Memórias alagadas

a Amazônia Oriental e os projetos hidrelétricos, o caso da UHE de Estreito (MA/TO)

Autores

  • Cícero Pereira da Silva Júnior
  • Pere Petit

Palavras-chave:

Hidrelétrica de estreito, Memória, Impactos sociais, História Regional

Resumo

Este trabalho tem por intuito examinar as tensões presentes nas memórias dos ribeirinhos atingidos pela usina hidrelétrica de Estreito – MA/TO. Os atores sociais ouvidos são ex-moradores de uma localidade totalmente inundada pela barragem, conhecida como Ilha de São José. Atualmente, as famílias que moravam nesta ilha encontram-se distribuídas em reassentamentos localizados no estado do Tocantins. Todos os depoimentos são de moradores do reassentamento “Mirindiba”, situado a 20 km da cidade de Araguaína-TO. Como arcabouço metodológico lançamos mão da História Oral, tomando como pressuposto que a memória é uma ação individual ancorada em categorias socialmente construídas, posto que por mais que a experiência dos fatos seja individual e subjetiva, sempre se dá numa quadratura socialmente localizada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cícero Pereira da Silva Júnior

Formado em Filosofia pelo Instituto de Estudos Superiores do Maranhão (IESMA), em História pela
Universidade Estadual do Maranhão (UEMA) e Mestre em Linguagens e Saberes na Amazônia na
Universidade Federal do Pará (UFPA).

Pere Petit

Doutor em História Econômica pela Universidade de São Paulo (USP), pós-doutor Universidad de
Salamanca (Espanha), vice-coordenador Programa de Pós-Graduação em História Social da Amazônia da
Universidade Federal do Pará (UFPA).

Arquivos adicionais

Publicado

20-12-2014

Como Citar

SILVA JÚNIOR, C. P. da; PETIT, P. Memórias alagadas: a Amazônia Oriental e os projetos hidrelétricos, o caso da UHE de Estreito (MA/TO). Revista Espacialidades, [S. l.], v. 7, n. 01, p. 10–33, 2014. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/espacialidades/article/view/17620. Acesso em: 13 jul. 2024.