RESIDÊNCIAS ESTUDANTIS UNIVERSITÁRIAS

ANÁLISE ERGONÔMICA DE DORMIT´ÓRIOS

Autores

  • Vilma Villarouco Universidade Federal do Ceará
  • Zilsa Pinto Santiago Universidade Federal do Ceará
  • Thanara Pereira e Silva Universidade Federal do Ceará
  • Adrielly Alves de Almeida Universidade Federal do Ceará
  • Helaine Lima Câmara Universidade Federal do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.21680/2448-296X.2021v6n2ID21905

Palavras-chave:

ergonomia do ambiente construído; modelos antropométricos; residência estudantil universitária.

Resumo

A inesperada situação de pandemia do Coronavirus tem mudado hábitos, pois a vida urbana foi substituída pelo dia-a-dia na residência, levando a população ao confinamento e à convivência com situações improvisadas para o desenvolvimento de diversas tarefas no ambiente familiar. Para além desse contexto, a literatura aponta inadequações da habitação para populações de baixa renda, geralmente em relação a questões do design de ambientes, como reflexo do dimensionamento reduzido. Com a pandemia tais questões migraram das habitações de interesse social e se instalam nos apartamentos de classe média, colocando em lados opostos os argumentos dos pesquisadores/especialistas frente ao poder do mercado imobiliário (que busca aproveitamento máximo de cada metro quadrado dos empreendimentos). Tratando de uma forma diferenciada de habitar, este artigo objetiva analisar residências universitárias sob a ótica da ergonomia aplicada aos ambientes, tendo recortado os dormitórios para o estudo das características do seu design quanto às dimensões, layout e usabilidade. O texto elenca aspectos positivos e negativos desses espaços, num momento em que se destaca a necessidade de reduzir o contato físico entre as pessoas. O trabalho aborda o problema de forma qualitativa, adotando o estudo multicasos definido a partir de uma amostra intencional, conforme o interesse da pesquisa. Ao final constata-se a restrição e inadequação na maioria dos espaços dos dormitórios estudantis analisados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vilma Villarouco, Universidade Federal do Ceará

Graduada em Arquitetura em Urbanismo, doutora e mestre em Engenharia de Produção com Estágio Pós Doutoural em Engenharia e Gestão do Conhecimento. Docente dos programas de pós graduação: Arquitetura e Urbanismo+Design-UFC (PPGAUD). Design-UFPE (PPGDesign); Ergonomia-UFPE (PPErgo); Professora visitante no DAUD-UFC; Líder do Grupo de Pesquisa em Ergonomia Aplicada ao Ambiente Construído - UFPE/CNPq. Pesquisadora na área de ergonomia aplicada a ambientes, acessibilidade e neuroergonomia. Bolsista de Produtividade PQ-2 do CNPq.

Zilsa Pinto Santiago, Universidade Federal do Ceará

Professora Associada do Departamento de Arquitetura Urbanismo e Design da UFC. Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura Urbanismo + Design/UFC. Membro do Grupo de Pesquisa em Ergonomia Aplicada ao Ambiente Construído/UFPE. Mestre em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo. Doutora em Educação pela Faculdade de Educação/UFC. Conselheira no Conselho de Arquitetura e Urbanismo/CE

Thanara Pereira e Silva, Universidade Federal do Ceará

Estudante de Arquitetura e Urbanismo - DAUD/UFC. Bolsista ICT Funcap no projeto "Casas Universitárias para Estudantes sob o foco da Ergonomia: estudo no Campus Benfica" do PIBIC 2019/20. Assistente Social graduada (2012) pela Universidade Estadual do Ceará e Pós-Graduanda em Saúde Mental.

Adrielly Alves de Almeida, Universidade Federal do Ceará

Graduanda em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal do Ceará - UFC. Ex-colaboradora do Laboratório de Crítica em Arquitetura, Urbanismo e Urbanização (LoCAU). Atualmente, bolsista ICT Funcap no projeto "Casas Universitárias para Estudantes sob o foco da Ergonomia: estudo no Campus Benfica.

Helaine Lima Câmara, Universidade Federal do Ceará

Estudante de Arquitetura e Urbanismo - DAUD/UFC. Voluntaria no projeto "Casas Universitárias para Estudantes sob o foco da Ergonomia: estudo no Campus Benfica". Graduada em Letras-Espanhol pela Universidade Federal do Ceará.

