Danos causados pelo racismo por meio de termos linguísticos na saúde mental da população negra e a importância da psicologia preta para esse público: uma educação para as escolas

  • Wendy Gonçalves Universidade Federal de Itajubá
  • Daniele Cristina Coelho Universidade Federal de Itajubá
  • Amanda Souza Vieira Universidade Federal de Itajubá
  • Priscilla Chantal Duarte Silva Universidade Federal de Itajubá
  • Anna Rita Tomich Magalhães Filiipe Universidade Federal de Itajubá
  • Ricardo Shitsuka Universidade Federal de Itajubá http://orcid.org/0000-0003-2630-1541
Palavras-chave: Racismo; Saúde mental; Psicologia preta.

Resumo

O objetivo do estudo é mostrar como a estrutura racista sobre a qual vivemos afeta diretamente a vida de pessoas pretas, tanto no aspecto econômico quanto no psicológico. O estudo também mostra o conceito e a importância da psicologia preta para tratar a saúde mental dessas pessoas, cujo preconceito racial é fator eminente para traumas relacionados a sua cor, sua aparência, bem como toda a influência que o colorismo tem sobre essas questões. Resultados apontam que 96,2% das pessoas acreditam que pessoas negras devem fazer acompanhamento psicológico, 63,5% já fez ou faz acompanhamento psicológico e 69,2% já fizeram ou fazem acompanhamento com psicólogos brancos. Conclui-se que o impacto do racismo na saúde mental da população negra tem sido alto e há relativa dificuldade de se encontrar um profissional que se identifique com o sofrimento do paciente que enfrenta problemas raciais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Shitsuka, Universidade Federal de Itajubá

Professor no Programa de Pós Graduação em Educação em Ciências - PPGEC da UNIFEI

Referências

ALMEIDA, S. L. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte: Letramento, 2018.

ALLELUIA, L. S. O impacto do racismo na saúde mental. Disponível em: https://blog.cenatcursos.com.br/o-impacto-do-racismo-na-saude-mental/.Acesso em: 10 set. 2020.

BERNARDO, A. A Psicologia Preta e a saúde mental dos negros no Brasil: no mês da Consciência Negra, converso com um expoente brasileiro de um ramo da psicologia que busca olhar e dar apoio aos cidadãos negros. Veja SAÚDE, 25 nov. 2019.Disponível em:https://saude.abril.com.br/blog/saude-e-pop/a-psicologia-preta-e-a-saude-mental-dos-negros-no-brasil/. Acesso em: 02 set. 2020.

BABBIE, Earl. Métodos de Pesquisas de Survey. Tradução Guilherme Cezarino. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1999.

BRYMAN, Alan. Research Methods and Organization Studies. Great Britain: Routledge, 1989.

CALVI, P. Comissão de direitos humanos e minorias. Câmara dos Deputados, 2018. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/atividade-legislativa/comissoes/comissoes-permanentes/cdhm/noticias/sistema-carcerario-brasileiro-negros-e-pobres-na-prisao. Acesso em: 06 ago 2020.

COOPER R, DAVID R. The biological concept of race and its application to public health and epidemiology. J Health Politics, 1986; 11(1), p. 97-116.

DAMASCENO, M. G; ZANELLO, V. M. L. Saúde Mental e Racismo Contra Negros: Produção Bibliográfica Brasileira dos Últimos Quinze Anos. Psicologia: Ciência e Profissão, Jul/Set. 2018 v. 38 n°3, 450-464. DOI: https://doi.org/10.1590/1982-37030003262017

ENGEL, M. G. As fronteiras da anormalidade: psiquiatria e controle social. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 5(3), 1999, p. 547-563

GOODMAN AH. Why genes don’t count (for racial differences in health). Am J Public Health, 2000: 90(11), p.1699- 1702.

KOWARICK, L. Trabalho e vadiagem: a origem do trabalho livre no Brasil. São Paulo: Paz e Terra, 1994.

MACHADO, L. 128 anos da abolição da escravidão no Brasil. Estado de Minas, 2016. em: https://www.em.com.br/app/noticia/especiais/educacao/enem/2016/05/13/noticia-especial-enem,762306/128-anos-da-abolicao-da-escravidao-no-brasil.shtml. Acesso em: 02 jul. 2020.

