Avaliação do nível de disclosure de arrendamentos mercantis nas demonstrações contábeis de empresas de consumo não-cíclico: um estudo sob a luz do novo IFRS 16

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/2176-9036.2022v14n1ID25192

Palavras-chave:

CPC 06 (R2), Arrendamento, Evidenciação

Resumo

Objetivo: O presente artigo então tem como objetivo averiguar o nível de disclosure contábil demandado de acordo com o IFRS16 nas empresas de capital aberto na B3, mais precisamente no segmento de consumo não-cíclico.

Metodologia: Com método qualitativo, se faz a análise das informações dispostas nas demonstrações contábeis das empresas alvo do estudo sobre as operações de leasing.

Resultados: Conclui-se que até o momento, a grande maioria das empresas ainda não se adequaram ao nível de divulgação exposto na nova norma técnica, divulgando pouco mais do que a metade dos itens dispostos, havendo a possibilidade de melhoria da conformidade.

Contribuições do Estudo: Os resultados do presente estudo contribuem para entendimento da aplicação da evidenciação contábil sobre operações de leasing no Brasil, à luz da recente entrada da nova regulação que trouxe novos itens para divulgação se comparado com a norma anterior.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ícaro Luiz de Sousa Silva, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)

Mestrando pelo Programa de Mestrado em Controladoria, Finanças e Contabilidade da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). 

 

Alexandre Gonzales, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

Doutor em Controladoria e Contabilidade pela USP. Mestre em Ciências Contábeis e Atuarias pela PUC/SP. Especialista em Direito Tributário pelo IBET/SP. Contador pela Universidade Mackenzie. Professor PUC/SP e Fipecafi.

Fernando de Almeida Santos, PUC-SP - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Doutor em Ciências Sociais (PUC-SP) e Mestre em Administração de Empresas (Universidade Presbiteriana Mackenzie). Coordenador do Mestrado Profissional em Ciências Contábeis, Controladoria e Finanças da PUC-SP. Professor da PUC- SP, Fatec-Osasco e Pesquisador do ENIAC. 

Referências

Arrozio, M., Gonzales, A., & da Silva, F. (2016). Alterações nos Indicadores Financeiros das Companhias do setor de Atacado e Varejo decorrentes da Nova Contabilização do Arrendamento Mercantil Operacional. Revista Eniac Pesquisa, 5(2), 139-159. <https://doi.org/10.22567/rep.v5i2.380>

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Carmo, C. H. S. do, Ribeiro, A. M., & Carvalho, L. N. G. de (2018). Regulação Contábil Internacional: Interesse Público ou Grupos de Interesse? Journal of Accounting, Management and Governance, 21(1), 1-20. ISSN 1984-3925. <http://dx.doi.org/10.21714/1984-3925_2018v21n1a1>

Chimisso, S. H. (2004). Matéria da Revista de Administração. Leasing e Arrendamento Mercantil: Alternativa de Financiamento de Longo Prazo para empresas brasileiras, 3(5).

Coelho, A. M. R. V. (2007). Método do estudo de caso ( Método do estudo de caso (case studies) ou método do caso (teaching cases). Uma análise dos dois métodos no ensino e pesquisa em Administração.

Collis, J., & Hussey, R. (2005). Pesquisa em administração (2a. ed.). Porto Alegre: Bookman.

Comitê De Pronunciamentos Contábeis (2010). Pronunciamento Técnico 06 (R1): Operações de Arrendamento Mercantil. Recuperado de http://static.cpc.aatb.com.br

Comitê De Pronunciamentos Contábeis (2011). Pronunciamento Técnico 00: Estrutura Conceitual para Elaboração e Divulgação de Relatório Contábil-Financeiro.

Comitê De Pronunciamentos Contábeis (2017). Pronunciamento Técnico 06 (R2): Operações de Arrendamento Mercantil. Recuperado de http://static.cpc.aatb.com.br/

Conselho Federal De Contabilidade (2017). NBC TG 06 (R3). São Paulo.

Coutinho, J. S., & Silva, A. H. C. (2013). Impactos da Adoção às Normas Internacionais de Contabilidade nas Companhias Abertas Brasileiras do Setor de Construção Civil. Artigo classificado em 2o lugar no Prêmio Contador Américo Matheus Florentino - Edição 2013.

Dantas, J. A., Zendersky, H. C., Santos, S. C. D., & Niyama, J. K. (2005). A dualidade entre os benefícios do disclosure e a relutância das organizações em aumentar o grau de evidenciação. Revista Economia & Gestão, 5(11), 56-76.

Dantas, J. A., Rodrigues, F. F., Niyama, J. K., & Mendes, P. C. M. (2010). Normatização contábil baseada em princípios ou em regras? Benefícios, custos, oportunidades e riscos. Revista de Contabilidade e Organizações, 4(9), 3-29. <https://doi.org/10.11606/rco.v4i9.34765>

Gil, A. C. (2008). Como elaborar projetos de pesquisa (4a. ed.). São Paulo: Atlas.

Gonçalves, O., & Ott, E. (2002). A evidenciação nas companhias brasileiras de capital aberto. Anais do Encontro Anual Da Associação Nacional Dos Programas De Pós-Graduação Em Administração – ENANPAD, Salvador, BA, Brasil, 26.

International Accounting Standards Board (2005). International Accounting Standards nº 17. Leases—A user’s guide through the official text of IAS 17. IFRIC 4 and SICs 15 & 27.

