O fazer antropológico, a produção visual e as experiências da/na cidade

  • Deyse de Fátima do Amarante Brandão Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN
  • Ana Carolina Amorim da Paz Universidade Federal da Bahia (PPGA/UFBA)
Palavras-chave: Antropologia Visual, Imagens, Antropologia Urbana, Cidades, Percepções, Usos das imagens, Fazer etnografico

Resumo

O uso das imagens na pesquisa etnográfica, seja como objeto, ferramenta de registro, análise e/ou produto, tem gerado interessantes experiências investigativas que, por sua vez, vem suscitando importantes debates acerca da produção de conhecimento do mundo urbano, revelando formas particulares de pensar, agir e compreender a experiência de cidade não só por meio da escrita, mas também do traço, da deriva e do movimento. Assim, o desenho, a performance, o lambe-lambe, stencil, quadrinhos, fotografia, cinema, grafite, tatuagens, artes plásticas e outras tantas intervenções visuais podem ser não só vistas como linguagens de culturas visuais e sistemas geradores de significados, mas vem sendo recentemente articulado às narrativas etnográficas em prol de um investimento ético-estético-político na pesquisa antropológica. Sendo assim, o presente dossiê visa compilar estudos que versem acerca dessas produções que apostam em novas grafias e suas reflexões no campo das experiências visuais, artísticas e antropológicas no contexto urbano, interessando-nos as discussões sobre essas práticas, seus processos, limites, potencialidades e contribuições à antropologia urbana e a antropologia da imagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Deyse de Fátima do Amarante Brandão, Universidade Federal do Rio Grande do Norte - UFRN

Bacharela em Comunicação Social com habilitação Rádio e TV pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Mestre em Antropologia pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Doutoranda em Antropologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). É membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Etnografias Urbanas (GUETU/UFPB/CNPQ) e Integrante do NAVIS, Núcleo de Antropologia Visual da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Durante o Mestrado, teve como tema de interesse o consumo das culturas juvenis e questões relacionadas ao pós-modernismo. No Doutorado (orientação da prof. Dr.ª Lisabete Coradini), tem como foco de pesquisa as produções e criações artísticas de quadrinistas autorais.Temas de interesse e pesquisa versam entre Antropologia Urbana, Antropologia do Consumo, Antropologia da Arte, Antropologia da Imagem, além do interesse pelos estudos sobre juventudes e estudos da Cultura Visual. Também atuou profissionalmente em produção televisiva (TV Tambaú/filial SBT) e assessoria de comunicação institucional, desenvolveu alguns trabalhos gráficos e já ministrou oficinas em eventos acadêmicos (II SEJUVE e Ciclo de Oficinas do Guetu) a respeito do fazer etnográfico e diário de campo no ano de 2017.

Ana Carolina Amorim da Paz, Universidade Federal da Bahia (PPGA/UFBA)

Doutoranda no Programa de pós-graduação em Antropologia da Universidade federal da Bahia – PPGA/UFBA, sob orientação do prof. Dr. Carlos Caroso. Membro do grupo de pesquisa em Etnografia urbanas da Universidade Federal da Paraíba – GUETU/UFPB. Os temas de interesse e pesquisa versam entre o fazer etnográfico, Antropologia urbana e da cidade, Saúde Mental e usos de substâncias psicoativas.

Referências

ALLAN POE, Edgar [1809-1849]. O homem da multidão. In: Histórias extraordinárias/Edgar Allan Poe; seleção; apresentação e tradução José Paulo Paes. São Paulo: Companhia das Letras, 2008. p.258-43.

AZEVEDO, Aina. Desenhos na África do Sul: desenhar para ver, para dizer e para sentir. Revista Brasiliense de Pós-Graduação em Ciências Sociais, 5 (13): 221-226. 2014.

BARBOSA, Andrea. Barbosa. Pimentas nos olhos não é refresco: Fotografia, espaço e memória na experiência vivida por jovens de um bairro “periférico” de Guarulhos, São Paulo. Cadernos de Arte e Antropologia [Online], Vol. 1, No 2 | 2012. Disponível em: . Acesso em 22 junho 2020.

______; CUNHA, Edgar Teodoro da. Antropologia e Imagem. RJ: Jorge Zahar Ed., 2006 (1ª edição).

BAUDELAIRE, Charles [1821-1867]. Sobre a modernidade o pintor da vida moderna. Coleção Leitura. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

BENJAMIN, Walter. Charles Baudelaire, um lírico no auge do capitalismo. Trad. José Martins Barbosa e Hermerson Alves Batista. São Paulo: Brasiliense, 1989. (Obras escolhidas, v.3).

______. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. In: Obras escolhidas. Magia e Técnica, Arte e Política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1985. p. 165-196. v. 1.

BITTENCOURT, Luciana. Fotografia enquanto instrumento etnográfico. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1994. pp.225-41. (Anuário Antropológico, 92).

BRUNO, Fabiana; SAIMAN, Etienne. Imagens de velhice, imagens da infância: formas que se pensam. Cad. Cedes, Campinas, vol. 26, n. 68, p. 21-38, jan./abr. 2006. Disponível em http://www.cedes.unicamp.br. Acesso em 10 junho 2020.

CAMPOS, Ricardo. Paredes comunicantes. Foto-ensaio sobre espaço público e comunicação ilegal. Cadernos de Arte e Antropologia [Online], Vol. 1, No 1 | 2012. Disponível em http://journals.openedition.org/cadernosaa/746. Acesso em 10 junho 2020.

