual sofre com a competição com insumos importados, cuja preferência é atribuída à fatores tais como falta de disponibilidade e competitividade de preços. O objetivo desse estudo foi analisar o processo de compra de matérias-primas pela Indústria Cosmética Nacional com o intuito de identificar quais são os fatores decisórios determinantes na aquisição de um insumo. Para tal, foi utilizado o método de pesquisa baseado em amostragem não probabilística, definida por acessibilidade, sem procedimento estatístico associado, com interesse em selecionar participantes com informações relevantes. Como resultado foi observado que, apesar de prevalecer a opinião de que o preço do insumo nacional não é competitivo, esse não é o fator principal na decisão de compra.  A falta de inovação, de tecnologia e eficácia do insumo nacional, bem como insatisfação com pós-venda, tempo de entrega e disponibilidade de material foram pontuados como motivos para a preferência pelo importado. Também foi observado que os fatores motivacionais para aquisição pela Indústria de Cosméticos Nacional de um insumo proveniente da Indústria Nacional de Insumos para Cosméticos abrangem elementos racionais e emocionais, que devem ser considerados na definição do plano de marketing promocional de um insumo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS (ABIHPEC). Panorama do Setor de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosmético. 2018. Disponível em: <https://abihpec.org.br/ publicacao/panorama-do-setor-2018/>. Acesso em: 25 mai 2019.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS (ABIHPEC). Panorama do Setor de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosmético. 2019. Disponível em: <https://abihpec.org.br/ publicacao/panorama-do-setor-2019/>. Acesso em: 25 mai 2019.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL (ABDI). A Indústria de Insumos Químicos para Cosméticos. 2015. Disponível em: <https://old.abdi.com.br/ Estudo/_Insumos_Quim_Cosm_RF_02%2002%2015.pdf>. Acesso em: 23 set 2018.

BARNES, J. G. Closeness, strength, and satisfaction: Examining the nature of relationships between providers of financial services and their retail customers. Psychology and Marketing. 14:765-790. 1997.

BENDAPUDI, N.; BERRY, L. L. Customers' motivations for maintaining relationships with service providers. Journal of Retailing. 73:15-37. 1997.

BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL (BNDES). Potencial de Diversificação da Indústria Brasileira: Relatório 4 - Cosméticos e Higiene Pessoal. 2014. Disponível em: <http://www.bndes.gov.br/ SiteBNDES/export/sites/default/bndes_pt/Galerias/Arquivos/produtos/download/ aep_fep/chamada_publica_FEPprospec0311_Quimicos_Relat4_cosmesticos.pdf?_ sm_au_=iHVFHngHJnRfFnTR>. Acesso em: 23 set 2018.

DADZIE, K.Q.; JOHNSTON, W.J.; PELS, J. Business‐to‐business marketing practices in West Africa, Argentina and the United States. Journal of Business & Industrial Marketing 23:115-123. 2008.

FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE SÃO PAULO (FAPESP). Financiamento para ciência. 2018. Disponível em: <http://revistapesquisa. fapesp.br/ 2018/11/23/financiamento-para-ciencia/>. Acesso em: 30 mar 2019.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Indicadores IBGE: Pesquisa Industrial Mensal: Produção Física: Brasil: janeiro 2019. Disponível em: <https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/228/pim_pfbr_ 2019_jan.pdf>. Acesso em: 30 mar 2019.

GRÖNROOS, C.; RAVALD, A. Service as business logic: Implications for value creation and marketing. Journal of Service Management. 22(1):5-22. 2011.

GROSOVA, S.; GROS, I.; CISAROVA, M. B2B Segmentation as a tool for marketing and logistic strategy formulation. Intellectual Economics. (9):54-64. 2011.

GUMMESSON, E. Extending the service-dominant logic: from customer centricity to balanced centricity. Journal of the Academy of Marketing Science. 36:15-17. 2008.

GUMMESSON, E.; MELE, C. Marketing as value co-creation through network interaction and resource integration. Journal of Business Market Management. 4:181-198. 2010.

HADJIKHANI, A.; LAPLACA, P. Development of B2B marketing theory. Industrial Marketing Management 42:294-305. 2013

HELLMAN, K. Strategy-driven B2B Promotions. Journal of Business & Industrial Marketing. 20(1):4-11. 2005.

JAKOBI, R. Marketing and Sales in the Chemical Industry. 2ed. Wiley-VCH: Weinheim, 2002.

KANTAR IBOPE MEDIA. Hypermarcas assume a liderança no ranking de anunciantes do 1º semestre de 2017. Disponível em: <https://www.kantaribopemedia. com/hypermarcas-assume-a-lideranca-no-ranking-de-anunciantes-do-1o-semestre-de-2017/>. Acesso em: 23 setembro 2018.

LILIEN, G. L.; GREWAL, R.; BOWNAN, D.; DING, M.; GRIFFIN, A.; KUMAR, V.; NARAYANDAS, D.; PERES, R.; SRINIVASAN, R.; WANG, Q. Calculating, creation, and claiming value in business markets: Status and research agenda. Marketing Letters. 21:287-299. 2010.

MARQUES, F. Financiamento em crise. Pesquisa FAPESP. 256:20-26. 2017.

MONROE, K. B.; RIKALA, V.M.; SOMERVUORI, O. Examining the application of behavioral price research in business-to-business markets. Industrial Marketing Management. 47:17-25. 2015.

NDUBISI, N. O.; NATARAAJAN, R. Marketing Relationship in the New Millennium B2B2 Sector. Psychology & Marketing. 33(4): 227-231. 2016.

PALMER, R. A.; MILLIER, P. Segmentation: Identification, intuition, and implementation. Industrial Marketing Management. 33:779-785. 2004.

SANTOS, M. F. V. O Marketing Relacional no contexto industrial. Dissertação de Mestrado em Gestão. Faculdade de Economia. Universidade de Coimbra. Portugal. 2016.

SHETH, J. N. A model of industrial buyer behavior. Journal of Marketing. 37:50-56. 1973.

SHETH, J. N.; PARVATIYAR A. The evolution of relationship marketing. International Business Review. 4(4):397-418. 1995.

WEBSTER Jr., F. E.; WIND, Y. A general model for understanding organizational buying behavior. Journal of Marketing. 36(2):12-19. 1972.

WIERSEMA, F. The B2B Agenda: The current state of B2B marketing and a look ahead. Maio 2013. Industrial Marketing Management 42: 470-488.

Publicado
22-07-2020
Como Citar
MUSSI, L.; STETTINER, C. F.; LIMA, E. O.; MOIA, R. P.; JUNGER, A. P.; FORMIGONI, A. Marketing B2B - Fatores determinantes de compra de insumos na Indústria Cosmética. Revista de Casos e Consultoria, v. 11, n. 1, p. e11111, 22 jul. 2020.
Seção
Artigos