International Financial Reporting Standards (2016). IFRS 16 - Leases. Londres: IFRS Foundation.

Iudícibus, S. (1995). Teoria da Contabilidade (4a. ed.) São Paulo: Atlas.

Iudícibus, S. de, & Lopes, A. B. Teoria avançada da contabilidade. São Paulo: Atlas, 2004

Lemes, S., & Oliveira, V. A. (2011). Nível de convergência dos princípios contábeis brasileiros e norte-americanos às normas do IASB: uma contribuição para a adoção das IFRS por empresas brasileiras. Revista Contabilidade & Finanças - USP, 22(56), 155-173. <https://doi.org/10.1590/S1519-70772011000200003>

Lopes, J. E. G., Ribeiro Filho, J. F., Pereira, D. M. V. G., Pederneiras, M. M. M., Silva, F. D. C., & Santos, R. D. (2010). Um estudo da relação entre o lucro contábil e o disclosure das companhias abertas do setor de Materiais Básicos. BASE - Revista de Administração e Contabilidade da UNISINOS, 7(3), 208-220. <https://doi.org/10.4013/base.2010.73.03>

Martins, E., Martins, V. A., & Martins, É. A. (2007). Normatização Contábil: Ensaio Sobre Sua Evolução E O Papel Do Cpc. Revista de Informação Contábil, 1(1) 2007. <https://doi.org/10.34629/ufpe-iscal/1982-3967.2007.v1.7-30>

Martins, O. S., Vasconcelos, A. F. de, & Souza, M. V. de (2008). O tratamento contábil do arrendamento mercantil nas demonstrações financeiras: o jogo de interesses versus a busca pela transparência dessas demonstrações. Qualitas Revista Eletrônica, 7(1). <http://dx.doi.org/10.18391/qualitas.v7i1.158>

Matos, N. B., & Niyama, J. K. (2018). IFRS 16 - Leases: Desafios, Perspectivas e Implicações à Luz da Essência Sobre a Forma. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 12(3). <https://doi.org/10.17524/repec.v12i3.1858>

Moura, C. M. (2017). Análise do grau de evidenciação do arrendamento mercantil pelas empresas listadas no Ibovespa. Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG, Brasil.

Murcia, F., & de Matos, E. (2020). IFRS 16: uma visão contábil prática e crítica da nova norma de leasing sob a ótica das arrendatárias. Revista Brasileira De Contabilidade, (238), 50-65.

Niyama, J. K., & Gomes, A. O. (1996). Contribuição ao aperfeiçoamento dos procedimentos de evidenciação contábil aplicáveis às demonstrações financeiras de bancos e instituições assemelhadas. Anais do Congresso Brasileiro de Contabilidade, Brasília, DF, Brasil.

Niyama, J. K. (1998). Comparação entre princípios contábeis norte-americanos e brasileiros - principais divergências no âmbito das instituições financeiras. Contabilidade, Gestão e Governança, 1(1).

Niyama, J. K., Silva, C. A. T. (2011). Teoria da Contabilidade (2a. ed.). São Paulo: Atlas.

Oliveira, A. C. L. B., Bonfim, M. P., & Fraga, A. N. (2019). CPC 06 (R2): Uma Análise de sua Aplicação e Impacto nas Demonstrações Financeiras da Arrendatário. Pensar Contábil, 21(74), 31-40.

Pereira, D., Lopes, J., Pederneiras, M., Santos, R. (2008). Um estudo sobre a relação entre o lucro contábil e o disclosure das companhias abertas do setor de materiais básicos: evidências empíricas no mercado brasileiro de capitais. Anais do Encontro da Associação Nacional do Programas de Pós Graduação em Ciências Contábeis, Salvador, BA, 2.

PriceWaterhouseCoopers (2019). CPC 06 - Operações de Arrendamento Mercantil - IN RFB nº 1.889/2019.

Ribeiro, C. (1970). Leasing: fator de produtividade. Rio de Janeiro: Guanabara.

Ribeiro, T. (2017). IFRS 16: impacto no setor aéreo. Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG, Brasil.

Santos, D., Castilho, D., & Gonzales, A. (2017). Avaliação do nível de Disclosure de passivos ambientais contingentes pelas principais empresas do setor elétrico entre 2010 E 2014. Revista Científica Hermes - FIPEN, 19, 585-609.

Silva, A. da, Brighenti, J., & Klann, R. C. (2018). Efeitos da convergência às normas contábeis internacionais na relevância da informação contábil de empresas brasileiras. Revista Ambiente Contábil, 10(1), 121-138. <https://doi.org/10.21680/2176-9036.2018v10n1ID11016>

Downloads

Publicado

06-01-2022

Como Citar

DE SOUSA SILVA, Ícaro L. .; GONZALES, A. .; DE ALMEIDA SANTOS, F. Avaliação do nível de disclosure de arrendamentos mercantis nas demonstrações contábeis de empresas de consumo não-cíclico: um estudo sob a luz do novo IFRS 16 . REVISTA AMBIENTE CONTÁBIL - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ISSN 2176-9036, [S. l.], v. 14, n. 1, p. 229–244, 2022. DOI: 10.21680/2176-9036.2022v14n1ID25192. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/ambiente/article/view/25192. Acesso em: 27 maio. 2022.

Edição

Seção

Seção 1: Contabilidade Aplicada ao Setor Empresarial (S1)