Boas Práticas da Conservação em Olinda-PE

um destino possível?

  • Juliana Barreto Universidade de Lisboa
  • Vera Milet UFPE
Palavras-chave: conservação, sítio histórico de Olinda, boas práticas, projetos de intervenção, gestão

Resumo

O objetivo do presente artigo é compreender a relação entre o Manual “Conservar Olinda: boas práticas no casario”, publicado em 2010, pelo Centro de Estudos Avançados da Conservação Integrada (CECI), e a preservação do acervo tombado de Olinda, a partir da discussão dos procedimentos teórico-metodológicos de intervenções em sítios históricos, no primeiro decênio de sua existência. Com o propósito de orientar proprietários e usuários de imóveis situados no perímetro de proteção cultural de Olinda, a fim de contribuir na minimização de obras irregulares e dos impactos das descaracterizações físicas no casario, entende-se que a aplicabilidade do Manual ainda não resultou efetiva à intimidação desse cenário de risco — ainda que fundamentado em arcabouço teórico especializado e nas legislações de proteção em vigor. Se por um lado, a rarefeita compreensão de seu conteúdo por parte da população residente pode ser das eventuais causas, por outro, podemos citar conflitos que envolvem a estrutura de gestão da conservação de Olinda, tais como a limitada capacidade de efetivar o controle urbano do extenso perímetro tombado e a necessidade de estudos para a introdução de novas tecnologias e de condicionantes ambientais no casario preexistente. Das contribuições ofertadas pelo material, estão a identificação dos valores patrimoniais de longa duração do sítio histórico e a classificação tipológica do casario antigo, cujas referências são aproveitadas pela comunidade acadêmica, na exploração em pesquisas e reflexões teóricas de intervenções, do curso de Arquitetura e Urbanismo

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vera Milet, UFPE

Vera Milet Pinheiro é professora aposentada do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da UFPE, fundadora do Centro de Estudos Avançados da Conservação Integrada (CECI), tendo sido Presidente do Conselho de Preservação dos Sítios Históricos de Olinda, na gestão de 2017 a 2019, e com vários trabalhos publicados na área da preservação cultural.

Referências

AGUIAR, José, PERNÃO, João, FERREIRA, Teresa Cunha. Preservação do Patrimônio. In: JÚLIO, Eduardo Santos. Guia FNRE: Fundo Nacional de Reabilitação do Edificado. Lisboa: Fundiestamo, 2020.

ARAÚJO, George Antônio Cunha. Aluga-se para Carnaval: Funcionamento do mercado imobiliário sazonal no Sítio Histórico de Olinda. Dissertação de mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Urbano da Universidade Federal de Pernambuco. Recife: UFPE, 2017.

BARRETO, Juliana Cunha. De Montmartre nordestina a mercado persa de luxo: o Sítio Histórico de Olinda e a participação dos moradores na salvaguarda do patrimônio cultural. Recife: Editora UFPE, 2009.

BARRETO, Juliana, LIRA, Flaviana. Pesquisa Histórica como Aporte Metodológico na Atualização da Legislação de Proteção Federal do Sítio Histórico de Olinda – PE. Textos para Discussão. Olinda: CECI, 2009.

BARRETO, Juliana Cunha, MILET, Vera. Conservar: Olinda Boas Práticas no Casario. Olinda: CECI, 2010.

BARRETO, Juliana, MILET, Vera, PICCOLO, Rosane. Intervenção Arquitetônica no casario de sítios históricos: uma proposta metodológica. Anais do V Seminário Projetar. Rio Grande do Norte, 2011.

CISNEIROS, Adriano. Avaliação do Sistema de Preservação do Patrimônio Histórico de Olinda (Prefeitura Municipal de Olinda). Recife: Tribunal de Contas de Pernambuco, 2012.

CORREIA, Fernando. Avaliação do Sistema de Preservação do Sítio Histórico de Olinda (Prefeitura Municipal de Olinda). Recife: Tribunal de Contas de Pernambuco, 2006.

FEILDEN, Bernard M. & JOKILETHO, Jukka. Manual para el Manejo de los Sitios del Patrimonio Mundial Cultural. Espanha: UNESCO, 1998.

