O ceticismo antifideísta de Hume

  • Rafael Bittencourt Santos Doutorando em filosofia pela UFRGS e Bolsista CNPq
Palavras-chave: Ceticismo, Fideísmo, Misticismo, Empirismo, Hume

Resumo

O ceticismo de Hume pode parecer próximo do fideísmo cético em virtude da sua crítica às faculdades humanas envolvidas no conhecimento da verdade e da sua defesa da necessidade de um mecanismo não racional como fundamento das nossas crenças. A diferença entre ambos estaria na identificação da solução para a suspensão do juízo resultante da descoberta da insuficiência da razão para compreender o mundo e guiar a ação: um apontaria para a determinação natural, outro, para a Revelação. Argumento aqui que essa proximidade não é mais do que aparente. A filosofia de Hume constitui-se como antifideísta não apenas por razões prudenciais, práticas ou pragmáticas, mas também pelos seus fundamentos filosóficos. Para mostrá-lo, examino a discussão entre Dêmeas e Filão nos Diálogos sobre a Religião Natural, a investigação sobre a origem da religião na História Natural da Religião e as razões para a recomendação da filosofia ante a superstição no Tratado da Natureza Humana.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
30-05-2019
Como Citar
SANTOS, R. B. O ceticismo antifideísta de Hume. Princípios: Revista de Filosofia (UFRN), v. 26, n. 50, p. 305-333, 30 maio 2019.