O IMPACTO DA FALTA DE ACESSO ÀS AÇÕES SANITÁRIAS SOBRE A SAÚDE NO AMAZONAS (1907-1912)

  • Thais Teixeira do Nascimento Mestranda/UFG
Palavras-chave: Malária, Endemias, Miasmas, Microbiologia

Resumo

Este texto tem como objetivo refletir acerca do impacto que as diferentes dinâmicas políticas tiveram sobre as ações sanitárias e a saúde durante parte do primeiro período republicano brasileiro (1889-1930). Usamos como fonte documental os relatórios do presidente de Estado aos membros da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas entre 1907 e 1912. Como suporte teórico-metodológico, utilizamos Ujvari (2003) para discutir a evolução do conceito de doença e das chamadas “artes de curar”, e Varga (2007), Peiter (2005) e Albuquerque Júnior (2008) para relacionar as fronteiras sanitárias “dos Amazonas” como um espaço de disputas. Em nossos resultados identificamos que as comissões sanitárias na construção da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré não mudaram o quadro sanitário do Estado do Amazonas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thais Teixeira do Nascimento, Mestranda/UFG

Mestranda em História pela Universidade Federal de Goiás (UFG) e graduada em licenciatura em História pela mesma instituição (2019). Faz parte do Grupo de Estudo e Pesquisa História das Práticas da Saúde e da doença, da Universidade Federal do Pará (UFPA), atuando como pesquisadora. Atua na área de História do Brasil republicano, com ênfase em história da saúde e práticas sanitárias. Atualmente desenvolve pesquisa sobre as memórias e os discursos políticos-sanitários presentes durante a construção da Ferrovia Madeira-Mamoré (1907-1912), sob orientação do Prof° Dr. Jiani Fernando Langaro. Lattes:  http://lattes.cnpq.br/4016554218394394. E-mail: thais.teixeira31@discente.ufg.br

Referências

ALBUQUERQUE JÚNIOR, D. M. O objeto em fuga: algumas reflexões em torno do conceito de região. Fronteiras. Dourados, MS, vol. 10, n. 17, p. 55-67, jan./jun 2008.

AMADO, J. Região, sertão e nação. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 8, n. 15, p.145- 151, 1995.

BENCHIMOL, J. L.; SILVA, A. F. C. da. Ferrovias, doenças e medicina tropical no Brasil da Primeira República. História, Ciências, Saúde. Manguinhos, Rio de Janeiro, v.15, n.3, p.719-762, jul.-set 2008.

BERTARELLI, M. CARVALHO, Raimundo Afonso de. Disponível em: Acesso em 20 maio 2020.

______. NERY, Antônio Constantino. Disponível em: < http://cpdoc.fgv.br/sites/default/files/verbetes/primeira-republica/NERY,%20Antonio%20Constantino.pdf> Acesso em: 20 Maio 2020.

BITTENCOURT, A. C. R. Mensagem lida perante o Congresso do Amazonas na abertura da Terceira sessão ordinária da sexta legislatura pelo exm. Snr. C.el. Antonio Clemente Ribeiro Bittencourt, governador do Estado em 10 de julho de 1909. Manaus: Imprensa oficial, 1909. Disponível em: < http://ddsnext.crl.edu/titles/164?terms=&item_id=2957#?c=4&m=119&s=0&cv=0&r=0&xywh=0%2C-506%2C3647%2C2573>Acesso em: 16 maio 2020.

______. Mensagem lida perante o Congresso dos representantes por ocasião da Abertura da primeira sessão ordinária da sétima legislatura em 10 de julho de 1910 pelo governador do Estado C.el. Antonio Clemente Ribeiro Bittencourt acompanhada dos relatórios dos chefes de repartições. Manaus: Imprensa oficial, 1910. Disponível em: < http://ddsnext.crl.edu/titles/164?terms=&item_id=2920#?c=4&m=120&s=0&cv=0&r=0&xywh=0%2C-417%2C3967%2C2799 >Acesso em: 16 maio 2020.

______. Mensagem lida perante o Congresso do Amazonas na abertura da Terceira sessão ordinária da sétima legislatura pelo exm. Snr. C,el. Antonio Clemente Ribeiro Bittencourt governador do Estado em 10 de julho de 1912. Manaus: Imprensa oficial, 1912. Disponível em: < http://ddsnext.crl.edu/titles/164?terms=&item_id=2961#?c=4&m=124&s=0&cv=0&r=0&xywh=-134%2C-328%2C4187%2C2954>Acesso em: 16 maio 2020.

