FRIA E SECA

A melancolia em São Paulo nos diagnósticos de Antonio Carlos Pacheco e Silva (1920-1940)

  • Thayná Alves Rocha Universidade Santo Amaro
  • Carolina Maia Blois Moucherek Universidade Santo Amaro
  • Lucciano Franco de Lira Siqueira Universidade Santo Amaro
Palavras-chave: História da Saúde, Melancolia, São Paulo

Resumo

Este artigo enfatiza a melancolia na cidade de São Paulo entre as décadas de 1920 a 1940, como possibilidade de análise da história da doença na fabricação dos espaços, no caso, recuperados a partir de diagnósticos médicos presentes no manual Psiquiatria Clínica e Forense organizado por Antonio Carlos Pacheco e Silva. Por intermédio da História dos Sentimentos a partir de Sônia A. Siqueira, onde os sentimentos são tratados como indícios históricos e sociais, destacam-se subjetividades compartilhadas nos casos clínicos descritos nos diagnósticos de melancolia. A análise demonstra a influência das transformações urbanas no discurso médico sobre a melancolia, vinculando a doença e modernização da cidade, a doença como decorrente da vida moderna.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thayná Alves Rocha, Universidade Santo Amaro

Graduada em História pela Universidade Santo Amaro (2017), São Paulo. Membro do Grupo de Pesquisa Ciência, Saúde, Gênero e Sentimento - CISGES/ UNISA/ CNPq, Linha 1: Interdisciplinaridade e História. Lattes: http://lattes.cnpq.br/5609168837739408. E-mail: thaynalves17@gmail.com

Carolina Maia Blois Moucherek, Universidade Santo Amaro

Graduada em História pela Universidade Santo Amaro - UNISA, São Paulo, Mestranda bolsista do Programa de Mestrado Interdisciplinar em Ciências Humanas. Pesquisadora do Grupo de Pesquisa: Ciência, Saúde, Gênero e Sentimento, CISGES/UNISA/CNPq. Parecerista editorial da Revista Pluralistas CISGES/ UNISA. Lattes: http://lattes.cnpq.br/5559224608962195. E-mail: carolinamaiablois@gmail.com

Lucciano Franco de Lira Siqueira, Universidade Santo Amaro

Graduado em História pela Universidade de Santo Amaro, Unisa, São Paulo. Mestrando bolsista parcial do Programa de Mestrado Interdisciplinar em Ciências Humanas, UNISA. Membro do Grupo de Pesquisa Ciência, Saúde, Gênero e Sentimento - CISGES/ UNISA/ CNPQ. Lattes: http://lattes.cnpq.br/0299556724233344. E-mail: luccianofr@gmail.com