GUSMÃO FILHO, Jaime, JUCÁ, José Fernando, SILVA, José Maria. Mecanismos dos movimentos dos morros de Olinda. Anais do VIII Congresso Brasileiro de Mecânica dos solos e engenharia de fundações. Porto Alegre, 1986.

HIDAKA, Lúcia. Indicador de Avaliação do estado de conservação sustentável de cidades – Patrimônio Cultural da Humanidade: teoria, metodologia e aplicação. Tese de Deoutorado. Recife: UFPE, 2011.

JOHNS, Rob. Likert items and scales. Survey Question Bank: methods fact sheet 1, 2010.

LAPA, Tomás, ZANCHETI, Sílvio Mendes. Conservação Integrada Urbana e Territorial. In: ZANCHETI, Sílvio Mendes (Org.) Gestão do Patrimônio Cultural Integrado. Recife: Editora Universitária UFPE, 2002.

LEMOS, Carlos. O que é patrimônio histórico. Editora e Livraria Brasiliense: São Paulo, 1981.

LIRA, Flaviana B. Patrimônio cultural e autenticidade: montagem de um sistema de indicadores para o monitoramento. Recife: Editoria Universitária UFPE, 2010.

________. Desafios contemporâneos da significância cultural, integridade e autenticidade do patrimônio cultural: teoria e prática. Oculum Ensaios, v. 17, e204365, 2020.

MILET, Vera. A Experiência de gestão e proteção ao sítio histórico de Olinda. In: ZANCHETI, Silvio, MILET, Vera & MARINHO, Geraldo (Orgs.) Estratégias de intervenção em áreas históricas – Revalorização de Áreas Urbanas Centrais. Recife: Mestrado em Desenvolvimento Urbano – MDU/UFPE, 1995. Pp. 66 – 72.

MOREIRA, André Renato Pina. Estudos das transformações dos Espaços de Habitação do Sítio Histórico de Olinda. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Urbano (MDU/UFPE). Recife: UFPE, 2006.

PEREIRA JUNIOR, Clodomir Barros. A conservação da cobertura vegetal como componente do patrimônio cultural em centros históricos urbanos. Estudo de Caso: a cidade de Olinda – PE. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Urbano (MDU/UFPE). Recife: UFPE, 2004.

PREFEITURA MUNICIPAL DE OLINDA (PMO). Diagnóstico da situação existente no sítio histórico de Olinda-PE (ZEPC-1). Recife, 2007.

RODRIGUES, Cláudia Regina. Monitoramento das transformações nas tipologias arquitetônicas e nos índices urbanísticos do Sítio Histórico de Olinda. Trabalho de Conclusão de Curso. Recife: UFPE, 2000.

SILVA, Eliane Azevedo, MEDEIROS, Jorge Passos, GOIS, Tânia Lemos Cruz. Manual do Morador de Olinda: conservação das edificações particulares do sítio histórico de Olinda. Olinda: FCPSHO, 1992.

SÒLA-MORALES, Ignasi. (2001). Teorías de la Intervención Arquitectónica. Revista PH, nº 37. Espanha: Instituto Andaluz del Patrimonio Historico (IAPH).

VIEIRA, Natália Miranda. Gestão de Sítios Históricos: a transformação dos valores culturais e econômicos em programas de revitalização em áreas históricas. Recife: Editora Universitária UFPE, 2007.

VIEIRA-DE-ARAÚJO, Natália Miranda. Integridade e Autenticidade: conceitos-chave para a reflexão sobre intervenções contemporâneas em áreas históricas. Anais do Seminário Arquimemória 3. Salvador, 2008.

____________. Ressonâncias teóricas entre pesquisadores brasileiros e as correntes contemporâneas de restauro na Itália: e a prática? Anais do Seminário Arquimemória 5. Salvador, 2017.

ZANCHETI, Sílvio, MILET, Vera. Gestão e Conservação do Sítio Histórico de Olinda, 1938-2006. Texto para Discussão, v. 25. Olinda: CECI, 2006.

Publicado
28-09-2021
Como Citar
BARRETO, J.; MILET PINHEIRO, V. Boas Práticas da Conservação em Olinda-PE. Revista Projetar - Projeto e Percepção do Ambiente, v. 6, n. 3, p. 51-65, 28 set. 2021.
Seção
TEORIA E CONCEITO