CARVALHO, R. A. de. Mensagem lida perante o Congresso do Amazonas na abertura da Segunda sessão ordinária da sexta legislatura pelo C.el. Raymundo Affonso de Carvalho, Presidente do Congresso Legislativo no exercício de Governador do Estado em 10 de julho de 1908. Manaus: Imprensa oficial, 1908. Disponível em: < http://ddsnext.crl.edu/titles/164?terms=&item_id=2956#?c=4&m=118&s=0&cv=0&r=0&xywh=-267%2C-129%2C3652%2C2576>Acesso em: 16 maio 2020.

CASER, A. T. O medo do Sertão: doenças e ocupação do território na comissão de linhas telegráficas estratégicas de Mato Grosso ao Amazonas (1907-1915), 2009. 137p. Dissertação (Curso de Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde da Casa de Oswaldo Cruz- Mestrado) Fundação Oswaldo Cruz. Casa de Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2009.

FERREIRA, M. R. A ferrovia do diabo. Ed. Melhoramentos: São Paulo, 2005, vol.2, 400p.

HARDMAN, F. F. Trem fantasma: a modernidade na selva. Companhia das letras: São Paulo,1988, 291p.

NERY, A. C. Mensagem lida perante o Congresso do Amazonas na abertura da Primeira sessão ordinária da sexta legislatura pelo governador do Estado Dr. Antonio Constantino Nery em 10 de julho de 1907. Manaus: Imprensa oficial, 1907. Disponível em: < http://ddsnext.crl.edu/titles/164?terms=&item_id=2954#?c=4&m=116&s=0&cv=0&r=0&xywh=-149%2C-284%2C3625%2C2557 > Acesso em 16 maio 2020.

PEITER, P. C. Geografia da Saúde na Faixa de Fronteira Continental do Brasil na Passagem do Milênio, 2005. 334p. Tese (Programam de Pós-Graduação em Geografia – Doutorado) Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2005.

SANTOS, L. A. de C. O pensamento sanitarista na Primeira República: Uma ideologia de construção da nacionalidade. Dados. Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v.28, n.2, p.193-210, 1985.

SCHWEICKARDT, J. C. Ciência, nação e região: as doenças tropicais e o saneamento no Estado do Amazonas (1890-1930). 2009. 425p. Tese (Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e da Saúde – Doutorado). Fundação Oswaldo Cruz. Casa de Oswaldo Cruz, Manaus 2009.

SEVCENKO, N. O prelúdio republicano, astúcias da ordem e ilusões do progresso. In: FEIST, H.; ARIÉS, P.; CHARTIER, R. História da Vida Privada no Brasil. Companhia das Letras: São Paulo, 1998, vol.3, p. 07- 48.

STALING, H. M. M. A República e o Sertão. Imaginação literária e republicanismo no Brasil. Revista Crítica de Ciências Sociais, n.82, p. 133-147, set.2008.

URBINATTI, I. BITTENCOURT, Antônio Clemente Ribeiro. Disponível em: < http://cpdoc.fgv.br/sites/default/files/verbetes/primeira-republica/BITTENCOURT,%20Ant%C3%B4nio%20Clemente%20Ribeiro.pdf> Acesso: 20 maio 2020.

UJVARI, S da C. A história e suas epidemias: a convivência do homem com os micróbios, 2°ed, SENAC: São Paulo, 2003, 281p.

VARGA, I. Fronteiras da urbanidade sanitária: sobre o controle da malária. Saúde e Sociedade v.16, n.1, p.28-44, jan-abr 2007.

VITAL, A. V. Medicina tropical, tratamento e profilaxia contra a malária: controvérsias científicas no início do século XX. Revista Eletrônica Cadernos de História, vol.10, ano 5, n.º 2, p.1-9, dez 2010.

XAVIER. L. Fronteira Oeste Brasileira: entre o contraste e a integração.2006. 242p. Tese (Programa de Pós-Graduação em História da Universidade de Brasília – Doutorado). UNB, Brasília, 2006.
Publicado
29-03-2021
Como Citar
TEIXEIRA DO NASCIMENTO, T. O IMPACTO DA FALTA DE ACESSO ÀS AÇÕES SANITÁRIAS SOBRE A SAÚDE NO AMAZONAS (1907-1912). Revista Espacialidades, v. 17, n. 1, p. 223-242, 29 mar. 2021.