A Covid-19 experienciada

adoecimento e experiência pública desde uma Antropologia Visual da Saúde

Autores

  • Geissy Reis Ferreira de Oliveira Universidade Federal da Paraíba
  • Ruanna Gonçalves Silva Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.21680/2446-5674.2023v10n19ID31194

Palavras-chave:

Covid-19, Mulheres, Antropologia Visual, Experiência da doença

Resumo

Durante o ano de 2021, desenvolvi1
junto com Ruanna e outras três interlocutoras, no âmbito do mestrado em Antropologia pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB), uma pesquisa orientada à compreensão de experiências de adoecimento por Covid-19, vivenciadas por mulheres domiciliadas na cidade de João Pessoa, no estado da Paraíba/Brasil. Busquei compreender o modo como o adoecimento por Covid-19 é
experienciado, significado e refletido por mulheres, desde suas narrativas, com aporte da Antropologia da Saúde e Antropologia Visual. No contexto dessa pesquisa, centrada no adoecimento e na vida em meio à pandemia, foi elaborado um conjunto de imagens. O enfoque da citada pesquisa, e logo deste ensaio fotográfico, remete à Covid-19 vivenciada e também a uma experiência pública em torno da Covid-19.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Geissy Reis Ferreira de Oliveira, Universidade Federal da Paraíba

Doutoranda em Antropologia pelo Programa de Pós-graduação em Antropologia (PPGA) da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Mestra em Antropologia pelo PPGA da UFPB. Bacharel em Ciências Sociais pela mesma instituição. Integrante do Grupo de Pesquisa em Saúde, Sociedade e Cultura, (GRUPESSC) fazendo parte da comissão de Eventos e comunicação. Integra também o o grupo de pesquisa Antropologia Visual, Artes, Etnografias e Documentários (AVAEDOC). Fez parte do projeto a criminalização da transmissão do HIV - uma abordagem antropológica na perspectiva do direito e de casais que vivem e convivem com o vírus (2015-2016) posteriormente do projeto dos trânsitos aos lugares: análises antropológica da política pública para travestis e transexuais em João Pessoa (2017-2018), e do projeto Fases e Faces do HIV/Aids na Paraíba: Um estudo antropológico sobre as novas tecnologias de prevenção e tratamento, ambos pelo programa de Iniciação Científica (PIBIC/CNPq) (2018-2020). Atualmente compõe como pesquisadora a Antropo-Covid, rede de pesquisadores/as e instituições de diversas localidades do Brasil, voltadas à pesquisas em torno da Covid-19. Vem desenvolvendo trabalhos no âmbito das Antropologias do corpo, da saúde e da doença, e da imagem.

Ruanna Gonçalves Silva, Universidade Federal de Pernambuco

Artista, cantora, compositora, guitarrista, doutoranda em Antropologia pelo PPGA/UFPE, mestra em Antropologia pelo PPGA/UFPB, bacharel em Ciências Sociais pela URCA. Possui graduação interrompida em Música pela UFCA.

Referências

ALVES, Paulo. A experiência da enfermidade: considerações teóricas. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. .9, n. 3, p. 263–271, 1993.

ALVES, Paulo César A.; RABELO, Miriam Cristina M. Significação e metáforas na experiência da enfermidade. In: RABELO, Miriam Cristina M.; ALVES, Paulo César; SOUZA, Iara Maria A. Experiência de doença e narrativa. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 1999. p. 171–186.

ANDRADE, Ana Paula Müller de; MALUF, Sônia Weidner. Loucos/as, pacientes, usuários/as, experientes: o estatuto dos sujeitos no contexto da reforma psiquiátrica brasileira. Saúde em debate, Rio de Janeiro, v. 41, n. 112, p. 273–284, 2017.

DUBOIS, Philippe. O ato fotográfico e outros ensaios. Campinas: Papirus, 1994.

FAVRET-SAADA, Jeanne. Ser afetado. Cadernos de campo, n. 13, p. 155-161, 2005.

HARAWAY, Donna. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, Campinas, v. 5, p. 7–41, 1995.

INGOLD, Tim. Trazendo as coisas de volta à vida: emaranhados criativos num mundo de materiais. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 37, n. 18, p. 25–44, 2012.

LANGDON, Esther Jean. A doença como experiência: o papel da narrativa na construção sociocultral da doença. Etnográfica, Lisboa, v. 5, n. 2, p. 241–260, 2001.

LAPLANTINE, François. Antropologia da Doença. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

LYNTERIS, Christos. How photography has shaped our experience of pandemics. 2020. Disponível em: https://www.apollo-magazine.com/photography-pandemics/. Acesso em: 21 set. 2021.

MALUF, Sônia Weidner. Janelas sobre a cidade pandêmica: desigualdades, políticas e resistências. Revista TOMO, São Cristóvão, n. 38, p. 251-285, 2021.

MARTINS, José de Souza. Sociologia da fotografia e da imagem. São Paulo: Contexto, 2008.

MATTINGLY, Cheryl. The concept of therapeutic “emplotment”. Social Science & Medicine, v. 38, n. 6, p. 811–822, 1994.

OLIVEIRA, Geissy Reis Ferreira de. Desacimentar. Cadernos de Campo, São Paulo, n. 1, v. 17, p. 212–218, 2018.

SAMAIN, Étienne. Quando a fotografia (já) fazia os antropólogos sonharem: o jornal La Lumière (1851–1860). Revista de Antropologia, São Paulo, v. 44, n. 2, p. 89–126, 2001.

Downloads

Publicado

13-09-2023

Como Citar

OLIVEIRA, G. R. F. de; SILVA, R. G. A Covid-19 experienciada: adoecimento e experiência pública desde uma Antropologia Visual da Saúde. Equatorial – Revista do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, [S. l.], v. 10, n. 19, p. 1–16, 2023. DOI: 10.21680/2446-5674.2023v10n19ID31194. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/equatorial/article/view/31194. Acesso em: 16 jun. 2024.