O Diagrama de Ishikawa no processo de arquivamento na gestão pública

  • Cláudio Roberto de Medeiros Santos Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Max Leandro de Araújo Brito Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Mabel Simone de Araújo Bezerra Guardia Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Gessica Fabiely Fonseca Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Maria Valéria Pereira de Araújo Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Palavras-chave: Arquivamento, Município, Qualidade, Informação.

Resumo

A capacidade de atender padrões de qualidade no processo de arquivamento é uma base para a sobrevivência em um ambiente globalizado e de acesso a informação. Para tanto, o presente estudo tem por objetivo detectar falhas no tempo de arquivamento e na procura por documentos no arquivo público de uma prefeitura municipal através do diagrama de Ishikawa. A metodologia utilizada foi qualitativa, consistindo em um estudo de caso com a utilização de duas técnicas de coletas, a observação e a aplicação de entrevista semiestruturada. O estudo revelou que diversos fatores elevam o tempo de arquivamento e a procura por documentos, sendo necessárias algumas medidas para a melhoria da qualidade no setor, como a digitalização e eliminação de alguns documentos que perderam sua vida útil, a capacitação de colaboradores, otimização do espaço físico de trabalho, estímulo da inter-relação entre os setores, atualização dos métodos de busca, manutenção e aquisição de equipamentos e obediência ao limite estabelecido para o arquivamento em caixas. Por fim, o estudo conclui que as falhas no tempo de arquivamento e na procura por documentos no arquivo público apontados através do diagrama de Ishikawa, envolvem aspectos relacionados ao fator humano, maquinário, infraestrutura e métodos adotados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAUJO, I. K. ; BRITO, M. L. A.; JESUS, A. C. S. Tempos de crise na administração pública: percepção dos gestores do município de Cruzeta/RN. Humanidades & Inovação, v. 7, p. 290-299, 2020.

ARAÚJO, M. I. B. G.; BRITO, M. L. A.; WEBER, T. H. G. Licitações públicas: um estudo de caso no município de Acari/RN. Revista de Casos e Consultoria, v. 10, n. 1, p. e1014, 13 ago. 2019.

ARAÚJO, Rafael Melo Gomes de. A gestão da informação arquivística em ambientes públicos e sua adaptação à lei 12.527/2011: um olhar sobre os arquivos das atividades meios e fins dos hospitais públicos municipais de João Pessoa (Arquivologia). João Pessoa, 2012.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BERNARDES, Ieda Pimenta; DELLATORRE, Hilda. Gestão Documental Aplicada. In:______. São Paulo: Arquivo Público do Estado. Sistema de Arquivos do Estado de São Paulo, 2008.

BRASIL. Ministério da Fazenda. Secretaria Executiva. Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração. Coordenação-Geral de Recursos Logísticos. Recomendações para construção e adaptação de Arquivos. Brasília, 2014. 38 p.

BRITO, F. R. de .; BRITO, M. L. de A. . Impacto do ciclo PDCA no processo de atendimento aos clientes em empresa de aviamentos. E-Acadêmica, v. 1, n. 3, p. e10, 2020.

CAMPOS, V. F.. Gerenciamento da rotina do trabalho do dia-a-dia. Minas Gerais: INDG Tecnologia e Serviços Ltda., 2013.

CAMPOS, Vicente Falconi. TQC: Controle da Qualidade Total (no estilo japonês). Nova Lima: INDG Tecnologia e Serviços Ltda, 2014.

CERVO, Amado L., BERVIAN, Pedro A. Metodologia Científica. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2006, p. 46.

CHAVES, Andréa Bittencourt Pires. Da Planta taylorista/fordista ao capitalismo de plataforma: as engrenagens da exploração do trabalho. Research, Society and Development, Itabira, v. 9, n. 6, p. e01963473, abr. 2020.

COSTA, G. H. Apostila do curso de formação de Green Belt-6 sigma. RL & Associados. 2012.

