DENSIDADE E VAZIOS FAVORÁVEIS PARA URBANIDADE EM HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL

Autores

  • Marco Antonio Suassuna Centro Universitário de João Pessoa (Unipe) e Universidade de Ciências Sociais Aplicadas (Unifacisa)
  • Maria Dulce Bentes Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Mauro Normando Barros Filho Universidade Federal de Campina - UFCG/CTRN/UAEC

DOI:

https://doi.org/10.21680/2448-296X.2023v8n1ID28694

Palavras-chave:

Densidade; Urbanidade; Vazios, Habitação de Interesse Social.

Resumo

Este artigo trata da densidade e dos vazios como elementos relevantes para as relações de urbanidade em habitação de interesse social. A densidade entendida como a relação de uma entidade espacial pela área que ela ocupa, quase sempre está associada com uma questão quantitativa dos cheios edificados. Mas toda parcela de terra é, por conseguinte um vazio preexistente, que precisa ser considerado nos estudos socioespaciais. As relações entre cheios e vazios são dualidades que se complementam, um (cheio) não existe sem o outro (vazio) e ambos são configurações espaciais que definem o dentro e o fora, o privado e o público. Essas relações são motivadas pela organização espacial entre cheios e vazios e têm derivações da forma construída em uma determinada parcela do solo urbano. Não o vazio residual, as sobras sem nenhum contributo às relações sociais vistas, por exemplo, em algumas obras impessoais e produzidas em larga escala, como se observa nos programas governamentais de Habitação de Interesse Social, com baixa qualidade urbanística. Sabe-se que questões quantitativas influenciando aspectos qualitativos de densidade urbana têm referência em abordagens contemporâneas de desenho urbano sendo fundamental aferir suas influências no desempenho da forma urbana e na qualidade de vida nos espaços urbanos, sobretudo em áreas mais carentes de infraestrutura básica. Esse enfoque ganha maior necessidade de aprofundamento em Habitação de Interesse Social (HIS), constituindo-se, portanto, um eixo central de discussão no presente artigo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGUIAR, Douglas. Urbanidade e a qualidade da cidade. In: AGUIAR, Douglas; NETTO, Vinícius M. (Org.). Urbanidades. Rio de Janeiro: Folio Digital, 2012. Cap. 2. p. 61-80.

ALEXANDER, Christopher et al. Uma Linguagem de Padrões: A Pattern Linguage. Porto Alegre: Bookman, 2013. 1171 p. Tradução de Alexandre Salvaterra.

ANDRADE, Patrícia Alonso de. DESEMPENHO SOCIOECONÔMICO DA FORMA URBANA: implicações do adensamento com verticalização e baixa permeabilidade. Tese de Doutoramento, Programa de Pós- Graduação em Arquitetura e Urbanismo (PPGAU) da Universidade Federal da Paraíba (UFPB),2021.

ANTONUCCI, Denise; BUENO, Lucas. A construção do espaço público em Medellín: Quinze anos de experiência em políticas, planos e projetos integrados. Arquitextos 218.00 urbanismo ano 19, jul. 2018. Acessado em 23/ 03/2022. < https://vitruvius.com.br/index.php/revistas/read/arquitextos/19.218/7022 >ISSN 1809-6298

BARROS, Raquel R.P.M. Habitação Coletiva: a inclusão de conceitos humanizadores no processo de projeto. São Paulo: Annablume,2011.

BAPTISTA, José Filipe dos Santos. Densidade e forma urbana: a densidade enquanto factor potenciador de urbanidade. Lisboa: Universidade Técnica de Lisboa, Faculdade de Arquitectura, 2011. Dissertação de mestrado em Arquitetura.

BERGHAUSER PONT, Meta; HAUPT, Per. Space, Density and Urban Form. Rotterdam: NAI Publishers, 2010.

DEL RIO, Vicente. Introdução ao Desenho Urbano no Processo de Planejamento. São Paulo: Pini, 1990.

FARR, Douglas. Urbanismo Sustentável: Desenho Urbano com a Natureza. Porto Alegre: Bookmn, 2013.

