DESENHOS DE UMA (QUASE) ARQUITETA E URBANISTA

INQUIETAÇÕES, EXPERIENCIAÇÕES E ENSAIOS SOBRE O ATO DE DESENHAR

Autores

  • Ramon Carvalho UERJ
  • Alice Hammerschmitt da Veiga Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.21680/2448-296X.2023v8n3ID32599

Palavras-chave:

desenho à mão livre, projeto de Arquitetura e Urbanismo, formação

Resumo

Este artigo é proveniente do Trabalho de Conclusão de Curso de uma estudante de Arquitetura e Urbanismo, escrito em primeira pessoa do singular. Traz inquietações e reflexões acerca do papel do desenho à mão livre para o ato de projetar e suas implicações na formação do/a arquiteto/a. Parte de um embasamento teórico-conceitual que aborda a questão do desenho como método de estudo e assimilação e apresenta, em formato de relato pessoal descritivo e imagético, um conjunto de experiências práticas de desenho realizadas ao longo do trabalho. Como resultado, identifica-se que: é preciso desenvolver uma expressividade própria para uma comunicação por meio do desenho; existe uma espécie de “diálogo interno do/com o desenhista” exteriorizado no papel; a notação gráfica pode ser considerada tanto uma forma de pensar como também um instrumento de apreensão do espaço e de suas características; as escolhas e intenções de cada pessoa/desenhista promovem diferentes modos de apreensão, que são demonstradas nos desenhos; e, por fim, que a realização deste trabalho gerou uma mudança significativa na compreensão e na postura da autora diante do “ser arquiteta”. Fundamentalmente, incorporou-se o desenho como meio de continuar aprendendo, apreendendo e desenvolvendo arquitetura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARKI, José. O Risco e a Invenção: um estudo sobre as notações gráficas de concepção no projeto. 2003. 270 f. Tese (Doutorado) - Curso de Urbanismo, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2003. Disponível em: http://objdig.ufrj.br/21/teses/609871.pdf. Acesso em: 14 dez. 2020.

COSTA, Lúcio. Considerações sobre arte contemporânea. Rio de Janeiro: Departamento de Imprensa Nacional, 1952. 37 p.

GOUVEIA, Anna Paula Silva. O Croqui do Arquiteto e o Ensino do Desenho.Croqui: representação e Simulação. Tese de Doutorado (Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo). São Paulo, 1998; a. v.1

LOPES, Ricardo Ferreira. “Sentir através de”: o ensino do desenho de observação na arquitetura e urbanismo à luz da fenomenologia da percepção. 2017. 466 f. Tese (Doutorado) - Curso de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2017. Disponível em: https://repositorio.ufjf.br/jspui/handle/ufjf/6573. Acesso em: 14 dez. 2020.

MOSANER, Fábio Ferreira Lins. O desenho como método de estudo: Antônio Luiz Dias de Andrade e a arquitetura do Vale do Paraíba. 2012. 293 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012. Disponível em: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/16/16138/tde-24012013-142230/pt-br.php. Acesso em: 02 abr. 2021.

PALLASMAA, Juhani. As mãos inteligentes: a sabedoria existencial e corporalizada na arquitetura. Porto Alegre: Bookman, 2013. 160 p. Tradução: Alexandre Salvaterra.

REID, Grant W. Landscape Graphics. New York: Whitney Library Of Design, 1987.

Downloads

Publicado

23-09-2023

Como Citar

CARVALHO, R.; HAMMERSCHMITT DA VEIGA, A. . DESENHOS DE UMA (QUASE) ARQUITETA E URBANISTA: INQUIETAÇÕES, EXPERIENCIAÇÕES E ENSAIOS SOBRE O ATO DE DESENHAR. Revista Projetar - Projeto e Percepção do Ambiente, [S. l.], v. 8, n. 3, p. 182–197, 2023. DOI: 10.21680/2448-296X.2023v8n3ID32599. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/revprojetar/article/view/32599. Acesso em: 7 dez. 2023.