Trabalho alienado em Marx e novas configurações do trabalho

  • Ricardo Santos da Luz
  • Agemir Bavaresco

Resumo

 

Resumo: A teoria marxiana do trabalho alienado ocupa um papel de destaque na Filosofia política moderna. Seguindo a esteira de Hegel, Marx concebe o homem como sendo o produto de sua própria atividade, isto é, a autoproduçáo do homem pelo trabalho. Isso significa que o ser humano náo é um ser que nasce acabado, mas que se desenvolve como ser humano enquanto desenvolve as potencialidades que lhe sáo inerentes.

Imerso no estudo da sociedade capitalista, Marx percebe como nela se interdita esse postulado da autoproduçáo do homem pelo trabalho. Mas, se a realizaçáo da humanidade depende da genuína atividade produtiva, do exercício do trabalho, sem alienar-se em relaçáo ao seu produto, surge a necessidade de se criarem alternativas frente a esse modo de produçáo, no intuito de se assegurarem as condições de realizaçáo da humanidade do trabalhador. As condições para o exercício do trabalho náo-alienado seráo superadas, na medida em que se superar a propriedade privada e a divisáo social do trabalho. E na linha de pensamento de Marx, a tese de que o trabalho perdeu sua centralidade náo tem lugar. Vale dizer que, se tal tese fosse admitida, seriam suprimidas as condições de realizaçáo do ser humano, pois, para Marx, trabalho e o desenvolvimento das potencialidades humanas sáo indissociáveis. O que precisa ser superado é o trabalho alienado e náo o trabalho como tal.

 

Palavras-Chave:

Divisáo do Trabalho. Marx. Propriedade Privada. Trabalho Alienado

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
22-11-2010
Como Citar
LUZ, R. S. DA; BAVARESCO, A. Trabalho alienado em Marx e novas configurações do trabalho. Princípios: Revista de Filosofia (UFRN), v. 17, n. 27, p. 137-165, 22 nov. 2010.