A relação entre as informações contábeis e o desempenho das operadoras de saúde suplementar

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/2176-9036.2022v14n2ID25894

Palavras-chave:

Indicadores Econômico-Financeiros. Regulação. Saúde Suplementar.

Resumo

Objetivo: Analisar a relação entre as informações contábeis e o desempenho das operadoras de saúde suplementar (OPS), com base em indicadores econômico-financeiros. Para tanto, foram avaliados indicadores operacionais, de liquidez, rentabilidade, estrutura de capital, além da influência exercida pelo tamanho e o tipo de operadora sobre a pontuação do Índice de Desempenho da Saúde Suplementar (IDSS), que é uma proxy para o desempenho das OPS.

Metodologia: Primeiramente foi realizada uma Análise Fatorial em 18 indicadores econômico-financeiros de 568 OPS, que resultaram em cinco fatores (operacional, liquidez, rentabilidade, estrutura de capital e tamanho). Por fim, foi elaborado um modelo em que se aplicou regressões por Mínimos Quadrados Ordinários (MQO) e TOBIT para explicar o IDSS, como função dos cinco fatores calculados mais quatro variáveis dummies para os tipos de OPS.

Resultados: Os resultados mostraram que os dados e indicadores econômico-financeiros das OPS são relevantes em conjunto para explicar o IDSS, indicando que a informação contábil possui capacidade de retratar aspectos do setor de saúde suplementar, que vão além da dimensão puramente financeira.

Contribuições do Estudo: O estudo contribui com a literatura ao trazer fortes indícios de que as informações contábeis das OPS são importantes para explicar parcela do ambiente econômico da saúde suplementar, superando em mais de duas vezes seu próprio conteúdo informacional contido no IDSS, o que evidencia a utilidade e a relevância de tais informações para os usuários das OPS.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rudolph Fabiano Alves Pedroza Teixeira, FACC/UFRJ

Graduado em Economia pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e em Ciências Contábeis pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG). Também é Mestre em Economia pela FCLAR/UNESP. Atualmente é aluno do Doutorado em Ciências Contábeis da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Marcelo Álvaro da Silva Macedo, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Pós-Doutor em Controladoria e Contabilidade pela USP.  Professor do Programa de Pós-graduação em Ciências Contábeis da UFRJ

Odilanei Morais dos Santos, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Doutor em Controladoria e Contabilidade pela USP.  Professor do Programa de Pós-graduação em Ciências Contábeis da UFRJ.

Referências

Agência Nacional de Saúde Suplementar. (2004). Qualificação da Saúde Suplementar: uma nova perspectiva no processo de regulação (1a ed.) Rio de Janeiro: ANS, 50 p.

Agência Nacional de Saúde Suplementar. (2019). Relatório do Programa de Qualificação de Operadoras 2018: Índice de Desempenho da Saúde Suplementar – IDSS – TISS Ano base 2017. Rio de Janeiro: ANS.

Agência Nacional de Saúde Suplementar. (2020). Quem somos? Rio de Janeiro. Recuperado em 06 junho 2020, de http://www.ans.gov.br/aans/quem-somos.

Araújo, A. A. S., & Silva, J. R. S. (2018). Análise de tendência de sinistralidade e impacto na diminuição do número de operadoras de saúde suplementar no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, 23(8), 2763-2770.

Becker, G. S. (1983). A theory of competition among pressure groups for political influence. The Quarterly Journal of Economics, 98(3), 371-400.

Bomfim, P. R. C. M., Macedo, M. A. S., & Marques, J. A. V. C. (2013). Indicadores financeiros e operacionais para avaliação de desempenho de empresas do setor de petróleo e gás. Contabilidade, Gestão e Governança, 16(1), 112-131. Recuperado em 03 Janeiro 2021, de https://cgg.emnuvens.com.br/contabil/article/view/433/pdf

Bragança, C. G., Bressan, V. G. F., Pinheiro, L. E. T., & Soares, L. A. C. F. (2019). Liquidação de operadoras de planos de assistência à saúde no Brasil. Enfoque: Reflexão Contábil, 38(2), 33-47.

Cardoso, V. R. S., Campos, L. A., Dantas, J. A., & Medeiros, O. R. (2019). Fatores relacionado à liquidez estrutural dos bancos no Brasil. Revista de Contabilidade e Finanças, 30(80), 252-267.

Carmo, C. H. S., Ribeiro, A. M., & Carvalho, L. N. G. (2018). Regulação contábil internacional: interesse público ou grupos de interesse. Revista Contabilidade, Gestão e Governança, 21(1), 1-20. DOI: http://dx.doi.org/10.21714/1984-3925_2018v21n1a1

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Recuperado em 15 maio 2020, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm.

Daneberg, T. F., & Decourt, R. F. (2021). Impactos da adoção das international financial reporting standards (IFRS) nos indicadores econômico-financeiros de instituições financeiras brasileiras. Revista Contemporânea de Contabilidade, 18(46), 80-96. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8069.2021.e65790

Dye, R. A. (2001). An evaluation of “essays on disclosure” and the disclosure literature in accounting. Journal of Accounting and Economics, 32, 181-235.

Eisenhardt, K. M. (1989). Agency theory: an assessment and review. The Academy of Management Review, 14(1), 57-74. DOI: http://doi.org/10.2307/258191

Fávero, L. P., & Belfiori, P. (2017). Manual de análise de dados: estatística e modelagem multivariada com Excel, SPSS e Stata (1a ed.). Rio de Janeiro: LTC, 2049 p.

Feng, C. M., & Wang, R. T. (2000). Performance evaluation for airlines including the consideration of financial ratios. Journal of Air Transport Management, 6(3), 133–142. DOI: https://doi.org/10.1016/S0969-6997(00)00003-X

Fleuriet, M., Kehdy, R., Blanc, G. (2003). O modelo Fleuriet: a dinâmica financeira das empresas brasileiras (5a ed.). Rio de Janeiro: Elsevier.

Gartner, I. R. (2010). Modelagem multiatributos aplicada à avaliação do desempenho econômico-financeiro de empresas. Pesquisa Operacional, 30(3), 619–636. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-74382010000300007

Gitman, L. J. (2010). Princípios de Administração Financeira (12a ed.). São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Hair, J. F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados (6a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Jacintho, V. G., & Kroenke, A. (2021). Indicadores econômico-financeiros de empresas brasileiras: uma comparação entre setores. Revista Ambiente Contábil, 13(1), 90-113. DOI: https://doi.org/10.21680/2176-9036.2021v13n1ID19365

Jesus, L. F., Queiroz, J. M., Macedo, M. A. S., Cruz, C. F., & Saurbronn, F. F. (2019). Relação entre indicadores financeiros e não financeiros das operadoras de planos de assistência saúde. Revista de Contabilidade, Gestão e Governança, 22(3), 316-333.

Klann, R. C., & Beuren, I. M. (2011). Características de empresas que influenciam o seu disclosure voluntário de indicadores de desempenho. BBR: Brazilian Business Review, 8(2), 96–118.

Kulviwat, S., Guo, C., & Engchanil, N. (2004). Determinants of online information search: a critical review and assessment. Internet Research, 14(3), 245-253. DOI: https://doi.org/10.1108/10662240410542670

Lei nº 9.961, de 28 de janeiro de 2000. Cria a agência nacional de saúde suplementar e dá outras providências. Recuperado em 04 abril 2020, de https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2000/lei-9961-28-janeiro-2000-369733-norma-pl.html

Leucas, H. C. B., Messias, V. V., Menezes, P. G. F., Komatsuzaki, F., & Braga, L. B. M (2017). Análise e comparação dos níveis de desempenho e eficiência de um grupo de operadoras de saúde suplementar de Minas Gerais. Revista Paramétrica, 9(10), 523-536.

Leuz, C., & Wysocki, P. (2016). Economic consequences of financial reporting and disclosure regulation: a review and suggestions for future research. Journal of Accounting Research, 54(2), 525-622.

Levitt, A. (1998). The importance of high-quality accounting standards. Accounting Horizons, 12(1), 79–82.

Macedo, M. A. da S., & Cavalcanti, G. T. (2011). Desempenho contábil-financeiro de seguradoras no Brasil: um estudo apoiado em análise envoltório de dados (DEA) para o ano de 2007. Revista Universo Contábil, 7(2), 65-84.

Macedo, M. A. da S., & Fontes, P. F. da S. (2009) Análise do comportamento decisório de analistas contábil-financeiros: um estudo com base na Teoria da Racionalidade Limitada. Revista Contemporânea de Contabilidade, 1(11), 159-186. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8069.2009v6n11p159

Marquezan, L. H. F., Rossato, M. V., Ely, B. C., & Fogaça, T. R. (2019). Indicadores de desempenho diferenciam empresas do mesmo segmento? Revista Contemporânea de Contabilidade, 16(38), 129-149. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8069.2019v16n38p129

Mirza, N., Saeed, M. S., & Rizvi, J. A. (2013). The Pricing of Size, Book to Market and Financial Leverage in Euro Stocks. SSRN Electronic Journal, 26(2), 177–190. DOI: https://doi.org/10.2139/ssrn.1684761

Nunes, R, Brandão C., & Rego, G. (2011). Public Accountability and Sunshine Healthcare Regulation. Health Care Analysis, 19 (4), 352-364. DOI: http://dx.doi.org/10.1007/s10728-010-0156-6

Peltzman, S. (1976). Toward more general theory of regulation. The Journal of Law & Economics, 19(2), 211-240.

