Usos do desenho na feira livre:

experimentações (etno)gráficas no mercado público de Rio Tinto (PB, Brasil)

  • João Mendonça PPGA/UFPB
  • João Vitor Velame AVAEDOC/UFPB
Palavras-chave: Desenho etnográfico, Antropologia visual, Feira livre, Mercado público, Rio Tinto

Resumo

O objetivo deste artigo é apresentar uma narrativa etnográfica construída a partir do uso do desenho como ferramenta metodológica. A pesquisa foi realizada na feira livre do mercado público de Rio Tinto, cidade localizada no interior do litoral norte da Paraíba, Brasil. A observação da venda de aves e crustáceos na perspectiva das relações entre humanos e não humanos, bem como a percepção dos ritmos e da duração da feira, constituem a tônica da experiência narrada. Procura-se, ao longo desse percurso, oferecer uma visão geral da feira no contexto urbano, tanto quanto descrições detalhadas de personagens e situações. O trabalho procura demonstrar, finalmente, possibilidades metodológicas experimentadas, através do uso do desenho, numa pesquisa antropológica sobre feiras urbanas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AZEVEDO, Aina Guimarães. Diário de campo e diário gráfico: contribuições do desenho à antropologia. Áltera Revista de Antropologia, v. 2, n. 2, p. 101 - 119, ago 2016a. Disponível em: <http://periodicos.ufpb.br/index.php/altera/article/view/34737/17602>. Acesso em: 28 dez 2019.

____________. Desenho e Antropologia. Cadernos de Arte e Antropologia, v. 5, p. 15-32, 2016b. Disponível em: <https://cadernosaa.revues.org/1096>. Acesso em: 28 dez 2019.

BANKS, Marcus. Dados visuais para pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

CARDOSO, T. M.; GUIMARÃES, G. C. (Orgs.). Etnomapeamento dos Potiguara da Paraíba. Brasília: FUNAI/CGMT/CGETNO/CGGAM, 2012.

ECKERT, Cornélia. Memória e trabalho: etnologia da duração de uma comunidade de mineiros do carvão (La Grand-Combe, França). 1. ed, Curitiba: Appris, 2012.

ECKERT, Cornélia & ROCHA, Ana L. C. O tempo e a cidade. Porto Alegre: UFRGS, 2005.

EL GUINDI, Fadwa. Visual anthropology: essential method and theory. Lanham: Altamira Press, 2004.

FRANCE, Claudine. Cinema e antropologia. Campinas: Ed. Unicamp, 1998.

GUBRIUM, Aline & HARPER, Krista. Participatory visual and digital methods. Walnut Creek: Left Coast Press, 2013.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. Tradução de Beatriz Sidou. 2ª ed. São Paulo: Centauro, 2013.

INGOLD, Tim. Humanidade e animalidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 28 (10): 39-54, 1994.

____________. Trazendo as coisas de volta à vida: emaranhados criativos num mundo de materiais. Horizontes antropológicos. 2012, vol.18, n.37, pp. 25-44.

____________. Estar vivo: ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. São Paulo: Vozes, 2015.

KOSSOY, Boris. Fotografia e História, (2a ed. rev.). São Paulo: Ateliê Editorial, 2001.

KUSCHNIR, Karina. Desenhando Cidades. Revista Sociologia & Antropologia, v. 02, n. 04, p. 295-314, 2012. Disponível em: <https://revistappgsa.ifcs.ufrj.br/wp-content/uploads/2015/05/v2n04_13.pdf> . Acesso em: 28 dez 2019.

____________. Ensinando antropólogos a desenhar: uma experiência didática e de pesquisa. Cadernos de Arte e Antropologia. 3(2), p. 23-46, 2014. Disponível em: <https://journals.openedition.org/cadernosaa/506?file=1>. Acesso em: 28 dez 2019.

____________. A antropologia pelo desenho: Experiências visuais e etnográficas. Cadernos de Arte e Antropologia, Vol. 5, n. 2, pp. 5-13, 2016. Disponível em: <https://journals.openedition.org/cadernosaa/1095>. Acesso em: 28 dez 2019.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Tradução Bernardo Leitão. 5a ed. - Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2003.

LISBOA, Caio N. Etnografia da fanfarra no contexto do desfile cívico de Rio Tinto. Dissertação de Mestrado. João Pessoa/Rio Tinto: Programa de Pós Graduação em Antropologia da Universidade Federal da Paraíba, 2019.

MAUSS, M. [1923-24]. Ensaio sobre a dádiva. Forma e razão da troca nas sociedades arcaicas. In: Sociologia e Antropologia. v. II. São Paulo: Edusp, 2001.

MEAD, Margaret. “The art and technology of fieldwork”. In: Naroll, Raoul and Cohen, Ronald (eds.). A Handbook of Method in Cultural Anthropology. New York: Natural Hisory Press, 1970, pp. 246-265.

MENDONÇA, João M. B. Pesquisa fotográfica e fílmica no litoral norte da Paraíba. In: FERRAZ, Ana L. C. e MENDONÇA, João M. B. (orgs.). Antropologia Visual: perspectivas de ensino e pesquisa. Brasília: ebooks ABA, 2014, pp. 439-470.

___________. Ética, oralidade e pesquisa fotográfica. Iluminuras (Porto Alegre) , v. 13, p. 85-100, 2012.

MOONEN, Franz e MAIA, Luciano M. (Orgs.) Etnohistória dos Índios Potiguara. João Pessoa, Procuradoria da República na Paraíba / Secretaria da Educação e Cultura do Estado da Paraíba, 1992.

PINK, Sarah. Planning and Practicing Visual methods: Appropriate Uses and Ethical Issues. In: Doing Visual Ethnography: Images, Media and Representation in Research. Londres, Sage. 2001. pp. 30 - 46

QUEIROZ, Maria I. P. Relatos Orais: Do Indizível ao Dizível. In: Von SIMSON, Olga M. (org.) Experimentos com História de Vida (Itália-Brasil). São Paulo: Vértice, 1988, pp. 14-43.

SAMAIN, Etienne e MENDONÇA, João Martinho de. Entre a escrita e a imagem. Diálogos com Roberto Cardoso de Oliveira. Revista de Antropologia, São Paulo, USP, vol.43, no.1, p.185-236, 2000. Disponível em: <http://www.cchla.ufpb.br/etienne_samain_unicamp/artigos/>. Acesso em: 28dez2019.

WINKIN, Yves. A nova comunicação: da teoria ao trabalho de campo. Campinas, SP: Papirus, 1998.

Publicado
16-07-2020
Como Citar
MENDONÇA, J.; VELAME, J. V. Usos do desenho na feira livre: . Equatorial – Revista do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, v. 7, n. 13, p. 1-28, 16 jul. 2020.