Estética como ação política: fazendo cabeças e soltando cabelos.

  • Amanda Raquel Da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Palavras-chave: Antropologia do sujeito, Transição capilar, Identidade, Raça, Cabelo

Resumo


O presente trabalho tem o objetivo de analisar os processos de construção de sujeito a partir do movimento Encrespa Geral, na cidade de Natal/RN. Nele são abordados temas da identidade negra de mulheres e sua afrmação ativista por meio do cabelo afro. São mulheres que passam pelo processo estético de transição capilar e pretendem reconstruir uma personalidade deteriorada pelos padrões de beleza estereotipados que desvalorizam os traços negroides. A ideia sustentada é de que o movimento não se resume a um debate estético, mas a partir dele se tem a discussão política sobre corpo e estética de mulheres negras atualmente. Além disso, será analisado o processo de transição capilar, no qual cabelo crespo, livre da química e assim dito, natural, é visto como um dispositivo de contestação de uma espécie de “ditadura capilar” e ao mesmo tempo, da produção de sujeitos. Por isso, proponho refletir como a construção de um elemento estético – o cabelo crespo, sem química - tem sido vista e entendida enquanto formadora de um ativismo social, cultural e político do negro no Brasil. A pesquisa consiste na análise das narrativas de mulheres residentes em Natal/RN, e o meio privilegiado para a etnografa se deu pelo evento intitulado “Encrespa Geral”, onde se discutiu com as participantes, a partir da temática do cabelo, questões como autoestima, racismo e construção da identidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amanda Raquel Da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Mestranda em Antropologia Social, PPGAS/UFRN

Referências

CORRÊA, Mariza. Sobre a invenção da mulata. In: Cadernos pagu (6-7) 1996: pp.35-50. Disponível em: (http://periodicos.sbu.unicamp.br). Acesso em: 26/04/17.

CRUZ, Denise Ferreira de Costa. Seguindo as tramas de beleza em Maputo. Dissertação de Mestrado (Pós-graduação em Antropologia Social) Universidade de Brasília, Brasília, 2012.

FREYRE, G. Casa Grande & Senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 30ª edição, Rio de Janeiro: Record, 1995 [1933].

GILLIAM, Angelra e Onik’a - Negociando a subjetividade de mulata no Brasil. In: estudos Feministas (n2) 1995: pp.525-543. Disponível em: (https://periodicos.ufsc.br). Acesso em: 26/04/17.

GOMES, Nilma Lino. Sem perder a raiz: corpo e cabelo como símbolos da identidade negra. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

hooks, bell - FEMINISM IS FOR EVERYBODY: Passionate Politics. South End Press Cambridge, MA. 2000.
Publicado
22-09-2017
Como Citar
DA SILVA, A. R. Estética como ação política: fazendo cabeças e soltando cabelos. Equatorial – Revista do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, v. 4, n. 6, p. 83-111, 22 set. 2017.
Seção
Artigos