Cora Coralina e a modernidade humanitária de “Todas as vidas”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/1983-2435.2024v9n1ID32596

Palavras-chave:

Cora Coralina. “Todas as vidas”. Humanitária. Poesia. Modernidade

Resumo

Este estudo parte da fortuna crítica de Cora Coralina, que considerou traços modernos e modernistas na obra da autora, para investigar o discurso humanitário constituído no poema “Todas as vidas”, do livro Poemas dos becos de Goiás e estórias mais. A leitura leva em consideração uma tendência da literatura moderna que toma posição diante das injustiças sociais e reverte estigmas da subalternidade, revelando a má consciência do mundo. As análises notam, ainda, a convergência da poesia de Cora com a ressublimação contida em Flores do mal, de Charles Baudelaire (1985). Nossas reflexões se valem das seguintes formulações teórico-críticas: Sebástian Joachin (1999), Goiandira Ortiz de Camargo (2002; 2006), Darcy Denófrio (2006, 2017), Flávio Camargo (2018) Heloisa Marques Miguel (2006), Hugo Friedrich (1978), Antonio Candido (2011) e Gayatri Spivak (2010), dentre outros/as.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Antônio Vieira Júnior, Universidade Federal de Goiás

Professor Adjunto de Teoria da Literatura e Ensino da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás. Goiânia, Goiás, Brasil. Lattes: http://lattes.cnpq.br/8490405451576541.

Glauciane Rodrigues da Silva, Secretaria de Educação de Goiás

Mestra em Letras pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Professora IV da Secretaria de Educação de Goiás. Aparecida de Goiânia, Goiás, Brasil.  Lattes: http://lattes.cnpq.br/4364319448245007

Referências

A BÍBLIA DE JERUSALÉM. 10. ed. São Paulo: Paulus, 2001.

BAUDELAIRE, Charles. As flores do Mal. Trad. Ivan Junqueira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo, v. 1. Trad. Sérgio Milliet. 5. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2019.

BENJAMIN, Walter. A modernidade e os modernos. Trad. Heindrun K. M. da Silva, Arlete de Brito, Tania Jatobá. 3. ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 2000.

CAMARGO, Flávio Pereira. Cora Coralina e a tradição poética moderna e modernista. In: MUSEU CASA DE CORA CORALINA. Vintém de Cobre. Goiânia: Kelps, 2018. p. 55-74.

CAMARGO, Goiandira Ortiz de. Cora Coralina: uma poética para todas as vidas. In: DENÓFRIO, D. F.; CAMARGO, G. O. de. Cora Coralina: celebração da volta. Goiânia: Cânone Editorial, 2006. p. 59-83.

CAMARGO, Goiandira Ortiz de. Poesia e memória em Cora Coralina. Signótica, v. 14, n. 1, p. 75-85, 2009. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sig/article/view/7306. Acesso: 21 abr. 2023.

CANDIDO, Antonio. O direito à literatura. In: Vários escritos. 5. ed. Rio de Janeiro: Ouro Sobre Azul, 2011. p. 171-192.

CHKLÓVSKI, Viktor. A arte como procedimento. In: TODOROV, T. (Org.). Teoria da literatura: textos dos formalistas russos. Trad. Roberto Leal Ferreira. São Paulo: Editora Unesp, 2013. p. 83-108.

CORALINA, Cora. Depoimentos de Cora Coralina. In: VELASCO, Marlene. A poética da reminiscência: Estudos sobre Cora Coralina. Dissertação (Mestrado em Literatura). Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, 1990. p. 96-101.

CORALINA, Cora. Poemas dos becos de Goiás e estórias mais. 20. ed. São Paulo: Global, 2001.

DENÓFRIO, Darcy França. Retirando o véu de Ísis: contribuição às pesquisas sobre Cora Coralina. In: DENÓFRIO, D. F.; CAMARGO, G. O. de. Cora Coralina: celebração da volta. Goiânia: Cânone Editorial, 2006. p. 175-231.

DENÓFRIO, Darcy. Cora dos Goiases. In: CORALINA, Cora. Melhores poemas: Cora Coralina. 4. Ed. São Paulo: Global, 2017. p. 07-22.

FELÍCIO, Carmelita Brito de Freitas. Direitos Humanos: função histórica das Declarações e problematização filosófica. In: REINER, I. R. (Org.). Direitos Humanos: enforques bíblicos, teológicos e filosóficos. Goiânia: Oikos, 2011. p. 11- 25.

FRIEDRICH, Hugo. Estrutura da lírica moderna. Trad. Marise M. Curioni. São Paulo: Duas Cidades, 1978.

JOACHIN, Sebastian. Universalidade da região em Cora Coralina. In: MUSEU CASA DE CORA CORALINA. Vintém de cobre, ano 1, n. 1, p. 13-25, 1999.

MIGUEL, Heloisa Marques. A enumeração categorial em Cora Coralina. In: DENÓFRIO, D. F.; CAMARGO, G. O. de. Cora Coralina: celebração da volta. Goiânia: Cânone Editorial, 2006. p. 85-102.

ROSENFELD, Anatol; GUINSBURG, J. Um encerramento. In: GUINSBURG, J. (Org.). O Romantismo. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 2013. p. 275-294.

SILVA, Glauciane Rodrigues da. Traços da modernidade e do modernismo brasileiro nos poemas de Cora Coralina. Dissertação (Mestrado em Letras) – Escola de Formação de Professores e Humanidades, Pontifícia Universidade Católica de Goiás, 2021. Disponível em: https://tede2.pucgoias.edu.br/handle/tede/4656. Acesso: 21 abr. 2023.

SPIVAK, Gayatri C. Pode o subalterno falar? Trad. Sandra Regina Goular Almeida, Marcos Pereira Feitosa, André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010.

YOKOZAWA, Solange Fiuza C.. Estórias da velha rapsoda da Casa da Ponte. Temporis(ação), UEG, v. 1, p. 121-144, 2006.

YOKOZAWA, Solange Fiuza C. Confissões de Aninha e memória dos becos. Texto Poético, v. 2, p. 1-11, 2005. Disponível em http://textopoetico.emnuvens.com.br/rtp/article/viewFile/186/187. Acesso: 21 abr. 2023.

Downloads

Publicado

29-02-2024

Como Citar

VIEIRA JÚNIOR, P. A.; RODRIGUES DA SILVA, G. Cora Coralina e a modernidade humanitária de “Todas as vidas”. Revista Odisseia, [S. l.], v. 9, n. 1, p. 73–90, 2024. DOI: 10.21680/1983-2435.2024v9n1ID32596. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/odisseia/article/view/32596. Acesso em: 22 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos