ARQUITETURA AURAL

do espaço visual ao espaço auditivo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/2448-296X.2023v8n2ID31295

Palavras-chave:

audição, Espaço, som

Resumo

Este artigo trata principalmente da arquitetura aural e suas implicações para o campo da arquitetura. Ao que se sabe, o som não é um componente primordial de estudo da arquitetura, a não ser quando se trata do projeto de conforto acústico ou de espaços próprios para o uso dos sons. A percepção sonora e a escuta talvez tenham sido ainda menos estudadas neste campo. Contudo, não se fruí os espaços somente por meio da visão, mas também pela audição, o nosso recorte de discussão. Assim, duas perguntas se fazem: O som também pode qualificar o espaço? E, pode a percepção sonora ser importante para a arquitetura? Argumenta-se que os espaços arquitetônicos podem ser qualificados para oferecer uma consciência espacial auditiva por seus projetistas e usuários, indo além do conforto acústico. Para isso, objetiva-se definir e analisar as características da arquitetura aural, discutir a centralidade da visão e da visualidade na cultura atual e a importância da percepção, da experiência e do som para a arquitetura. Trata-se de um texto de revisão da bibliografia especializada, e que considera o som como objeto de estudo, convocando diversas outras disciplinas e autores para o debate. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cleber Gazana, Universidade São Judas Tadeu / Centro Universitário FAAP

Doutorando em Arquitetura, Mestre em Artes Visuais, pós-graduado em Criação Visual e Multimídia; em Comunicação e Mídia e graduado em Design. Trabalha há 22 anos como designer. É professor nos cursos superiores de Design, Artes Visuais, Arquitetura, Publicidade e Propaganda, Rádio e TV, Jornalismo e Cinema, no tecnólogo em Design Gráfico e na pós-graduação em Animação, nas instituições FAAP, USJT e BA. É artista visual e sonoro, no segmento das artes digitais, com obras exibidas em mais de 12 países (Ars Electronica-Áustria, Artech-Portugal e China, FILE-Brasil). Pesquisador em arte e tecnologia pelo Grupo c/A/t (UNESP/CNPQ) com diversos artigos publicados, além de dois livros de sua autoria. Organizador e curador da Glitch.art.br - Glitch Art International Online Exhibition. Como "construtor sonoro" possui 14 álbuns lançados e já foi selecionado em coletâneas musicais lançadas em gravadoras e organizadores na Noruega, Itália, França, Brasil e Alemanha.

Fernando Guillermo Vázquez Ramos, Universidade São Judas Tadeu

Prof. Dr, docente Permanente e coordenador do Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo da Universidade São Judas Tadeu. Professor do curso de Arquitetura e Urbanismo da mesma universidade. Bolsista do Instituto Ânima. Líder do Grupo de Pesquisa CNPq: “Arquitetura e cidade: representações”. Foi coordenador do Núcleo Docomomo São Paulo (2018–2020). Foi coeditor da revista eletrônica arq.urb (2010–2019).

Referências

BLESSER, Barry. Aural architecture. Tuned city conference proceedings. Berlim, 2008. Disponível em: http://www.blesser.net/downloads/TunedCity%20EN%20Blesser-Salter.pdf. Acesso em: 07 dez. 2022.

BLESSER, Barry; SALTER, Linda-Ruth. Aural architecture contributes to the experience of space and place. Amsterdã, 2010. 52 slides, color., 25 x 19 cm. Disponível em: https://view.officeapps.live.com/op/view.aspx?src=http%3A%2F%2Fwww.blesser.net%2Fdownloads%2FAmsterdam%2520Academy%2520Architecture.ppsx&wdOrigin=BROWSELINK. Acesso em: 01 dez. 2022.

____________. Aural architecture: the missing link. Disponível em: http://www.blesser.net/downloads/ASA% 20156%20Press%20Room%20Blesser.pdf. Acesso em: 01 dez. 2022.

____________. Aural spatiality: hearing events in space. 27 slides, color., 25 x 19 cm. Bruxelas, 2011. Disponível em: http://www.blesser.net/downloads/Belgium%20Auditive% 20Space.pdf. Acesso em: 01 dez. 2022.

____________. Spaces speak, are you listening? Experiencing aural architecture. Massachusetts, EUA: The MIT

Press, 2007.

____________. Spaces speak, are you listening? Experiencing aural architecture. Disponível em: http://www.blesser.net/spacesSpeak.html. Acesso em: 05 nov. 2022.

____________. The other half of the soundscape: Aural architecture. Disponível em: http://www.blesser.net/downloads/Blesser-Salter%20WFAE%20Mexico.pdf. Acesso em: 01 nov. 2022.

CAMPOS, Ricardo. Introdução à cultura visual: abordagens e metodologias em ciências sociais. Lisboa: Editora Mundos Sociais, 2013.

CASTRO, Raquel M. L. Contributos para uma análise da paisagem sonora: som, espaço e identidade acústica. 2016. 309f. Tese (Doutorado em Ciências da Comunicação) – Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 2016.

DE COENSEL, Bert; et al. The soundscape approach for early stage urban planning: A case study. Inter.noise 2010. Lisboa, 2010. Disponível em: https://www.academia.edu/20894404/The_soundscape_approach_for_ early_stage_urban_planning_a_case_study. Acesso em: 07 set. 2022.

DIAS, Ricardo F. Atmosferas: A experiência na obra de Peter Zumthor. 2018. 192f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura). Escola Superior Artística do Porto, Porto, 2018.

