A Utilização da Tecnologia no Ensino de Matemática para Pessoas com Deficiência Visual

Palavras-chave: Deficiência Visual; Cego; Ensino; Tecnologias de Comunicação com Deficientes.

Resumo

O presente artigo tem como objetivo apresentar abordagens para ensino de estudantes com deficiência visual no campo da matemática, sua ocorrência, tipos e frequência de utilização. Através de uma análise bibliométrica auferida nos XII e XIII encontros Nacionais de Ensino de Matemática. O trabalho relaciona as práticas no ensino da matemática para estudantes PCDs Visuais que necessitam ser conhecidas e divulgadas e, talvez assim, aproximar os engajados nessa difícil tarefa e dar-lhes ferramentas para seu sucesso. Além disso, serão mostradas as principais tecnologias e métodos de ensino para o público citado apresentados nas edições XII (2016) e XIII (2019) do ENEM, que é promovido pela Sociedade Brasileira de Ensino de Matemática – SBEM. Estão relacionadas ainda as principais instituições educacionais que desenvolvem tais trabalho, bem como os principais pesquisadores engajados no tema. Em seu desenvolvimento pode-se notar também a ligação do ensino de PCDs e os processos compensatórios discutidos por Vygotski. Traz por fim um resgate das políticas públicas que definem como prioritária a formação docente é relacionada. Como resultado, a pesquisa demonstra a polarização de pesquisas em algumas instituições de ensino superior, onde as de origem pública são maioria. A mesma situação de polarização ocorre quanto às possibilidades tecnológicas, notando-se que Técnicas de Ensino e Aprendizagem e Formação de Professores dominam os temas em discussão. Tudo isso é corroborado pela ligação da tríade: Professor, Técnica e Aluno. Onde, o último citado é o determinante para que o processo de ensino e aprendizagem ocorra de forma efetiva e o conhecimento especifico que o docente apresenta de tal aluno também determina tal sucesso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BASTOS, J.A.S.L.A. A educação tecnológica: conceitos, características e perspectivas. In: BASTOS, J.A.S.L.A (Org.). Tecnologia & Interação. Curitiba. PPGTE/ CEFET-Pr. p.31-52. 2008.

BRASIL. Decreto 3.298 de 20 de dezembro de 1999. Regulamenta a Lei no 7.853, de 24 de outubro de 1989, dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, consolida as normas de proteção, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d3298.htm>. Acesso em: set/2020.

BRASIL. Decreto legislativo nº 186 de 09 julho de 2008. Aprova o texto da convenção sobre os direitos das pessoas com deficiência e de seu protocolo 193 facultativo, assinados em nova iorque, em 30 de março de 2007. Disponível em: <https://legis.senado.leg.br/legislacao/detalhasigen.action?Id=592443>. Acesso em: nov/2020.

BRASIL. Decreto nº 8.752, de 9 de maio de 2016. Dispõe sobre a Política Nacional de Formação dos Profissionais da Educação Básica. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Decreto/D8752.htm>. Acesso em: set/2020.

BRASIL. Lei 3.934/96 - Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Programa Educação Inclusiva: direito à diversidade. 2018. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/expansao-da-redefederal/194-secretarias-112877938/secad-educacao-continuada-223369541/17434-programa-educacao-inclusiva-direito-a-diversidade-novo.> Acesso em: out/2020.

BRASIL. Resolução cne/cp nº 2, de 01 de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/docman/agosto-2017-pdf/70431-res-cne-cp-002-03072015- pdf/file>. Acesso em: set/2020.

BRASIL. Lei 3.934/96 - Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Título I da Educação.

BRASIL. Lei 3.934/96 - Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Título II Dos Princípios e Fins da Educação Nacional.

.CARVALHO, R. E. A nova LDB e a educação especial. 3ª. Edição. Rio de Janeiro: WVA, 2002.

COSTA, D. A. F. Superando limites: a contribuição de Vygotsky para a educação especial. Revista Psicopedagogia, v. 23, n. 72, p. 232-240, 2006.

COSTA, N. do R. Políticas públicas, justiça distributiva e inovação: saúde e saneamento na agenda social. São Paulo: Hucitec, 1998.

ENUMO, S. R. F. BATISTA, C. G. Manual de instruções para avaliação do desenvolvimento cognitivo de crianças com deficiência visual. In ENUMO, S. R. F. (Ed.), Avaliação do desenvolvimento de crianças com deficiência visual centrada na inserção escolar: uma proposta. Relatório de pós-doutorado para CAPES (texto impresso). 1999.