Referências

Referências
AZEVEDO, Celia Maria Marinho de. Onda negra, medo branco: o negro no imaginario das elites - século XIX. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.
CORDÁS, Táki Athanássios; EMILIO, Matheus Schumaker. História da Melancolia. Porto Alegre: Artmed, 2017.
COSTA, Jurandir Freire. Ordem Médica e Norma Familiar. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.
CUNHA, Maria Clementina Pereira Cunha. O Espelho do Mundo: Juquery, a História de um Asilo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.
FERLA, Luís Antônio Coelho. Feios, sujos e malvados sob medida: do crime ao trabalho, a utopia médica do biodeterminismo em São Paulo (1920-1945). Orientadora: Esmeralda Blanco Bolsonaro de Moura. 2005. Tese [Doutorado em Ciências] – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.
FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. 24. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2014.
GOMES, Ana Carolina Vimiero. A emergência da biotipologia no Brasil: medir e classificar a morfologia, a fisiologia e o temperamento do brasileiro na década de 1930. Boletim do Museu Paranaense Emilio Goeldi Ciências Humanas, Belém, v.7, n.3, p. 705-719, set./ dez. 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1981-81222012000300006&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em 20 mar. 2020.
GRACIOLI, Júlia. Brasil vive surtos de depressão e ansiedade. Jornal da USP. 2018. Disponível em: https://jornal.usp.br/atualidades/brasil-vive-surto-de-depressao-e-ansiedade/. Acesso em 17 jul. 2020.
LUCA, Tania Regina de. A revista do Brasil: Um diagnóstico para a (n)ação. São Paulo: UNESP, 1999.
MARTINS, A. L. A invenção e/ou eleição dos símbolos urbanos: história e memória da cidade paulista. In: BRESCIANI, Stella (Org.). Imagens da Cidade: Séculos XIX e XX. ANPUH, Marco Zero, São Paulo: FAPESP, 1994, p. 177-190.
MOTA, André. A Paulicéia sob um Diagnóstico Sanitário. In: MOTA, André (Org.). Tropeços da Medicina Bandeirante: Medicina Paulista entre 1982-1920. São Paulo: EDUSP, p. 75-124, 2005.
PACHECO E SILVA, Antonio Carlos. Psiquiatria Clínica e Forense. São Paulo: Renascença, 1951.
RAMOS, Reinaldo; BARBOSA, Victório. Estudos sobre a mortalidade por suicídio. I. Discussão sobre seu valor com indicador do nível de saúde mental. II. A mortalidade por suicídio no Município de São Paulo. Arquivos da Faculdade de Higiene e Saúde Pública da Universidade de São Paulo. São Paulo, 19 (1/2), p. 33-66, jun.-dez.1965.
SCLIAR, Moacyr. Saturno nos Trópicos: a melancolia européia chega ao Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.
SERRA, Lia Novaes; SCARCELLI, Ianni Régia. Por um sangue bandeirante Pacheco e Silva, um entusiasta da teoria eugenista em São Paulo. Revista latinoamericana de psicologia fundamental, São Paulo, v. 17, n. 1, p.85-99, mar. 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-47142014000100007. Acesso em: 15. maio 2020.
SEVCENKO, Nicolau. Orfeu extático na metrópole: São Paulo, sociedade e cultura nos frementes anos 20. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.
SIQUEIRA, Sônia A. A Renovação da História: História dos Sentimentos. Rev. Hist.. São Paulo, v. 54, n. 108, p. 563-578, 1976.
SOUZA CAMPOS, Paulo Fernando de. Os crimes do preto Amaral: representação da desgenerescência em São Paulo 1920. Orientadora: Zélia Lopes da Silva. 2003. Tese [Doutorado em História] – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Assis, 2003.
TARELOW, Gustavo Queródia; MOTA, André. Eugênia, organicismo e esquizofrenia: diagnósticos psiquiátricos sob a lente de Antonio Carlos Pacheco e Silva, nas décadas de 1920-40. Dimensões, n.34, p. 255-279. 2015. Disponível em: http://periodicos.ufes.br/dimensoes/article/view/11118. Acesso em: 15 mai. 2020.
TARELOW, Gustavo Queródia. Antonio Carlos Pacheco e Silva: psiquiatria e política em uma trajetória singular (1898-1988). Orientador André Mota. 2018. Tese [doutorado em ciências] Universidade de São Paulo, Faculdade de Medicina, São Paulo, 2018.
VISCARDI, Cláudia Maria Ribeiro. História, Região e Poder: a busca de interfaces metodológicas. LOCUS, Revista de História, Juiz de Fora, vol 3. n 1, 11. p. 84-97. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/locus/article/view/20441. Acesso em 01 jul. 2020.
WEGNER, Robert; SOUZA, Vanderlei Sebastião de. Eugenia ‘negativa’ psiquiatria e catolicismo: embates em torno da esterilização eugênica no Brasil. História, Ciência, Saúde- Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 20, n.1, p. 263-288, jan. / mar. 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-59702013005000001&script=sci_abstract&tlng=pt. Disponível em: Acesso em: 9 jul. 2020.
WENSTEIN, Bárbara. Racializando as diferenças regionais: São Paulo X Brasil, 1932. Revista Esboços, Florianópolis, v. 13, n. 16, p. 281-303, 2006.
Publicado
29-03-2021
Como Citar
ALVES ROCHA, T.; MAIA BLOIS MOUCHEREK, C.; FRANCO DE LIRA SIQUEIRA, L. FRIA E SECA. Revista Espacialidades, v. 17, n. 1, p. 292-316, 29 mar. 2021.