A "pessoa" de Rudder Baker é realmente incorporada?

Autores

  • Jonas Gonçalves Coelho

Resumo

Alguns filósofos materialistas pensam, contra o dualismo de substância, que uma mente incorporada é apenas uma mente que depende de um corpo para existir, isto é, que a mente náo existe independentemente de um corpo. Tomarei como representativas deste ponto de vista muito limitado sobre incorporaçáo as idéias de Lynne Baker e sua Teoria da Constituiçáo de Propriedades. Baker diz que prefere enfrentar o problema da relaçáo pessoa e corpo em vez da relaçáo mente e corpo porque esta última formulaçáo implica a idéia de uma mente distinta e separada do corpo enquanto que a primeira está mais de acordo com sua concepçáo de uma mente incorporada e situada. O problema é que Baker esquece isso quando define pessoa em termos de perspectiva de primeira pessoa ou autoconsciência. Embora Baker diga que a autoconsciência depende de condições estruturais – um corpo – e ambientais – a situaçáo -, o que torna a pessoa humana autoconsciente uma entidade ontologicamente distinta do corpo que a constitui e de outros animais sáo suas realizações tais como arte, filosofia, ciência, moral, etc. Parece que, para Baker, a autoconsciência é náo apenas uma condiçáo necessária mas também uma condiçáo suficiente para aquelas realizações humanas, enquanto que o corpo desempenha apenas um papel indireto. Contra tais idéias nós podemos perguntar: as grandes realizações que distinguem pessoas humanas de outros animais seriam possíveis independentemente da constituiçáo biológica de nosso corpo e de suas necessidades?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

24-09-2010

Como Citar

COELHO, J. G. A "pessoa" de Rudder Baker é realmente incorporada?. Princípios: Revista de Filosofia (UFRN), [S. l.], v. 15, n. 23, p. 191–203, 2010. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/principios/article/view/460. Acesso em: 1 mar. 2024.