Minas que pixam

imagens da pixação dissidente em Natal-RN

  • Natalia Firmino Amarante UFRN
Palavras-chave: Pixo, Mulheres, Grafitti, Arte urbana

Resumo

O muro é um espaço político. Pixar e graffitar não são apenas atos subversivos, mas serve para perpetuar práticas machistas e misóginas.  Em Natal-RN, a prática da pichação e do grafitti foi, por um longo tempo, marcado pela presença dos homens. Entretanto, após o fortalecimento das discussões feministas e a midiatização da cultura hip-hop, cada vez mais mulheres foram ocupando os espaços, usando as tintas e confrontando suas idéias nos lugares que reproduzem um sistema de mortificação dos corpos femininos e afeminados. Entre os anos de 2013 e 2019 desenvolvi um trabalho etnográfico acerca do que chamei de “pixação dissidente” - que se refere a prática de manifestação política - de mulheres  - nos muros de Natal/RN. Nesse processo, acompanhei algumas pixadoras e grafiteiras (que também fazem pixo) durante suas práticas e fiz registros fotográficos e filmográficos. Com esse ensaio fotográfico tenho o objetivo de expor essas narrativas visuais sobre como o “gênero” aparece enquanto manifestação artística. Nesse sentido, tintas e muros são elementos utilizados como formas de reagir e dar visibilidades a suas presenças e vozes, tornando acessíveis suas experiências e construções sobre o que é “ser mulher” na cidade. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Referências bibliográficas

Bey, Hakim. "Caos: terrorismo poético e outros crimes exemplares." São Paulo: Conrad Editora do Brasil (2003).
CUNHA, Manoela Carneiro da. "Cultura" e Cultura: conhecimentos tradicionais e direitos intelectuais, in: Cultura com aspas, S. Paulo, Cosac e Naify. 2009: 311-374.
WAGNER, Roy. A cultura como criatividade. In: A Invenção da Cultura. São Paulo: Cosac Naify, 2010: 49-72.
LANGDON, Ester Jean. A fixação da narrativa: do mito para a poética de literatura oral. Horiz. antropol. [online]. 1999, vol.5, n.12, pp.13-36.
BAUMAN, Richard. Fundamentos da performance. Soc. estado. [online]. 2014, vol.29, n.3, pp.727-746.
Publicado
12-07-2020
Como Citar
FIRMINO AMARANTE, N. Minas que pixam. Equatorial – Revista do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, v. 7, n. 13, 12 jul. 2020.