Arcos da vida e Quadra 27

esquecimentos e lembranças no cemitério municipal de Toledo - PR

Autores

  • Jéssica Dal Piva UNIOESTE - Universidade Estadual do Oeste do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.21680/2446-5674.2022v9n16ID24976

Palavras-chave:

Cemitério, Memória, Esquecimento, Antropologia da morte

Resumo

O presente artigo busca apresentar análises sobre o espaço cemiterial Cristo Rei, localizado no município de Toledo ao Oeste do Estado do Paraná. Este espaço cemiterial é o mais antigo da cidade. O cemitério passou por algumas reformas desde sua construção no ano de 1950 e com isso foram inseridos monumentos. O objetivo é analisar esses elementos e compreender quais mudanças eles trouxeram para o espaço. Os Arcos da Vida e a Quadra 27 foram evidenciados e são os principais elementos desta análise, pois de alguma forma eles representam memória e lembrança de alguns mortos. Partindo da antropologia, a metodologia se desenvolve com a etnografia e a observação participante direta, essas estruturas foram fotografadas e serão apresentadas e descritas ao longo do texto, para que seja possível compreender qual sua função no espaço cemiterial e o que representam em relação à ideia de pioneirismo. A Quadra 27 e os Arcos da Vida são apresentados de forma separada. Na Quadra 27 estão enterrados os esquecidos que passaram a ser lembrados em meados de 2010 por meio do monumento Arcos da Vida que valoriza seus túmulos, seus nomes e trazem as vidas representadas como esquecidas em seus pilares ao longo do corredor central. Por fim, este estudo analisou os esquecidos que foram lembrados em meados de 2010 pela prefeitura, de uma forma que sua história estivesse ligada ao contexto da cidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARIÈS, Philippe. Sobre a história da morte no ocidente: desde a idade média. 2.ed. Lisboa: Teorema, 1975.

ARIÈS, Philippe. O homem diante da morte.Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1981.

ARIÈS, Philippe. Sobre a história da morte no ocidente desde a Idade Média. Tradução de Pedro Jordão. 2. ed. Lisboa: Teorema, 1989.

AUGÉ, Marc. Les formes de l’oubli. Paris, Payot / Rivages, 1998.

BARALDI, Solange; SILVA, Maria Júlia Paes da. Reflexões sobre a influência da estrutura social no processo da morte-morrer. Nursing, n. 24, ano 3, p. 14-17, 2000.

CAPUTO, Rodrigo Feliciano. O Homem e suas Representações Sobre a Morte e o Morrer: Um Percurso Histórico. Saber Acadêmico: Revista Multidisciplinar Da Uniesp, n. 6, p. 73-80, 2008.

CASTRO, Marina Ramos Neves de; CASTRO, Fábio Fonseca de. Rituais de Memória e Temporalidade num Dia de Finados. Sociedade e Cultura, v.22, n.1, p. 240-260, 2019.

DaMATTA, Roberto. Antropologia da saudade. In: DaMATTA, Roberto. Conta de Mentiroso: Sete Ensaios de Antropologia Brasileira. Rio de Janeiro, Rocco, 1994. p. 17-35.

DURKHEIM, Émile. Da Divisão do trabalho social. Tradução E. Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 1999 [1893].

ENGELS, Friedrich. A origem da família, da propriedade privada e do Estado. Trad. de Ciro Mioranza. São Paulo: Editora Escala, 2005.

HALBWACHS, Maurice. A Memória Coletiva. Traduzido do Original Francês. La Mémoire Collective (2º ed.) Press Univeritaires de France - Paris, França, 1968.

KOPELMAN, Michael D. Disorders of memory. Brain, v. 125, n. 10, p. 2152-2190, 2002.

MARANHÃO, José Luiz de Souza. O que é Morte. São Paulo: Brasiliense, 1999.

MAUSS, Marcel. A Expressão Obrigatória dos Sentimentos (Rituais Funerários Australianos). Journal de Psychologie, n. 18, 1921.

MOTTA, Antonio. À flor da pedra. Formas tumulares e processos sociais nos cemitérios brasileiros. Recife: Massangana, 2009.

MOTTA, Antonio. Estilos Mortuários e Modos de Sociabilidade em Cemitérios Brasileiros Oitocentistas. Horizontes Antropológicos, v. 16, n. 33, p. 55-80, 2010.

MUNICÍPIO DE TOLEDO. LEI “R” Nº 79 de 1º de novembro de 2012. Procede a alterações no Plano Plurianual do Município de Toledo, para o período de 2010 a 2013. Disponível em: http://www.toledo.pr.gov.br/sapl/sapl_documentos/norma_juridica/3257_texto_integral Acesso em: 25 jan. 2017.

NEGRÃO, Marcus Vinícius Nascimento. Iluminando os mortos: um estudo sobre o ritual de homenagem aos mortos no Dia de Finados em Salinópolis – Pará. 2014. (Dissertação de Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia (UFPA), Belém, Pará, 2014.

OBERG, Kalervo. TOLEDO - Um Município da Fronteira Oeste do Paraná. Edições SSR, ESTUDOS - N°3. Rio de Janeiro, 1960.

REIS, João José. A morte é uma festa: ritos fúnebres e revolta popular no Brasil do século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

REZENDE, Eduardo Coelho Morgado. Cemitérios. São Paulo: Necrópolis, 2007.

SILVA, Weverson Bezerra. “Lembre de mim”: um olhar antropológico sobre o dia dos mortor no cemitério Senhor da Boa Esperança em João Pessoa – PB. 2019. Ciências Sociais (Trabalho de Conclusão de Curso) – Universidade Federal da Paraíba, 2019.

Downloads

Publicado

08-05-2022

Como Citar

DAL PIVA, J. Arcos da vida e Quadra 27: esquecimentos e lembranças no cemitério municipal de Toledo - PR. Equatorial – Revista do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, [S. l.], v. 9, n. 16, p. 1–26, 2022. DOI: 10.21680/2446-5674.2022v9n16ID24976. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/equatorial/article/view/24976. Acesso em: 30 jun. 2022.