FRANCO, José Tomás. "Como o projeto "Espaços de Paz" está transformando os espaços comunitários na Venezuela" [Cómo el proyecto "Espacios de Paz" está transformando los espacios comunitarios en Venezuela] 01 Nov 2014. ArchDaily Brasil. (Trad. Sbeghen Ghisleni, Camila). Acessado em 23/03/2022. <https://www.archdaily.com.br/br/756317/como-o-projeto-espacos-de-paz-esta-transformando-os-espacos-comunitarios-na-venezuela> ISSN 0719-8906

FIGUEROA, M. Habitação coletiva e a evolução da quadra. Vitruvius, Arquitextos. Texto Especial 357, fevereiro de 2006. Disponível em < http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/06.069/385> Acesso em: 17 out de 2017.

GEHL, Jan. Cidades para pessoas. São Paulo, Perspectiva, 2013.

HERTZBERGER, Herman. Lições de arquitetura, 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

HOLANDA, Frederico de. O espaço de exceção. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2002.

JACOBS, Jane. Morte e Vida das Grandes Cidades. 3. ed. São Paulo> Martins Fontes, 2011.

LAMAS, José M. Ressano Garcia. Morfologia Urbana e Desenho da Cidade. Lisboa: Fundação Calouse Gulbenkian, 2007.

LEITE, Carlos. Cidades Sustentáveis, Cidades Inteligentes: desenvolvimento sustentável num planeta urbano. Porto Alegre – RS. Bookman, 2012.

MARTIN, Leslie; MARCH, Lionel (org.). Urban space and structures. Cambridge: Cambridge university press, 1972.

NETTO, Vinicius M. O efeito da arquitetura: impactos sociais, econômicos e ambientais de diferentes configurações de quarteirão. Arquitextos – São Paulo.079.02, ano 07, Dez. 2006, Vitruvius. Disponível https://vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/07.079/290#:~:text=A%20no%C3%A7%C3%A3o%20de%20urbanidade%20proposta,espa%C3%A7o%20aberto%20(ruas%2C%20pra%C3%A7as)%3B

PANERAI, Philippe. Análise Urbana. Brasília. Editora: Unb, 2006.

ROGERS, Richard. Cidades para um pequeno planeta. Barcelona, Editora Gustavo Gili, 1997.

SALINGAROS, Nikos A. A Teoria da Teia Urbana. Tradução por Lívia Salomão Piccinini do texto on-line originalmente publicado no Journal of Urban Design, Volume 3 (1998), pág. 53-71.

SABOYA, Renato T. de. Fatores morfológicos da vitalidade urbana – Parte 1: Densidade de usos e pessoas. ArchDaily Brasil. Acessado em 21 Mar 2022. Disponível <https://www.archdaily.com.br/br/798436/fatores-morfologicos-da-vitalidade-urbana-nil-parte-1-densidade-de-usos-e-pessoas-renato-t-de-saboya> ISSN 0719-8906

SIM, David. Soft City, Island Press. 2019.

SILVA, G.J.A. da; Silva, S. E. Silva; Nome, C. A. Densidade, dispersão e forma urbana. Dimensões e limites da sustentabilidade habitacional. Arquitextos - São Paulo. 189.07 urbanismo ano 16, fev. 2016. Disponível em: http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/16.189/5957. Acessado em outubro 2017.

SPECK, Jeff. Cidade Caminhável. Tradução Anita Dimarco, Anita Natividade. 1.ed. São Paulo. Perspectiva, 2016.

STORCH, Andréa Melo Lins. O espaço aberto como elemento do projeto da cidade. In: Arquitetura e urbanismo: projeto, estudos urbanos, patrimônio, Org. Nóbrega, Maria de Lourdes. Recife – Prazer de Ler, 2010.

SUASSUNA, Marco; ISMAEL, Lúcio. Desenhando a quadra híbrida no cotidiano dos bairros. Revista Projetar – Projeto e Percepção do Ambiente. V.2. N.2. Agosto 2017.

Downloads

Publicado

24-01-2023

Como Citar

SUASSUNA, M. A.; BENTES, M. D.; BARROS FILHO, M. N. DENSIDADE E VAZIOS FAVORÁVEIS PARA URBANIDADE EM HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL. Revista Projetar - Projeto e Percepção do Ambiente, [S. l.], v. 8, n. 1, p. 144–159, 2023. DOI: 10.21680/2448-296X.2023v8n1ID28694. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/revprojetar/article/view/28694. Acesso em: 21 jun. 2024.