Devir institucional

encontros entre os modos de vida minoritários e a institucionalização psiquiátrica permanente

  • Sabrina Melo Del Sarto UFSC
Palavras-chave: Antropologia da Saúde, Institucionalização, Etnografia de Hospital

Resumo


Neste artigo, objetivou-se pensar na cotidianidade de um hospital psiquiátrico para além das coercitividades impostas pela institucionalização permanente. Os modos de vida minoritários dos moradores da instituição nos revelaram, em seus próprios fragmentos, maneiras-outras de pensar as suas vivências em uma ala pública hospitalar denominada de "Lar Abrigado". A partir de um trabalho etnográfico, observou-se como a realidade institucional pode ser habitada e reinventada pelos 19 moradores daquele espaço. Observou-se também o quanto os movimentos compostos pelo desejo podem ser pensados enquanto uma potência que movimenta e desestrutura aquele mundo. A pesquisa foi composta, além do trabalho etnográfico, também por entrevistas semi-estruturadas e levantamento bibliográfico-documental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

  • BARBOSA, Maicon. O conceito de devir a partir da filosofia da diferença. Anais. II Colóquio Filosofia e Literatura: Fronteiras, 2010.

  • BEUF, Ann. H. Biting of the bracelet: a study of children in hospitals. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 1979.

  • BIEHL, João. Antropologia Entre o Inesperado e o Inacabado: Entrevista com João Biehl. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 22, n. 46, p. 389-423, jul./dez. 2016.

  • BIEHL, João. Vita: life in a zone of social abandonment. Photographs by Torben Eskerod. Berkeley: University of California Press, 2005.

  • BUTLER, Judith. Cuerpos que importan. Sobre los límites materiales y discursivos del «sexo». Buenos Aires: Paidós, 2002 [1993].

  • CERTEAU, Michel de. A invenção do quotidiano. Petrópolis, Vozes, 1990

  • CUNHA, Maria Clementina Pereira. O Espelho do Mundo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

  • DELEUZE, Gilles. Crítica e clínica, Rio de Janeiro, Editora 34, pp. 156-157, 1997.

  • DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs. Capitalismo e Esquizofrenia. Rio de Janeiro: Editora 34, 1997.

  • FERRANDIZ, Francisco. Etnografias Contemporâneas: anclajes, métodos y claves para el futuro. Barcelona: Anthopos editorial; México: UAM-Iztapalapa. Divisiones de Ciências Sociales e Humanidades, 2011.

  • FONSECA, Claudia. Família, fofoca e honra: etnografia das relações de gênero e violência em grupos populares. Porto Alegre: Editora da Universidade/UFRGS, 2000.

  • FOUCAULT, Michel. A História da Loucura na Idade Clássica. São Paulo: Perspectiva, 1997.

  • FOUCAULT, Michel. O Nascimento da Clínica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1998 [1961].

  • GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 3. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1980. (Original inglês de 1963).

  • GOFFMAN, Erving. Manicômios, Prisões e Conventos. São Paulo: Perspectiva, 1961.

  • MALUF, Sônia Weidner; BRITTO, Mirella Alves de; BARBOSA, Inaê Iabel; SILVA, Camila Andressa Dias da. Por dentro do Hospital Colônia Santana: uma leitura etnográfica de prontuários. Anuário Antropológico, v. 45, n. 2, p. 54-75 maio/ago. 2020. Universidade de Brasília. Disponível em: https://journals.openedition.org/aa/5799.

  • ORTNER, Sherry Beth. Anthropology and Social Theory: Culture, Power, and the Acting Subject. Duke University press, 2006.

  • SCOTT, James. A dominação e a arte da resistência. Capítulo I. Por detrás da história oficial. Lisboa, Livraria Letra Livre, 2013.

Publicado
31-08-2021
Como Citar
MELO DEL SARTO, S. Devir institucional. Equatorial – Revista do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, v. 8, n. 15, p. 1-18, 31 ago. 2021.