Memórias apagadas

o abolicionismo e a voz-liberdade de Maria Firmina dos Reis no século XIX

  • Tatiane Carvalho de Morais UFJF
  • Bárbara I. R. Simões Daibert UFF
Palavras-chave: Literatura, Voz-liberdade, Mulher, Escravidão

Resumo

O século XIX foi um período de busca pela formação de um cânone nacional. No momento em que ocorria a ascensão do romance, surge Maria Firmina dos Reis com narrativas que tratavam da representação do preconceito estrutural e delimitações oriundos da escravidão vigente e da dominação patriarcal. Professora e afrodescendente, Firmina escreveu ao longo do século XIX, estabelecendo a construção de um espaço social que refletia o racismo e o patriarcalismo dominantes, alterando diretamente a constituição do espaço dentro e fora de sua narrativa. Desta forma justifica-se uma análise de partes da obra da autora para entender as complexidades da formação do espaço social e suas características.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tatiane Carvalho de Morais, UFJF

Mestranda do programa de pós-graduação em Estudos Literários da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Brasil. Link para Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/1885791732235739. E-mail: tatimoraisprof@gmail.com

Bárbara I. R. Simões Daibert, UFF

Doutora em Literatura Comparada pela Universidade Federal Fluminense (UFF), Brasil. Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/8833823958303193. E-mail: barbarasimoes2005@uol.com.br

Publicado
18-07-2020
Como Citar
CARVALHO DE MORAIS, T.; I. R. SIMÕES DAIBERT, B. Memórias apagadas. Revista Espacialidades, v. 16, n. 2, p. 76-95, 18 jul. 2020.