FONSECA, Maria Odila. Arquivologia e Ciência da Informação: (re)construção de marcos interdisciplinares. 2004. Tese (Doutorado em Ciência da Informação). Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia; Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2004.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2010.

GODOY, M. H. C. Brainstorming. Belo Horizonte: Editora de Desenvolvimento Gerencial, 2001.

GONÇALVES, Dirlei Maria Kafer. Manual de gestão documental. Santa Catarina. 2010.

GONÇALVES, Janice. Como classificar e ordenar documentos de arquivo. São Paulo: Arquivo do Estado, 1998..

ISHIKAWA, K. Controle de qualidade total: à maneira japonesa. Rio de Janeiro: Campos, 1993.

MARCONI, M. de A. LAKATOS, E. M. Metodologia Científica. São Paulo: Atlas, 2011.

MICHEL, Maria Helena. Metodologia e pesquisa científica em Ciências Sociais: um guia prático para acompanhamento da disciplina e elaboração de trabalhos monográficos. São Paulo: Atlas, 2009.

MORENO, Nadina Aparecida. Gestão Documental ou Gestão de documentos: trajetória histórica. In: BARTALO, Linete; MORENO, Nadina Aparecida (Org.). Gestão em Arquivologia: abordagens múltiplas. Londrina: EDULEL, 2008.

MOURA, L. R. Qualidade simplesmente Total. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2003.

PAES, Marilena Leite. Arquivo: teoria e prática. 3. ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.

PALADINI, Edson Pacheco. Gestão da qualidade: teoria e prática. São Paulo: Atlas, 2019.

PIERETTI, Rafael Follmann et al. Análise de indicadores de desempenho individual aplicado a manutenção industrial. Research, Society and Development, Itabira, v. 9, n. 6, p. e129963660, abr. 2020.

REZIN, Gabriela. A importância da comunicação interna para o sucesso de um empreendimento: estudo de caso aplicado em uma empresa de factoring. Universidade do Extremo Sul Catarinense. Criciúma, 2010.

RONCAGLIO, Cynthia; SZVARÇA, Décio Roberto; BOJANOSKI, Silvana de Fátima. Arquivos, gestão de documentos e informação. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, Florianópolis, p. 1-13, jan. 2004.

SANTOS, V.B. Gestão de documentos eletrônicos: uma visão arquivística. Brasília: ABARQ, 2002

SCHELLENBERG, Theodore R. Arquivos modernos: princípios e técnicas. 5. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2005.

SILVA, Reinaldo Oliveira da. Teorias da administração. São Paulo: Pearson, 2013.

SLACK,N; et al. Administração da Produção. São Paulo: Atlas, 2009.

SOARES, J. D.; BRITO, M. L. A. Análise do processo produtivo: a realidade de um abatedouro municipal. Revista de Casos e Consultoria, v. 10, n. 1, p. e10118, 20 dez. 2019.

TRIOLLA, Mario. Introdução a estatística. Rio de Janeiro: LTC, 10ª Edição, 2008.

TUBINO, D. F. Manual de planejamento e controle da produção. São Paulo: Atlas, 2000.

VILELA, Claudiana Nogueira et al. Como a gestão da qualidade pode contribuir para a redução da não conformidade em indústrias moveleiras de Carmo Do Cajuru, MG. Research, Society and Development, Itabira, v. 9, n. 1, p. e100911674, jan. 2020.

WERKEMA, M.C.C. Ferramentas estatísticas básicas para o gerenciamento de processos. Belo Horizonte: Fundação Cristiano Ottoni, 2006.
Publicado
07-12-2020
Como Citar
SANTOS , C. R. DE M.; BRITO , M. L. DE A.; GUARDIA , M. S. DE A. B.; FONSECA , G. F.; ARAÚJO , M. V. P. DE. O Diagrama de Ishikawa no processo de arquivamento na gestão pública . Revista de Ensino, Pesquisa e Extensão em Gestão, v. 3, n. 1, p. e31, 7 dez. 2020.
Edição
Seção
Artigos