Mulheres e gênese do capitalismo: de Foucault a Federici

Autores

  • Silvana de Souza Ramos Professora Livre-docente do Departamento de Filosofia da USP

DOI:

https://doi.org/10.21680/1983-2109.2020v27n52ID19783

Palavras-chave:

Mulher, Capitalismo, Patriarcado, Corpo, Michel Foucault, Silvia Federici

Resumo

O livro de Federici, O Calibã e a Bruxa, se articula a partir
de três eixos: a crítica aos limites das análises de Marx no intuito de
explicar a gênese do capitalismo uma vez que negligenciam o papel
das mulheres neste processo; a crítica à genealogia foucaultiana da
Modernidade, uma vez que, ao dar centralidade ao caráter produtivo
do poder, deixa de lado a análise da repressão estatal como elemento
decisivo para o adestramento do comportamento das mulheres; por
fim, a pesquisa em torno do fenômeno histórico de caça às bruxas,
ocorrido na Europa entre os séculos XVI e XVII, ou seja, durante a
ascensão do capitalismo enquanto modo de produção preponderante
no Ocidente. Meu objetivo é realizar uma apresentação destes três
eixos, dando ênfase ao diálogo de Federeci com Foucault. Trata-se,
por um lado, de apresentar a posição da autora com relação à genealogia
da mulher no interior da ordem capitalista, a qual se constrói
principalmente em torno de uma discussão com o livro História da
Sexualidade I, e, por outro, de mostrar que as questões levantadas por
ela ganham maior envergadura se tomamos Vigiar e Punir enquanto
obra responsável pelo diálogo entre os dois autores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

31-01-2020

Como Citar

DE SOUZA RAMOS, S. . Mulheres e gênese do capitalismo: de Foucault a Federici. Princípios: Revista de Filosofia (UFRN), [S. l.], v. 27, n. 52, p. 199–212, 2020. DOI: 10.21680/1983-2109.2020v27n52ID19783. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/principios/article/view/19783. Acesso em: 13 jun. 2024.