______. Introdução à cultura visual. Abordagens e metodologias em Ciências Sociais. Lisboa, Ed. Mundos Sociais, 2013.


______; BRIGHENTI, Andrea Mubi; SPINELLI. Luciano. Introdução: um olhar sobre as imagens urbanas. In: Uma cidade de Imagens. Produção e consumo visual em meio urbano. CAMPOS, BRIGHENTI; SPINELLI (Org.), Lisboa: Ed. Mundos Sociais, 2011.

CARNEIRO, Teresa. Desenhar o olhar sobre o mundo. Diários gráficos em Almada. 2011. [pdf].

CORADINI, Lisabete. Memorias del futuro: imagenes y discursos de la ciudad latinoamericana. Tese (Doutorado)- Universidade Nacional Autônoma, México, 2000.

DO RIO, João [1881-1921]. A alma encantadora das ruas. Rio de Janeiro: Nova fronteira, 2012.

ECKERT, Cornelia e ROCHA, Ana Luiza. Etnografia de rua: estudo de antropologia urbana. Rua, v. 9, n. 1, p. 101-127, 2003.

______. Projetos, desafios e consolidação de uma linha de pesquisa no Brasil: antropologia audiovisual. In: Mariano Báez Landa e Gabriel O. Alvarez. (Org.). Olhar In(com)formado: Teorias e práticas da Antropologia Visual: Una mirada in(con) formada. Teorías y prácticas de la Antropología Visual. v. 1, pp. 25-101. Goiânia: UFG, CAPES, 2018.
INGOLD, T. Caminhando com dragões: em direção ao selvagem. In: STEIL, C. A.; CARVALHO, I. C. de M. (Org.). Cultura, percepção e ambiente: diálogo com Tim Ingold. São Paulo: Terceiro Nome, 2012. p. 15-30.

______, Tim. Estar vivo: ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

KOURY, Mauro Guilherme Pinheiro. A Imagem nas Ciências Sociais: um balanço crítico. BIB, Rio de Janeiro, n.° 47,1.° semestre de 1999, pp. 49-63.

KUSCHNIR, Karina. A antropologia pelo desenho: experiências visuais e etnográficas. Cadernos de Arte e Antropologia. Vol5. Nº 2. 2016. Disponivel em: https://journals.openedition.org/cadernosaa/1095.

MAGNANI, José Guilherme. De perto e de dentro: notas para uma etnografia urbana. Rev. bras. Ci. Soc. [online]. 2002, vol.17, n.49, pp.11-29.

MELLO, Maria Teresa. Os usos da imagem nas ciências sociais. In: Desafios da imagem: fotografia, iconografia e vídeo nas ciências sociais. FELDMAN-BIANCO, B.; LEITE, M. L M. (orgs.). Campinas: Papirus, 1998. pp. 214-219.

MEIRINHO, Daniel. Olhares em Foco. Fotografia participativa e empoderamento juvenil. Ed.LabCom.IFP. Universidade da Beira Interior. Covilha, Portugal. 2016.


NASCIMENTO, Silvana. A cidade no corpo: diálogos entre corpografia e etnografia. Ponto Urbe, São Paulo, n. 19, p. [10 ], 2016. Disponível em: < http://dx.doi.org/10.4000/pontourbe.3316 >

NOVAES, Sylvia Caiuby. Imagem, magia e imaginação: desafios ao texto antropológico. Mana , Rio de Janeiro, v. 14, n. 2, p. 455-475, outubro de 2008. Disponível em . acesso em 21 de junho de 2020.
PAVAN, Maria Angela; CORADINI, Lisabete. No tabuleiro com as coletoras de frutas (mangabas): como construir um documentário com a extensão do tempo. In: Narrativas, memórias e itinerários. Lisabete Coradini, Maria Angela Pavan (Orgs.). Campina Grande: EDUEPB,2018. pp:259-279.
PEIXOTO, Clarice. Antropologia & Imagens: O que há de particular na Antropologia Visual Brasileira? Cadernos de Arte e Antropologia. v. 8, n. 1Salvador: Bahia, 2019. pp. 131-146.

RAMOS, Manuel João. Histórias Etíopes, diário de viagem. Edições Tinta da china, Ltda. Lisboa, 2010.

RIAL, Carmem Silvia.Por uma Antropologia do Visual Contemporaneo. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 1, n. 2, p. 119-128, jul./set. 1995.

ROCHA, Ana Luiza Carvalho da. A preeminência da imagem e do imaginário nos jogos da memória coletiva em coleções etnográficas./ Ana Luiza Carvalgo da Rocha, Cornelia Eckert. Brasília: ABA, 2015.

SAIMAN, Etienne. As imagens não são bolas de sinuca. In: SAIMAN, Etienne (org.). Como pensam as imagens. Campinas, SP: Editora Unicamp, 2012.

VIEIRA, Marina Cavalcanti. Visões da modernidade nas histórias em quadrinhos: Gotham e Metrópolis em finais de 1930. 2012. 143 fl. (Dissertação). Mestrado em Ciências Sociais. Programa de Pós-Graduação em Ciêsncias Sociais. Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2012.
Publicado
07-07-2020
Como Citar
BRANDÃO, D. DE F. DO A.; PAZ, A. C. A. DA. O fazer antropológico, a produção visual e as experiências da/na cidade. Equatorial – Revista do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, v. 7, n. 13, p. 1-12, 7 jul. 2020.