Preenchimento do sujeito no português do Brasil: colocação pronominal e satisfação do Princípio de Projeção Estendido

  • Maurício Rubens de Carvalho Guilherme
Palavras-chave: Sujeito nulo. Colocação pronominal. Português brasileiro.

Resumo


O presente artigo visa a discutir a relação existente entre os clíticos e o parâmetro pro-drop em frases com sujeitos impessoais no Português Brasileiro (PB). A pesquisa motivou-se inicialmente pela percepção de que, a exemplo do que foi relatado por Holmberg (2000) a respeito das línguas escandinavas, quanto à operação chamada Stilistic Fronting; a posição de sujeito em PB vem sendo cada vez mais preenchida por sintagmas de qualquer natureza (XP’s) movidos para essa posição, ou nela inseridos, a fim de checar o Princípio de Projeção Estendido (EPP), o qual, segundo Chomsky (1998), requer que a posição de Spec-TP seja preenchida por um XP. A principal hipótese desse trabalho é de que clíticos pronominais, em especial o de primeira pessoa “me”, se movem para a posição de sujeito sempre que essa se encontra vazia, ocasionando inclusive a ordem (cl+V) em início absoluto de frase, evidenciando uma inovação do PB. 

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
06-10-2016
Como Citar
GUILHERME, M. R. DE C. Preenchimento do sujeito no português do Brasil: colocação pronominal e satisfação do Princípio de Projeção Estendido. Revista Odisseia, n. 12, p. p. 58 - 75, 6 out. 2016.
Seção
Artigos