CONHECIMENTO, ANÁLISE E CRÍTICA DE ARQUITETURA

APORTES DE GASTON BACHELARD E MARTIN HEIDEGGER

Autores

  • Helio Herbst Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro / Instituto de Tecnologia / Departamento de Arquitetura e Urbanismo

DOI:

https://doi.org/10.21680/2448-296X.2016v1n3ID18841

Palavras-chave:

Análise da forma;, crítica de arquitetura; fenomenologia

Resumo

O presente artigo visa equacionar um determinado processo de construção de conhecimento em arquitetura – a análise da forma,
partindo-se da premissa que a decomposição de uma edificação em partes, ou aspectos, não é capaz de desvendar a essência do
projeto arquitetônico, nem tampouco restituir sua ambiência. Ainda que nesse processo de investigação se considere as reflexões
produzidas sobre uma obra icônica, a exemplo da Casa das Canoas, o contato com as proposições de Gaston Bachelard e Martin
Heidegger apresenta-se como relevante possibilidade para: 1) colocar em xeque os pressupostos metodológicos utilizados pela análise
morfológica; 2) apreender os significados sobre a obra expressos pela crítica na década de 1950; 3) enunciar as intenções projetuais
desta realização de Oscar Niemeyer valendo-se das contribuições de Bachelard e Heidegger.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Helio Herbst, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro / Instituto de Tecnologia / Departamento de Arquitetura e Urbanismo

Arquiteto e Urbanista (1990), Especialista (1996), Mestre (2002) e Doutor (2007) pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. Ao longo da pós-graduação integra o Grupo de Pesquisas Museu e Patrimônio, sediado na FAU/USP, e nas etapas de especialização e mestrado, recebe bolsas concedidas pelo CNPq e pela FAPESP. Desde 2009 leciona no Curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro e coordena o GERAR - Grupo de Pesquisas em Expressão, Representação e Análise da Forma em Arquitetura e Urbanismo, no qual desenvolve estudos sobre habitação moderna no Rio de Janeiro, com apoio institucional do CNPq, da FAPERJ e do Instituto Moreira Salles. Participa com regularidade de diversos fóruns científicos e assina algumas publicações, entre as quais se inscrevem os livros "Pelos salões das bienais, a arquitetura ausente dos manuais: contribuições para a historiografia brasileira (1951-1959)", em que discute o papel desempenhado pelas bienais de arte paulistanas para a construção de uma dada narrativa sobre a arquitetura moderna brasileira, e "Dez anos de arquitetura na Rural: percursos e perspectivas do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro", no qual documenta o cotidiano do único curso federal de Arquitetura e Urbanismo oferecido fora do município-sede de uma região metropolitana brasileira.

Referências

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço (coleção: Os pensadores). São Paulo: Abril Cultural, 1978. [1957]

BAKER, Geoffrey. Le Corbusier: uma análise da forma. São Paulo: Martins Fontes, 1998. [1984]

BERREDO, Hilton. A forma arquitetônica como um problema hermenêutico: estudos de caso de ensino de projeto. Tese de Doutorado.

Rio de Janeiro: FAU/UFRJ, 2012.

BILL, Max. O arquiteto, a arquitetura, a sociedade. Habitat n. 14, pp. 26-7, jan./fev. 1954.

BILL, Max. Sem título. Architectural Review n. 694, pp. 238-239, out. 1954. [especial Report on Brazil]

BOLLAS, Christopher. A arquitetura e o inconsciente. Revista latino-americana de psicopatologia fundamental, vol. III, n. 1, pp.

-46, mar. 2000.

CÍCERO, Antonio. Guardar: poemas escolhidos. Rio de Janeiro: Record, 1996,

CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Lisboa: DIFEL, 1990.

CHING, Francis. Arquitetura, forma, espaço e ordem. São Paulo: Martins Fontes, 1999. [1975]

CORONA, Eduardo. O testamento tripartido de Max Bill. AD Arquitetura e Decoração n. 4, s/p., mar./abr. 1954.

COSTA, Lucio. Oportunidade perdida. Arquitetura e Engenharia n.24, p. 20, 1953.

FUÃO, Fernando. Uma releitura de Construir, habitar, pensar (Bauen, wohnen, denken) de Martin Heidegger. 13 jan. 2015. Disponível em

<http://fernandofuao.blogspot.com.br/2015/01/construirmorar-pensar-umareleitura-de.html> Acesso em nov./ 2016

GROPIUS, Walter. Sem título. Architectural Review n. 694, pp. 236-237, out. 1954 [especial Report on Brazil]

HEIDEGGER, Martin. Construir, habitar, pensar. In: Ensaios e conferências 8a ed. Petrópolis: Vozes; Bragança Paulista: Editora Universitária

São Francisco, 2012. [1954]

HERBST, Hélio. Pelos salões das bienais, a arquitetura ausente dos manuais: contribuições para a historiografia (1951-1959). São Paulo:

Annablume: FAPESP, 2011.

HITCHCOCK, Henry Russel. Latin American architecture since 1945. New York: MoMA, 1955.

JAUSS, Hans Robert. A história da literatura como crítica à tradição literária. São Paulo: Ática, 1994.

KANT, Immanuel. Crítica da razão pura. Petrópolis: Vozes: Bragança Paulista: EDUSF, 2012.

MINDLIN, Henrique Ephin. Modern architecture in Brazil. Amsterdam: Rio de Janeiro: Colibris, 1956.

NIEMEYER, Oscar Criticada a arquitetura brasileira. Rica demais – dizem. Módulo n. 1. p. 47, 1955.

NORBERG-SCHULZ, Christian. O pensamento de Heidegger sobre arquitetura. In: NESBITT, Kate (org.). Uma nova agenda para a

arquitetura: antologia teórica (1965-1995). São Paulo: Cosac Naify, 2006, pp. 462-474.

PALLASMAA, Juhani. A geometria do sentimento: sobre a fenomenologia da arquitetura. In: NESBITT, Kate (org.). Uma nova agenda para

a arquitetura: antologia teórica (1965-1995). São Paulo: Cosac Naify, 2006, pp. 482-489.

ROGERS, Ernesto Nathan. Sem título. Architectural Review n. 694, pp. 239-234, out. 1954 [especial Report on Brazil]

SANCHES, Aline Coelho. Ernesto Nathan Rogers e a polêmica da arquitetura brasileira. Risco n. 16, pp. 88-108, 2012.

SHARR, Adam. Heidegger’s hut. Cambridge: MIT Press, 2006.

SOARES, Larissa de Aguiar Barbosa. Obras de arte paisagísticas à luz da filosofia de Heidegger. Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2012

(dissertação de mestrado)

XAVIER, Alberto (org.). Depoimento de uma geração: arquitetura moderna brasileira. São Paulo: Cosac Naify, 2003.

ZEVI, Bruno. Saber ver a arquitetura 5a ed. São Paulo: Martins Fontes, 1996. [1948]

Downloads

Publicado

23-09-2019

Como Citar

HERBST, H. CONHECIMENTO, ANÁLISE E CRÍTICA DE ARQUITETURA : APORTES DE GASTON BACHELARD E MARTIN HEIDEGGER. Revista Projetar - Projeto e Percepção do Ambiente, [S. l.], v. 1, n. 3, p. 61–75, 2019. DOI: 10.21680/2448-296X.2016v1n3ID18841. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/revprojetar/article/view/18841. Acesso em: 13 ago. 2022.

Edição

Seção

TEORIA E CONCEITO