Pergunta Nietzsche: o que há de poético no discurso da Filosofia? [Nietzsche asks: what's poetic in the discourse of Philosophy]

  • Fernanda Machado Bulhões Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Palavras-chave: Linguagem, Imaginação, Arte, Conceito.

Resumo

A Filosofia é um tipo de saber exclusivamente discursivo. Seguindo rigidamente as regras da Lógica, os argumentos e teorias vão se constituindo a partir de conceitos abstratos. Porém, afirma Nietzsche, os conceitos surgem de imagens e estas de impressões sensíveis. Por isso devemos perguntar: o que há de poético no pensar-escrever filosófico? “O que é arte na filosofia”? Devemos também voltar aos filósofos da época trágica dos gregos e aprender com eles o valor estético da Filosofia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Machado Bulhões, Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Doutora em Filosofia. Professora no Departamento de Filosofia da UFRN.

Referências

BULHÕES, Fernanda. Sócrates: o abismo mais profundo e a mais alta elevação. In: FEITOSA, Charles; BARRENECHEA, Miguel-Angel. (Org.). Assim Falou Nietzsche III: para uma filosofia do futuro. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2001. p. 229-235.

BULHÕES, Fernanda. Como diria Nietzsche: pensar é (antes de tudo) uma atividade criativa. Princípios. Natal, v. 14, n. 22, jul.-dez. 2007, p. 253-260.

BULHÕES, Fernanda. Críticas e elogios de Nietzsche a Sócrates. In: CONTE, Jaimir. (Org). O que é metafísica? Atas do III Colóquio Internacional de Metafísica. Natal: EDUFRN, 2011. p. 91-100.

BULHÕES, Fernanda. Pré-platônicos ou pré-socráticos? Revista Trágica: Estudos sobre Nietzsche. Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, jan.-jun. 2013a, p. 28-38.

BULHÕES, Fernanda. Nietzsche e o nascimento da filosofia grega. Princípios. Natal, v. 20, n. 33, jan.-jun. 2013b, p. 391-410.

CONFORD, F. M. Principium Sapientiæ: as origens do pensamento filosófico grego. Lisboa: C. Gulbenkian, 1989.

DETIENNE, Marcel. Os Mestres da Verdade na Grécia Arcaica. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1988.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. 8. ed. São Paulo: M. Fontes, 1999.

NIETZSCHE, Friedrich. Introdução teorética sobre verdade e mentira no sentido extra-moral (Verão de 1873). Trad. Rubens Rodrigues Torres Filho. In: NIETZSCHE, Friedrich. Obras incompletas. São Paulo: Abril Cultural, 1983. (Coleção Os Pensadores). p. 43-52.

NIETZSCHE, Friedrich. A filosofia na época trágica dos gregos. Trad. Rubens Rodrigues Torres Filho. In: PRÉ-SOCRÁTICOS. Fragmentos, doxografia e comentários. São Paulo: Abril Cultural, 1985. (Coleção Os Pensadores).

NIETZSCHE, Friedrich. O nascimento da tragédia (1871). Trad. J. Guinsburg. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

NIETZSCHE, Friedrich. Les philosophes préplatoniciens. Apresentação e notas Paolo D’Iorio. Trad. Nathalie Fernand. Paris: Léclat, 1994.

NIETZSCHE, Friedrich. Sobre o páthos da verdade (1872). Trad. Pedro Süssekind. In: NIETZSCHE, Friedrich. Cinco prefácios para cinco livros não escritos. Rio de Janeiro: 7 Letras, 1996. p. 23-33.

NIETZSCHE, Friedrich. O último filósofo: considerações sobre o conflito entre arte e conhecimento. Trad. Rubens Eduardo Ferreira Frias. In: NIETZSCHE, Friedrich. O livro do filósofo. São Paulo: Centauro, 2001a. p. 1-55.

NIETZSCHE, Friedrich. O filósofo como médico da civilização. Trad. Rubens Eduardo Ferreira Frias. In: NIETZSCHE, Friedrich. O livro do filósofo. São Paulo: Centauro, 2001b. p. 56-63.

NIETZSCHE, Friedrich. A ciência e a sabedoria em conflito. Trad. Rubens Eduardo Ferreira Frias. In: NIETZSCHE, Friedrich. O livro do filósofo. São Paulo: Centauro, 2001c. p. 85-98.

PLATÃO. Fedro. Trad. Carlos Alberto Nunes. Belém: UFPA, 1980.

SHOPENHAUER, Arthur. O mundo como vontade e como representação. Tradução, apresentação, notas e índices de Jair Barboza. São Paulo: UNESP, 2005.

TORRANO, Jaa. Hesíodo. São Paulo: Roswitha Kempf, 1984.

Publicado
16-12-2016
Como Citar
BULHÕES, F. M. Pergunta Nietzsche: o que há de poético no discurso da Filosofia? [Nietzsche asks: what’s poetic in the discourse of Philosophy]. Princípios: Revista de Filosofia (UFRN), v. 23, n. 42, p. 9-29, 16 dez. 2016.