Sobre Belas Adormecidas e feminismo

Análise de uma narrativa de Stephen e Owen King

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/1983-2435.2023v8n2ID31863

Palavras-chave:

Teoria feminista, Stephen King, Teoria Literária

Resumo

Ao considerar a literatura como um reflexo social, tem-se aqui o objetivo de buscar na História das mulheres e nos pressupostos feministas a temática dentro da narrativa ficcional Belas Adormecidas (2017), dos autores Stephen e Owen King. Pela teoria historiográfica, tem-se os estudos de Perrot (2005), pela dominação masculina nas palavras de Bourdieu (2012). Pelo viés feminista, os estudos de Pateman (1993), Hooks (2019), Tilly (2007), Oliveira (2013), Haraway (1991) e Arruzza (2015, 2017) foram utilizados. Pelo corpus, constatou-se a relação entre a história feminina e os conceitos feministas relacionados ao patriarcado e a verificação da neutralidade autoral sobre as ações do enredo que apontaram o que aqui se definiu como sexismo estrutural, base patriarcal ainda internalizada no imaginário social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sabrine Schneider, Universidade de Passo Fundo

Doutoranda em Letras pelo Programa de Pós-Graduação em Letras (PPGL), da Universidade de Passo Fundo (UPF). Mestra em Letras pelo Programa de Pós-Graduação em Letras (PPGL) da Universidade de Passo Fundo (UPF), no ano de 2021. Graduada do Curso de Letras - Licenciatura Plena em Língua Portuguesa e Inglesa e suas Respectivas Literaturas, pela Universidade de Passo Fundo, no ano de 2018.

Fabiane Verardi, Universidade de Passo Fundo

Possui graduação em Letras pela Universidade de Passo Fundo (1991), Mestrado em Letras (Teoria Literária) pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1999), Doutorado em Letras (Teoria Literária) pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2004) e Pós-Doutorado pela Universidade de Coimbra (2019). Atualmente é professora Titular III da Universidade de Passo Fundo, no curso de Letras, no Programa de Pós-Graduação em Letras e Coordenadora das Jornadas Literárias de Passo Fundo. Desenvolve projetos na linha de pesquisa de Leitura e Formação de Leitor, focalizando seus trabalhos na questão da leitura na escola, metodologias de ensino da literatura infantil e juvenil. É líder do Grupo de Pesquisa CNPq: Sobre Ensino de Literatura.

Referências

ARRUZZA, C. Considerações sobre gênero: reabrindo o debate sobre patriarcado e/ou capitalismo. Revista Outubro, n. 23, 2015. Disponível em: < http://outubrorevista.com.br/wp-content/uploads/2015/06/2015_1_04_Cinzia-Arruza.pdf>. Acesso em: 20 jun. 2020.

ARRUZZA, C. Funcionalista, determinista e reducionista: o feminismo da reprodução social e seus críticos. Cadernos CEMARX, Campinas, n. 10, 2017. Disponível em <https://econtents.bc.unicamp.br/inpec/index.php/cemarx/article/view/10920>. Acesso em: 20 jun. 2020.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. Tradução Maria Helena Kühner. 11. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

HOOKS, B. Ain’t I a Woman? Black women and feminism. United States, South end Press, 1981.

HOOKS, B. O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras. Tradução Bhuvi Libânio. 8. ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2019.

KING, S; KING, O. Belas adormecidas. Tradução Regiane Winarski. Rio de Janeiro: Suma, 2017.

OLIVEIRA, Rosiska Darcy de. O elogio da diferença: o feminino emergente. Rio de Janeiro: Rocco Digital, 2013. (Recurso eletrônico, formato ePub, n. p.).

PATEMAN, C. O Contrato Sexual. São Paulo: Paz e Terra, 1993.

PATEMAN, C. Soberania individual e propriedade na pessoa. Revista Brasileira de Ciência Política, n. 1, 2009. Disponível em: <https://periodicos.unb.br/index.php/rbcp/article/view/1534>. Acesso em: 27 jan. 2020.

PATEMAN, C. The Disorder of Women. California: Stanford University Press, 1989.

PERROT, M. As mulheres ou os silêncios da história. Tradução Viviane Ribeiro. São Paulo: Edusc, 2005. Disponível em: <https://www.academia.edu/33466946/As_mulheres_ou_os_sil%C3%AAncios_da_hist%C3%B3ria_-_Michelle_Perrot.pdf>. Acesso em: 25 out. 2019.

PERROT, M. Os excluídos da história: operários, mulheres e prisioneiros. Tradução Denise Bottman. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988. (Oficinas da história).

PERROT, M. Escrever uma história das mulheres: relato de uma experiência. Cadernos Pagu, n. 4, 2008. Disponível em: <https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/1733>. Acesso em: 19 jan. 2020.

TILLY, L. A. Gênero, história das mulheres e história social. Cadernos Pagu, n. 3, 2007. Disponível em: <https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/1722>. Acesso em: 11 dez. 2019.

Downloads

Publicado

09-11-2023

Como Citar

SCHNEIDER, S.; VERARDI, F. Sobre Belas Adormecidas e feminismo: Análise de uma narrativa de Stephen e Owen King. Revista Odisseia, [S. l.], v. 8, n. 2, p. 100–119, 2023. DOI: 10.21680/1983-2435.2023v8n2ID31863. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/odisseia/article/view/31863. Acesso em: 25 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos