Deleuze, Benjamin

Imanências

Palavras-chave: Gilles Deleuze, Walter Benjamin, Imanência

Resumo

Esse ensaio procurará aproximar o pensamento de Gilles Deleuze e Walter Benjamin, autores comumente articulados em distintas correntes filosóficas. Para tanto, procuraremos pensar o modo como Deleuze apresenta uma crença imanente nesse mundo, plataforma de pensamento para uma outra tradição crítica – iniciada com Espinosa e continuada por Friedrich Nietzsche, Franz Kafka, Antonin Artaud e outros. Acreditando ser possível inserir Benjamin nessa outra tradição crítica, buscaremos apresentar algumas discussões benjaminianas acerca da revolução messiânica, um modo de revolução preocupado em produzir uma ideia de felicidade terrena. Ambas as discussões, defendemos, partilhariam de uma mesma aposta, uma aposta nas potências criadoras inatas aos homens, passíveis apenas de serem recuperadas quando abdicamos de qualquer perspectiva transcendente e adotamos uma perspectiva de pensamento dita imanente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARENDT, Hanna. Homens em Tempos Sombrios. Trad. Denise Bottman. São Paulo: Cia. Das Letras, 2008.

ARTAUD, Antonin. “O teatro da crueldade (Primeiro Manifesto)”. In: ARTAUD, Antonin. O Teatro e seu Duplo. Trad. Monica Stahel. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

BENJAMIN, Walter. “Fragmento Teológico-Político”. In: BENJAMIN, Walter. O Anjo da História. Trad. João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica editora, 2012. p. 22-23.

BENJAMIN, Walter. “Sobre o conceito de história”. In: BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas: magia e técnica, arte e política. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1994. p. 222-232.

BENJAMIN, Walter. “Sobre a linguagem em geral e sobre a linguagem do homem”. In: BENJAMIN, Walter. Escritos sobre mito e linguagem. Trad. Susaba Kampff Lage e Ernani Chaves. São Paulo: Duas Cidades/ Ed. 34, 2017. p. 49-74.

DELEUZE, Gilles. A Dobra: Leibniz e o barroco. Trad. Luiz B. Orlandi. Campinas: Papirus Editora, 2009.

DELEUZE, Gilles. Cinema 2: a imagem-tempo. Tradução de Eloisa de Araújo Ribeiro. São Paulo: Ed. 34, 2018.

DELEUZE, Gilles. Diferença e Repetição. Trad. Luiz B. Orlandi e Roberto Machado. São Paulo: Graal, 1988.

DELEUZE, Gilles. Espinosa et le problème de l’expression. Paris: PUF, 1968.

DELEUZE, Gilles. Nietzsche e a filosofia. Tradução: Edmundo Fernandes Dias e Ruth Jofflily Dias. Rio de Janeiro: Editora Rio, 1976.

DELEUZE, Gilles. “Para dar um fim no juízo”. In: DELEUZE, Gilles. Crítica e Clínica. Trad. Peter Pál Pelbart. São Paulo: Ed. 34, 2007. p. 143-153.

DELEUZE, Gilles; PARNET, Claire. Diálogos. Trad. José Gabriel Cunha. Lisboa: Relógio D’Água, 2004.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é a Filosofia? Trad. Bento Prado Jr. e Alberto Alonso Muñoz. São Paulo: Editora 34, 1992.

DERRIDA, Jacques. “Terei de errar só”. Cadernos de Subjetividade, PUC-SP, v. 1, n. 1, 2015 (reimpressão). p. 219-222.

DESCOMBES, Vincent. Lo Mismo y Lo Otro: cuarenta y cinco años de filosofía francesa (1933-1978). Madrid: Catedra, 1998.

DOSSE, François. Gilles Deleuze & Félix Guattari: biografia cruzada. Trad. Fátima Murad. Porto Alegre: Artmed, 2010.

ERIBON, Didier. “Meu próximo livro vai chamar-se ‘Grandezas de Marx’: entrevista com Deleuze”. Cadernos de Subjetividade, PUC-SP, v. 1, n. 1, 1993. p.27-31.

ESPINOSA. Ética. Trad. Tomaz Tadeu. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2010.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Walter Benjamin: os cacos da história. Trad. Sônia Salzstein. São Paulo: N-1 Edições, 2018.

GAGNEBIN, Jeanne-Marie. “Teologia e Messianismo no pensamento de W. Benjamin”. In: Estudos Avançados, São Paulo, v.13, n. 37, p. 191-206, Dec. 1999.

GUZMAN, Maria José. Walter Benjamin e Gilles Deleuze: duas leituras filosóficas de Proust. Tese de Doutorado. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2013.

HABERMAS, Jürgen. O Discurso Filosófico da Modernidade. Trad. Luiz Repa e Rodnei Nascimento. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

JAY, Martin. A Imaginação Dialética: história da Escola de Frankfurt e do Instituto de Pesquisa Social (1923-1950). Trad. Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Contraponto editora, 2008.

KOESTLER, Arthur. Memorias. Madrid: Lumen, 2010.

LÖWY, Michael. “A filosofia da história de Walter Benjamin”. In: Estudos Avançados, São Paulo, v. 16, n. 45, p. 199-206, Aug. 2002.

LÖWY, Michael. Walter Benjamin: aviso de incêndio – uma leitura das teses “Sobre o conceito de história”. Trad. Wanda Nogueira Brat. São Paulo: Boitempo, 2005.

LYOTARD, Jean-François. La postmodernidad: explicada a los niños. Trad. Enrique Lynch. Madrid: Gedisa Editorial, 1993.

NIETZSCHE, Friedrich. O Anticristo e ditirambos de Dionísio. Trad. Paulo Cesar de Souza. São Paulo: Cia. das Letras, 2009.

SCHOLEM, Gershom. Walter Benjamin: the story of a friendship. Trad. Harry Zohn. New York: New York Review Books, 2003.

TESCHKE, Henning. “Deleuze, Benjamin: uma travessia em Kafka”. In: Remate De Males, v. 35, n. 1, p. 57-81. Jan-jun. 2005. https://doi.org/10.20396/remate.v35i1.8641506

XAVIER, Henrique Piccinato. “Dramas da imanência: Gebhardt, Deleuze, Benjamin e o infinito barroco”. In: Revista de Filosofia Moderna e Contemporânea, São Paulo, USP, v. 7, n. 2, p. 71-87, 17 nov. 2019.
Publicado
26-01-2021
Como Citar
RIBEIRO GUIMARÃES VINCI, C. F. Deleuze, Benjamin. Princípios: Revista de Filosofia (UFRN), v. 28, n. 55, p. 118-145, 26 jan. 2021.