FERREL, K. A. Your child's development. In M. C. Holbrook (Org.), Children with visual impairments: A parents' guide (pp. 73-96). The Special-Needs Collection. EUA: Woodbine House, 1996.

FINO, C. N., Vygotsky e a Zona de Desenvolvimento Proximal (ZDP): três implicações pedagógicas. Revista Portuguesa de educação, v. 14, p. 273-291, 2001.

FRANCO, M. A. M. Deficiência visual, baixa visão ou cegueira. O que é certo dizer por aí? Disponível em: < https://www.visaonainfancia.com/classificacao-da-deficiencia-visual-e-

GUEDES, V. L. S.; BORSCHIVER, S. Bibliometria: uma ferramenta estatística para a gestão da informação e do conhecimento, em sistemas de informação, de comunicação e de avaliação científica e tecnológica. In: CINFORM – Encontro Nacional da Ciência da Informação, Anais,

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Brasileiro de 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2012. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE).

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP). Censo Escolar, 2019. Brasília: MEC, 2019. Disponível em <https://www.gov.br/inep/pt-br/areas-de-atuacao/pesquisas-estatisticas-e-indicadores/censo-da-educacao-superior/resultados> Acesso em Set/2020.

MANTOAN, M. T. E. Educação Inclusiva. In: 2º Seminário Internacional Sociedade Inclusiva, 2001. Belo Horizonte: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais 2003. P.124-127.

MATO GROSSO, 13º Encontro Nacional de Educação Matemática reúne 4 mil participantes. Disponível em <http://www.mt.gov.br/-/12231484-13-encontro-nacional-de-educacao-matematica-reune-4-mil-participantes> Acesso em Set/2020.

MORAIS, J. M. R. Políticas de formação de professores para a educação profissional das pessoas com deficiência: um estudo exploratório no Instituto Federal do Rio Grande do Norte. 2019. Dissertação de Mestrado.

MORIN, E. Os setes saberes necessários à educação do futuro. São Paulo. Cortez Editora. (2014, p. 49-50)

SANTOS, H. G., FALKENBACH , A. P. Aprendizagem e desenvolvimento da criança com deficiência visual: os processos compensatórios de Vygotski In: Revista Digital - Buenos Aires - Año 13 - N° 122 – 2008

SBEM _ Sociedade Brasileira de Ensino Matemática. Fluxo de submissão de trabalhos científicos. Disponível em: <https://www.sbemmatogrosso.com.br/eventos/index.php/enem/index/about/aboutThisPublishingSystem> Acesso em Set/2020.

SGANZERLA, M. A. R., GELLER, M. Tecnologias assistivas para alunos cegos na educação matemática. Tise Congreso internacional de informática educativa Perú 2018. disponível em < http://www.tise.cl/volumen9/tise2018/743-746.pdf> Acesso em out/2020

SOARES, P. B., CARNEIRO, T. C. J., CALMON, J. L., CASTRO, L. O. D. C. D. O. (2016). Análise bibliométrica da produção científica brasileira sobre Tecnologia de Construção e Edificações na base de dados Web of Science. Ambiente Construído, 2016, p. 175-185.

SOUZA, J.F; JUNGER, A.P.; SOUZA, J.F.F.; AMARAL, L.H. Ensino de cursos tecnológicos por meio de estilos de aprendizagem aplicados à estatística. Revista Research, Society and Development (RSD). V 7, n 3, 2018. https://doi.org/10.17648/rsd-v7i3.161

TOKARNIA M. Um panorama sobre a deficiência no Brasil. Publicado em 2019 - Agência Brasil – Brasília. 2019

UNESCO - DECLARAÇÃO DE SALAMANCA: Sobre Princípios, Políticas e Práticas na Área das Necessidades Educativas Especiais, 1994,Salamanca-Espanha.

VYGOTSKI, L. S. Obras escogidas: fundamentos de defectología. Tomo V. Madrid: Visor, 1997.

Publicado
03-03-2021
Como Citar
SOUZA, V. DE; JUNGER, A. P.; AMARAL, L. H. A Utilização da Tecnologia no Ensino de Matemática para Pessoas com Deficiência Visual. Revista de Casos e Consultoria, v. 12, n. 1, p. e23927, 3 mar. 2021.
Seção
Ciências Educacionais