MADEIRO, C. Negros são 75% entre os mais pobres; brancos, 70% entre os mais ricos. UOL, 2019. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2019/11/13/percentual-de-negros-entre-10-mais-pobre-e-triplo-do-que-entre-mais-ricos.htm. Acesso em: 08 jul. 2020.

MARQUESE, R. B. A dinâmica da escravidão no Brasil: resistência, tráfico negreiro e alforrias, séculos XVII a XIX. Novos estud. - CEBRAP, São Paulo, n. 74, p. 107-123, Mar. 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010133002006000100007&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 10 Ago 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-33002006000100007.

MUNANGA, K. Prefácio. In: I. Carone, M. A. Bento (Eds.), Psicologia social do racismo, 2a ed., p. 9-11. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_nlinks&pid=S14149893201800030045000029&lng=en. Acesso em: 06. jul.2020.

SANTOS, A. O., SCHUMAN, L. V., MARTINS, H. V. (2012). Breve histórico do pensamento psicológico brasileiro sobre relações étnico-raciais. Psicologia: Ciência e Profissão, 32(esp.), 166-175. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932012000500012&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 07 jul. 2020.

NEVES, D. Escravidão no Brasil. Brasil ESCOLA. Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/historiab/escravidao-no-brasil.htm. Acesso em: 05 jul. 2020

OLIVIEIRA, A. C. Lei Áurea - Princesa Isabel sancionou a lei que pôs fim à escravidão. UOL, 2009. Disponível em: https://educacao.uol.com.br/disciplinas/historia-brasil/lei-aurea-princesa-isabel-sancionou-a-lei-que-pos-fim-a-escravidao.htm. Acesso em: 05 jul. 2020.

PEREIRA, A. S; SHITSUKA, D. M; PARREIRA, F. J.; SHITSUKA, R. Metodologia da pesquisa científica [recurso eletrônico] – 1. ed. – Santa Maria, RS : UFSM, NTE, 2018.

SALVIANO, D. O sofrimento psíquico dos negros e a importância do psicólogo negro enquanto reparador. Website Academia do Psicólogo publicado em 2017. Disponível em: http://academiadopsicologo.com.br/portal/o-sofrimento-psiquico-dos-negros-e-a-importancia-do-psicologo-negro-enquanto-reparador/. Acesso em: 04 jul. 2020.

SILVA, M. L. Racismo e os efeitos na saúde mental. Seminário saúde da população negra do Estado de São Paulo, 2004, p. 129-132. São Paulo, SP: Instituto de Saúde. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_nlinks&pid=S1414-9893201800030045000046&lng=en.Acesso em: 07 jul. 2020

SILVA, M. C. O impacto do racismo na saúde mental das vítimas. Psicologia.pt - O Portal dos Psicólogos, 2018. Disponível em: https://www.psicologia.pt/artigos/textos/A1229.pdf. Acesso em: 02 jul. 2020.

SMOLEN, J. R.; ARAÚJO, E. M. Raça/cor da pele e transtornos mentais no Brasil: uma revisão sistemática. Ciência & Saúde Coletiva, 22 (12), 2017, p. 4021-4030.

SOUZA, N. S. Tornar-se negro. Rio de Janeiro: Graal, 1983. Disponível em:https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_nlinks&pid=S19840292201900060024400014&lng=en. Acesso em: 08 jul. 2020

VEIGA, L. M. Descolonizando a psicologia: notas para uma Psicologia Preta. Fractal, Rev. Psicol., Rio de Janeiro, v. 31, n. spe, p. 244-248, Dec. 2019. 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.22409/1984-0292/v31i_esp/29000.

Publicado
13-11-2020
Como Citar
GONÇALVES, W.; COELHO, D. C.; VIEIRA, A. S.; SILVA, P. C. D.; FILIIPE, A. R. T. M.; SHITSUKA, R. Danos causados pelo racismo por meio de termos linguísticos na saúde mental da população negra e a importância da psicologia preta para esse público: uma educação para as escolas. Revista de Casos e Consultoria, v. 11, n. 1, p. e11125, 13 nov. 2020.
Seção
Artigos