DIKOVITSKAYA, Margaret. Visual culture: the study of the visual after the cultural turn. Massachusetts: The MIT Press, 2005.

FERRARINI, Maria C. L. Apurar o olhar e interpretar informações visuais cotidianas. (Re)pensar as imagens nas práticas escolares. 2014. 135f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2014.

FONSECA, Nuno. Temporalidade e historicidade das paisagens sonoras: os seus sons e os seus silêncios. LESSA, Elisa; et. al. Ouvir e escrever paisagens sonoras: abordagens teóricas e (multi)disciplinares. Minho: Universidade do Minho, 2020.

FRACALOSSI, Igor. Questões de percepção: Fenomenologia da arquitetura / Steven Holl. Disponível em: https://www.archdaily.com.br/br/01-18907/questoes-de-percepcao-fenomenologia-da-arquitetura-steven-holl?ad_source =search&ad_medium=projects_tab&ad_source=search&ad_medium=search_res ult_all. Acesso em: 07 set. 2022.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GILMURRAY, Jonathan. Ecoacoustics: ecology and environmentalism in contemporary music and sound art. Disponível em: https://www.academia.edu/2701185/ECOACOUSTICS_Ecology_and_Environmentalism_in_Contemporary_Music_ and_ Sound_Art. Acesso em: 11 out. 2022.

HERNÁNDEZ, Fernando. Catadores da cultura visual: transformando fragmentos em nova narrativa educacional. Porto Alegre: Mediação, 2007.

HOLL, Steven. Questions of perceptions: Phenomenology of architecture. Holl, Steven; et al. A+U special issue. Questions of perceptions: Phenomenology of architecture. Tokio: Architecture and Urbanism, 1994.

JAY, Martin. That visual turn. Journal of visual culture. v.1, p.87-92. Londres: Sage Publications, 2002. Disponível em: https://faculty.georgetown.edu/irvinem/theory/Jay-VisualTurn-JVC-2002.pdf. Acesso em: 08 dez. 2018.

KNAUSS, Paulo. O desafio de fazer história com imagens: arte e cultura visual. Artcultura. v.8, n.12, p.97-115. Uberlândia: UFU, 2006.

MACHADO, Ernani S.; et al. Paisagem cultural e paisagem sonora histórica: Dos sons do passado na identidade do patrimônio. 5º Colóquio Ibero-Americano: Paisagem Cultural, Patrimônio e Projeto. Minas Gerais, 2018. Disponível em: https://www.academia.edu/38825258/PAISAGEM_CULTURAL_E_PAISAGEM_SONORA_HIST%C3%93RICA_dos_sons_do_passado_na_identidade_do_patrim%C3%B4nio. Acesso em: 03 de out. 2022.

MATOSO, Marília. O que é o urbanismo sensorial?. Disponível em: https://www.archdaily.com.br/br/984644/o-que-e-o-urbanismo-sensorial. Acesso em: 11 out. 2022.

MONTEIRO, Charles. Reflexões sobre história, fotografia e cultura visual. MONTEIRO, Charles (Org.). Fotografia, história e cultura visual: Pesquisas recentes. Série mundo contemporâneo 2. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2012.

MONTEIRO, Rosana H. Cultura visual: definições, escopo, debates. Domínios da imagem. n.2, p.129-134. Londrina:

UEL, 2008.

PALLASMAA, Juhani. Os olhos da pele: A arquitetura e os sentidos. Porto Alegre: Bookman, 2011.

PIÑERO, María Virginia. Ocularcentrismo vs fenomenología de la percepción: la hegemonía de lo visual en la valoración perceptual del paisaje. BETTOLLI, Mariana; et al. VIII Jornadas de investigación y II Jornadas de investigación de becarios y doctorandos encuentro y reflexión - Investigación + transferencia + desarrollo. Cordoba: UNC, FAUD, 2020. Disponível em: https://rdu.unc.edu.ar/handle/11086/15634. Acesso em: 04 ago. 2022.

REYNER, Igor Reis. Pierre Schaeffer e sua teoria da escuta. Opus. v.17, n.2, p.77-106. Porto Alegre, ANPPOM, 2011. Disponível em: https://www.anppom.com.br/revista/index.php/opus/article/view/202. Acesso em: 05 ago. 2022.

SANTOS, Fátima C. Por uma escuta nômade: a música dos sons da rua. São Paulo: EDUC, 2002.

SCHAEFFER, Pierre. Tratado de los objetos musicales. Madrid: Alianza Editorial, 2003.

TRUAX, Barry. Acoustic Communication. 2ª ed. Westport: Ablex Publishing, 2001.

VIEIRA, Júlio C. S; et al. Paisagem sonora em Juiz de Fora: O som da cidade como resgate da cultura e da memória urbana. Principia – Caminhos da Iniciação Científica. Juiz de Fora, v.20, n.1, 2020. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/principia/article/view/31134/21621. Acesso em: 01 out. 2022.

VILAS-BOAS, Armando. O que é a cultura visual?. Porto: AVB, 2010.

ZUMTHOR, Peter. Atmosferas. Barcelona: Editorial Gustavo Gili, 2009.

Downloads

Publicado

24-05-2023

Como Citar

GAZANA, C.; VÁZQUEZ RAMOS, F. G. . ARQUITETURA AURAL: do espaço visual ao espaço auditivo. Revista Projetar - Projeto e Percepção do Ambiente, [S. l.], v. 8, n. 2, p. 84–94, 2023. DOI: 10.21680/2448-296X.2023v8n2ID31295. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/revprojetar/article/view/31295. Acesso em: 24 jul. 2024.