Hannah Arendt

uma narradora entre o passado e o futuro

  • Carlos Eduardo Gomes Nascimento Universidade Federal da Bahia
Palavras-chave: Tradição, Narrativas, Hannah Arendt

Resumo

Este ensaio apresenta o enlace entre o pensamento de Hannah Arendt e o ato de narrar. A obra de Arendt traz uma experiência narrativa ao dialogar intensamente com a literatura criando novas possibilidades de se relacionar com o passado. Ao narrar experiências humanas em acontecimentos sucedidos na história, Arendt buscou compreender como gerações do passado pensaram e agiram publicamente no mundo comum. Entre o passado e o futuro, rompeu-se o fio da tradição que seleciona e nomeia as experiências a ser transmitidas de uma geração mais velha para uma geração mais nova. Porém, mesmo ante à lacuna entre o passado e futuro, a narrativa de Arendt encontra “tesouros” no passado, estórias que se constituem enquanto um legado de experiências de um mundo comum às futuras gerações. Compreender as experiências humanas no passado, através das estórias, possibilita à singularidade das novas gerações deitar raízes no mundo comum.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Eduardo Gomes Nascimento, Universidade Federal da Bahia

Mestrando em Educação pela Universidade Federal da Bahia.

Referências

ADICHIE, C. N. O perigo da história única. In: TED – Ideas worth spreading. 2009. Duração: 18m.43s. Disponível em: <https://www.ted.com/talks/chimamanda_adichie_the_danger_of_a_single_story/transcript?language=pt#t-1110073>. Acesso em: 24 jan. 2018.

AGUIAR, O. Pensamento e narração em Hannah Arendt. BIGNOTTO, Newton; MORAES, Eduardo J. (Org.). Hannah Arendt: diálogos, reflexões e memórias. Belo Horizonte: UFMG, 2001. p. 215-226.

AGUIAR, O.; MARIANO, R. A poesia de Hannah Arendt. Revista ArteFilosofia. Ouro Preto, n. 15, dez. 2013, p. 119-132. Disponível em: <https://www.periodicos.ufop.br/pp/index.php/raf/article/view/539/495>. Acesso em: 5 abr. 2018.

ALMEIDA, V. S. Educação em Hannah Arendt: entre o mundo deserto e o amor ao mundo. São Paulo: Cortez, 2011.

ARENDT, H. Lições sobre a filosofia política de Kant. Trad. André Duarte de Macedo. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1993.

ARENDT, H. Rahel Varnhagen: uma judia alemã na época do romatismo. Trad. Antônio Trânsito e Gernot Kludash. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1994.

ARENDT, H. Responsabilidade e julgamento. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

ARENDT, H. A dignidade da política: ensaios e conferências. Trad. Helena Martins. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2006.

ARENDT, H. Compreender: formação, exílio e totalitarismo (1930-1954). Trad. Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras; Belo Horizonte: UFMG, 2007.

ARENDT, H. Entre o passado e o futuro. 6. ed. Trad. Mauro W. Barbosa. São Paulo: Perspectiva, 2011.

ARENDT, H. Sobre a revolução. Trad. Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

ARENDT, H. Homens em tempos sombrios. Trad. Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

ARENDT, H. A condição humana. Trad. Roberto Raposo. 13. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2016a.

ARENDT, H. A vida do espírito. Trad. Abranches Almeida e Martins. 5. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016b.

ARENDT, H. Origens do totalitarismo. Trad. Roberto Raposo. São Paulo: Companhia das Letras, 2016c.

BHABHA, H. K. Ética e estética do globalismo: uma perspectiva pós-colonial. In: BHABHA, H. K. et al. A urgência da teoria. Lisboa: Tinta da China, 2007. p. 21-44.

BLIXEN, K. A festa de Babette e outras anedotas do destino. Trad. Isabel Paquet de Areripe. Rio de Janeiro: Record, 1986.

BRUNER, J. Cultura da Educação. Trad. Abílio Queirós. Lisboa: 70, 2000.

CALVINO, I. Por que ler os clássicos? São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

DUARTE, A. O pensamento à sombra da ruptura. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

HAMPATÉ BÂ, A. A tradição viva. In: KI-ZERBO, J. (Ed.). História Geral da África. São Paulo: Cortez; Brasília: UNESCO, 2011.

KAFKA, F. 20 aforismos. Trad. O. M. Carpeaux, Revista do Brasil, Rio de Janeiro, Vol. VI, 3. fasc, n. 56, dez. 1943, p. 33-35.

LAFER, C. Experiência, ação e narrativa: reflexões sobre um curso de Hannah Arendt. Estudos Avançados. São Paulo, v. 21, n. 60, ago. 2007, p. 289-304.

LÉVI, P. É isto um homem? Trad. Luigi Dei Re. Rio de Janeiro: Rocco, 1988.

MAGALHÃES, T. C. Ação, linguagem e poder: uma leitura do capítulo V da obra The Human Condition. In: CORREIA, Adriano. (Org.). Hannah Arendt e a condição humana. Salvador: Quarteto, 2006. p. 35-74.

MATOS, O. O storyteller e o flâneur: Hannah Arendt e Walter Benjamin. In: BIGNOTTO, Newton; MORAES, Eduardo J. (Org.). Hannah Arendt: diálogos, reflexões e memórias. Belo Horizonte: UFMG, 2001.

PORCEL, Beatriz. Pescando pérolas: Hannah Arendt e a ruptura da tradição. In: ENCONTRO Hannah Arendt, 5. O futuro entre o passado e o presente: Anais... Passo Fundo: IFIBE, 2012. p. 49-61.

RICŒUR, P. Educación y política. Buenos Aires: Docencia, 1984.

ROSA, J. G. Grande sertão: veredas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1999.

YOUNG-BRUEHL, E. Hannah Arendt’s storytelling. Social Research. v. 44, n. 1, Spring 1977, p. 183-190.

Publicado
03-09-2018
Como Citar
NASCIMENTO, C. E. G. Hannah Arendt. Princípios: Revista de Filosofia (UFRN), v. 25, n. 48, p. 281-306, 3 set. 2018.