"LUCAS, O SALTEADOR":

ecos de uma memória única na Feira de Santana de 1920

  • Eliane de Jesus Costa Universidade do Estado da Bahia

Resumo

O objetivo do artigo consiste em examinar a construção de uma memória única sobre Lucas da Feira, entre os anos de 1923-1924, na crônica jornalística intitulada, Chronicas Feirenses, escrita pelo jornalista Arnold Silva, durante o processo de transformação de Feira de Santana como urbe civilizada.  Orientaram os caminhos das análises os conceitos de: memória (Le Goff); estereotipagem (Stuart Hall) e razão negra (Achille Mbembe) e nos possibilitou entender como o ato de rememorar conduziu à prática representacional sobre Lucas da Feira, ao passo que os discursos promoveram a consciência Ocidental sobre o negro, cujo intuito era o projeto de silenciar o passado escravocrata da história de Feira de Santana e reduzir as histórias sobre Lucas da Feira à história única do negro salteador.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBUQUERQUE JÚNIOR. Durval Muniz. A invenção do nordeste e outras artes. 5º Ed. São Paulo: Cortez, 2011.

AZEVEDO. Célia Maria Marinho de. Onda negra, medo branco: o negro no imaginário das elites século XIX. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

CHALHOUB, Sidney. Cidade febril: cortiços e epidemias na corte imperial. São Paulo, SP: Companhia das Letras, 2006.

COVAS, Guimarães. Lucas Evangelista ou Lucas da Feira. In:_________. Municípios da Bahia. Ed. Typ. Bahiama de C. Melchiades, 1913.p.74-89.

CAMPOS, Juliano Mota. Entre tinteiros e palanques: a trajetória intelectual e política de Arnold Ferreira da Silva em Feira de Santana- Ba. (1909- 1930). Dissertação Mestrado em História- Programa de Pós-Graduação em História. Universidade Estadual de Feira de Santana. Feira de Santana, 2016.

DAMASCENO, Karine Teixeira. Mal ou bem procedidas: cotidiano de transgressão das regras sociais e jurídicas em Feira de Santana (1890-1920). Dissertação de Mestrado em História- Universidade Estadual de Campinas. Campinas, SP: 2011.

___________________________. “Sirigaitas, Sacudidas, Imorais, Criminosas, Bárbaras e loucas: representação, repressão e silencio em Feira de Santana. XXVIII SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA: Lugares dos historiadores: velhos e novos desafios. 27 a 31 de julho de 2015. Florianópolis- Santa Catarina. Anais eletrônicos: 2015. Disponível em: http://www.snh2015.anpuh.org/resources/anais/39/1474323538_ARQUIVO_Karine_teixeira_damasceno.pdf acesso em 10.08.2018.

FERREIRA FILHO, Alberto. Salvador das mulheres: condição feminina e cotidiano popular na belle époque imperfeita. Dissertação (mestrado em história). Salvador: UFBA, 1994.

HALL, Stuart. Cultura e representação. Tradução Daniel Miranda e Willian Oliveira. Rio de Janeiro: PUC- Rio; Apicuri, 2016.

HORA, Ana Paula Cruz Carvalho. Negócio entre senhores: o comércio de escravos em Feira de Sant’ Anna (1850- 1888). Dissertação (Mestrado em História) - Universidade do Estado da Bahia (UNEB) Departamento de Ciências Humanas, Campus V, Santo Antônio de Jesus, 2014.

KILOMBA, Grada. Memórias da Plantação- Episódios de racismo cotidiano. Tradução Jess Oliveira. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

LE GOFF, Jacques. História e memória. 2a. ed. Campinas: EdUNICAMP, 1992

LIMA, Zélia de. Lucas Evangelista: o Lucas da Feira; estudos sobre a rebeldia escrava em Feira de Santana. 1807 – 1849. Dissertação de Mestrado. Salvador, UFBA, 1990.

MATHEUS, Leticia Cantarela. Comunicação, tempo, história: tecendo o cotidiano em fios jornalísticos. Rio de Janeiro: Mauad X: Faperj, 2011.

MBEMBE, Achille. A crítica da razão negra. Tradução de Sebastião Nascimento. Brasil; N-1 edições, 2018.

OLIVEIRA, Ana Maria Carvalho dos Santos. Feira de Santana em tempos de modernidade: olhares. Imagens e práticas do cotidiano. (Feira de Santana, 1937-1970). Tese de Doutorado em História. Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 2008.

OLIVEIRA, Clovis Frederico Ramaiana Moraes. De empório a Princesa do Sertão: utopias civilizadoras em Feira de Santana (1819-1937). Dissertação de Mestrado em História. Universidade Federal da Bahia. Salvador, 2000.

_____________________. Canções da cidade amanhecente”: urbanização, memórias e silenciamentos em Feira de Santana, 1920-1960. Tese de Doutorado, Universidade de Brasília, Brasília, 2011.

OLIVEIRA, Josivaldo Pires. “Adeptos da mandiga”: candomblé, curandeiros e repressão política na Princesa do Sertão (Feira de Santana-Ba,1938- 1970). Tese de Doutorado, Universidade Federal da Bahia. Salvador, 2010.

RAMOS, Aluísio Wellichan. Espaço tempo na cidade de São Paulo: historicidade e espacialidade do “bairro” da água branca. Revista do Departamento de Geografia – Departamento de Geografia da FFLCHUSP, São Paulo, n. 1, p. 65-75, 1982. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rdg/article/view/47298 > acesso em 08.05.2021

SANTOS, Aline Aguiar Cerqueira. Diversões e civilidade na Princesa do Sertão, (1919- 1946). Dissertação Mestrado em História- Programa de Pós-Graduação em História. Universidade Estadual de Feira de Santana. Feira de Santana, 2012.

SCHWARCZ, Lilian Moritz. Nem preto nem branco, muito pelo contrário: cor e raça na sociabilidade brasileira. São Paulo: Claro Enigma, 2012.

SEVCENKO, Nicolau. Introdução. “O prelúdio republicano, astucias da ordem e ilusão do progresso. In:SEVCENKO, Nicolau; NOVAIS, Fernando (org.). História da vida privada no Brasil República: da Belle Époque à Era do Rádio. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. p. 7-48.

SIMÕES, Kleber José Fonseca. Os homens da Princesa do Sertão: modernidade e identidade masculina em Feira de Santana (1918-1928). Dissertação de Mestrado em História. Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2007.

SILVA, Aldo José Moraes. Natureza sã, Civilidade e Comércio em Feira de Santana: elementos para o estudo de construção da identidade social no interior da Bahia (1833-1937). Dissertação de Mestrado em História. Universidade Federal da Bahia. Salvador, 2000.

Publicado
02-09-2021
Como Citar
COSTA, E. DE J. "LUCAS, O SALTEADOR": . Revista Espacialidades, v. 17, n. 2, p. 14-38, 2 set. 2021.