USOS E ABUSOS DAS MATAS

Administração e controle das madeiras na comarca das Alagoas (1789-1799)

  • Felipe dos Santos Silva Universidade Federal de Alagoas
Palavras-chave: Conservadoria das Matas, Administração colonial, Alagoas, José de Mendonça de Matos Moreira

Resumo

Esse artigo tem por objetivo analisar a criação da Conservadoria das Matas de Alagoas, a atuação de José de Mendonça de Matos Moreira como juiz conservador entre os anos de 1789-1799 e os conflitos que envolveram diretamente o controle do espaço natural das matas. As fontes utilizadas foram documentos gerados pela administração portuguesa, todos localizados no Arquivo Histórico Ultramarino (AHU), disponíveis na plataforma digital do projeto resgate. A partir dos indícios contidos nos registros propõe-se compreender os conflitos que envolveram as matas da Comarca nas tramas políticas que cruzavam o Atlântico, rejeitando qualquer canonização regionalista como proposta exclusiva de explicação da região.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe dos Santos Silva, Universidade Federal de Alagoas
Formado em História pela Universidade Federal de Alagoas. Atualmente é aluno regular do Programa de Pós Graduação na mesma instituição (PPGH-UFAL) onde desenvolve pesquisas na linha da História Social, bolsista CAPES. Lattes:  http://lattes.cnpq.br/5235227004413172. E-mail: flalipe23@gmail.com    

Referências

Arquivo Histórico Ultramarino, Alagoas Avulsos. Cx. 03. doc. 248; Cx. 03. doc. 250; Cx. 03. doc. 249; Cx. 03. doc. 254; Cx. 04. doc. 270.
Arquivo Histórico Ultramarino, Pernambuco. Cx. 162, doc. 11625; Cx. 192, doc.13225.
ANDRADE, Juliana Alves de. A Mata em Movimento: Coroa portuguesa, Senhores de Engenho e Homens livres e a produção do espaço da Mata norte de Alagoas. Dissertação (Mestrado em História), UFPB, 2008.
CABRAL, Diogo de Carvalho e CESCO, Susana. Árvores do rei, floresta do povo: a instituição das ‘madeiras-de-lei’ no Rio de Janeiro e na ilha de Santa Catarina (Brasil) no final do período colonial. In: Luso-Brazilian Review, vol 44 nº 2. Wisconsin, 2007.
CARVALHO, Marcus de. A Mata Atlântica: os Sertões de Pernambuco e Alagoas, sécs XVII e XIX, In: Revista Clio –Revista de História [25-2]; 2007.
DIAS, Henrique Farinha. Farinha, madeiras e cambotagem: a Capitania de Ilhéus no antigo sistema colonial. Ilhéus-BA: Editora da Universidade Estadual de Santa Cruz, 2011.
FILHO, Oswaldo Munteal. A Academia Real de Ciências de Lisboa e o Império colonial ultramarino. In: Diálogos oceânico: Minas Gerais e as novas abordagens para uma história do Império Ultramarino Português. FURTAGO, Júnia Ferreira (org). Belo Horizonte: ed UFMG, 2001.
LINDOSO, Dirceu. A utopia armada: rebeliões de pobres nas matas do tombo real. -2 ed. rev.- Maceió: Edufal, 2005.
NEVES, Guilherme Pereiras das. Repercussão, no Brasil, das reformas pombalinas da educação: o seminário de Olinda. In: Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (RIHGB)., Rio de Janeiro, a. 150, nº 401, pp. 1565-1927, out/dez. 1998.
PÁDUA, José Augusto. Um sopro de destruição: pensamento político e crítica ambiental no Brasil escravista, 1786-1888. Rio de Janeiro: Editoria Jorge Zahar, 2004.
PEDROSA, Lanuza Maria Carnaúba. De Ouvidor-Geral a Conservador das Matas: estratégias políticas e econômicas de José Mendonça de Matos Moreira (Comarca das Alagoas, 1779-1798). In: CAETANO, Antonio Filipe Pereira (Org). Alagoas Colonial: construindo economias, tecendo redes de poder e fundando administrações (séculos XVII-XVIII). Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2012.
POMBO, Nívia. Dom Rodrigo de Sousa Coutinho: Pensamento e ação político-administrativa no Império Português (1778-1812). São Paulo: Ed – HUCITEC, 2015.
THOMAS, Keith. O homem e o mundo natural: mudanças de atitude em relação as plantas e aos animais (1500-1800). São Paulo: Companhia das letras, 2010.
Publicado
29-03-2021
Como Citar
DOS SANTOS SILVA, F. USOS E ABUSOS DAS MATAS. Revista Espacialidades, v. 17, n. 1, p. 436-456, 29 mar. 2021.