Referências

BINS Ely, V. Ergonomia + Arquitetura: buscando um melhor desempenho do ambiente físico. In: Anais do 3º. Ergodesign – 3º. Congresso Internacional de Ergonomia e Usabilidade de interfaces humano-tecnologia: Produtos, programa, informação, ambiente construído. Rio de Janeiro. LEUI/PUC – Rio, 2003.

BOUERI FILHO, J. J. Projeto e dimensionamento dos espaços da habitação: espaços de atividades. E-book- Livro II. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2008.

DELABRIDA, Z. N. C. Variáveis Individuais, Sociais e do Ambiente Físico em Residências Universitárias. Psico, v. 45, n. 3, p. e10-e20, 29 out. 2014. Porto Alegre, PUCRS, v. 45, n. 3, pp. e10-e20, jul.-set. 2014

ELALI, G. A. Psicologia e Arquitetura: em busca do lócus interdisciplinar. In: Psicologia Ambiental: Estudos de Psicologia, v. 2, n. 2, p. 349-362, 1997.

FISCHER, Gustave Nicolas. Psychologie des espaces de travail. Paris: Armand. Colin, 1989.

FRUIN, John J. Pedestrian – Planning and Design. In: Metro Asso Urban Designers & Envir Planers, 1971.

GARRIDO, Edleusa Nery; MERCURI, Elizabeth Nogueira Gomes da Silva. A moradia estudantil universitária como tema na produção científica nacional. In: Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, São Paulo, v. 17, n. 1, p. 87-95, jan./jun. 2013. Disponível em https://www.scielo.br/pdf/pee/v17n1/a09v17n1.pdf.

GIL, Antônio Carlos. Estudo de caso. São Paulo: Editora Atlas, 2009.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 3a . ed. São Paulo: Altas. 1991.

MARTINS, Natalia de Oliveira. Moradia estudantil. TCC em Arquitetura e Urbanismo - DACOC, Universidade Tecnológica Federal do Paraná. Curitiba, 2014.

OLIVEIRA R. G., MONT’ALVÃO C. e RANGEL M. Uma Visão Crítica Sobre As Metodologias Utilizadas nas Pesquisas de Ergonomia do Ambiente Construído – A Constelação de Atributos. In: Congresso Internacional de Ergonomia e Usabilidades de Interfaces Humano – Tecnologia: Produto, informações, ambiente construído e transporte – ERGODESIGN. Juiz de Fora – MG. UFJF. 2013

OLIVEIRA, Roseline V. Santos, GUDINA, Andrej A. Barbosa. Fique em casa e lave suas mãos - Notas sobre a cidade do não-circular. In: Vitruvius, Arquitextos. Publicado em abril de 2020. Disponível em https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/20.239/7701. Acessado em 22 de junho de 2020.

PANERO, J., ZELNIK, M. Dimensionamento Humano para Espaços Interiores. Gustavo Gili, Barcelona, 2013.

PARSON, Ken. The environmental ergonomics survey. In: Wilson, John R (edited by). Evaluation of human work. 3ª ed. Florida: Taylor & Francis Group, 2005.

SCOARIS, Rafael O. O projeto de arquitetura para moradias universitárias: contributos para verificação da qualidade espacial. Dissertação. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2012.

SILVA, Natália Batista da. Sistema Modulado e Flexível : O Campus do Pici da Universidade Federal do Ceará. Dissertação. Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo e Design. Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2019.

SOMMER, Robert, Espaço Pessoal. São Paulo: EPU, 1973.

VILLAROUCO, Vilma. Avaliação Ergonômica do projeto arquitetônico. In: Anais do XII Congresso Brasileiro de Ergonomia VI Congresso Latino-Americano de Ergonomia e I Seminário Brasileiro de Acessibilidade Integral. Recife, 2002.

YIN, Robert K. Estudo de Caso: planejamento e métodos. 1°ed, Bookman Companhia Ed, 2015.

Downloads

Publicado

12-05-2021

Como Citar

VILLAROUCO, V.; PINTO SANTIAGO, Z.; PEREIRA E SILVA, T.; ALVES DE ALMEIDA, A.; LIMA CÂMARA, H. RESIDÊNCIAS ESTUDANTIS UNIVERSITÁRIAS: ANÁLISE ERGONÔMICA DE DORMIT´ÓRIOS. Revista Projetar - Projeto e Percepção do Ambiente, [S. l.], v. 6, n. 2, p. 76–89, 2021. DOI: 10.21680/2448-296X.2021v6n2ID21905. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/revprojetar/article/view/21905. Acesso em: 30 jun. 2022.