Pinheiro, I. C. B., Peleias, I., R., Silva, A. F., & Martins, E. (2015). Efeitos da regulação econômico-financeira nas estratégias de financiamento das operadoras de planos de saúde. Revista Universo Contábil, 11(2), 108-127. DOI: https://doi.org/10.4270/ruc.2015214

Prosser, T. (1999). Theorising utility regulation. Modern Law Review, 62(2), 196-217.

Resolução Normativa – RN nº 423, de 11 de maio de 2017. Altera a Resolução Normativa – RN nº 386, de 9 de outubro de 2015, que dispõe sobre o Programa de Qualificação de Operadoras. Recuperado 07 fevereiro 2020, de http://www.ans.gov.br/component/legislacao/?view=legislacao&task=TextoLei&format=raw&id=MzQyMw==

Ribeiro, M. G. C., Macedo, M. A. S., & Marques, J. A. V. C. (2012). Análise da relevância de indicadores financeiros e não financeiros na avaliação de desempenho organizacional: um estudo exploratório no Setor Brasileiro de Distribuição de Energia Elétrica. Revista de Contabilidade e Organizações, 6(15), 60-79.

Robinson, S., & Brodie, M. (1997). Understanding the quality challenge for health consumers: The Kaiser/AHCPR survey. Journal on Quality Improvement, 23(5), 239-244.

Rodrigues, J. L. K., Coelho, F. A., Nascimento, J. J., & Florençano, J. C. S. (2016). Gestão hospitalar: economias de escala geradas por inovação tecnológica em um hospital na região metropolitana do Vale do Paraíba. Perspectiva em Gestão & Conhecimento, 6(2), 204-2017.

Ross, S. A., Westerfield, R. W., & Jordan, B. D. (2010). Princípios de Administração Financeira. São Paulo: Editora Atlas.

Sancovschi, M., Macedo, M. A. S., & Silva, J. A. (2014). Análise das intervenções da Agência Nacional de Saúde (ANS) através dos índices de desempenho da saúde suplementar. Revista de Contabilidade, Gestão e Governança, 17(2), 118-136.

Schneider, E. C., & Lieberman, T. (2001). Publicly disclosed information about the quality of health care: response of the US public. Quality in Health Care, 10(2), 96–103.

Silva, V. V., & Loebel, E. (2016). Análise do desempenho econômico-financeiro de operadoras de planos privados de saúde do setor de saúde brasileira. Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde, 13(3), 2-21.

Silva, V. V., & Loebel, E. (2017). Desempenho econômico-financeiro de operadoras de planos de saúde suplementar. Revista de Gestão em Sistemas de Saúde, 5(2), 57-70.

Soares, M. A. (2006). Análise de indicadores para avaliação de desempenho econômico financeiro de operadoras de planos de saúde brasileiros: uma aplicação da análise fatorial. 122f. (Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Stickney, C. P., & Weil, R. L. (2001). Contabilidade Financeira: Uma introdução aos conceitos, métodos e usos. São Paulo: Editora Atlas.

Stigler, G. J. (1971). The theory of economics regulation. The Bell Journal of Economics and Management Science, 2(1), 3-21. DOI: https://doi.org/10.2307/3003160

Teixeira, R. F. A. P., & Rodrigues, A. (2021). Economias de escala nas entidades fechadas de previdência complementar brasileiras: existe um tamanho ótimo? Revista Contemporânea de Contabilidade, 18(46), 97-112. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-8069.2021.e70701

Viscusi, W. K., Harrington Jr., J. E., & Vernon, J. M. (2005). Economics of regulation and antitrust (4a ed.). Cambridge: The MIT Press.

Wooldridge, J. M. (2010). Introdução a Econometria: uma abordagem moderna (4a ed.). São Paulo: Cengage Learning.

Xavier, D. O., & Souza, A. A. (2020). A eficiência econômico-financeira de operadoras de planos saúde: a influência da modalidade. ForScience, 8(2), e00707. DOI: https://doi.org/10.29069/forscience.2020v8n2.e707

Xavier, D. O., Souza, A. A., & Avelar, E. W. (2019). Determinantes do desempenho econômico-financeiro das operadoras de planos de saúde. Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde, 16(1), 48-67. DOI: https://doi.org/10.21450/rahis.v16i1.4947

Downloads

Publicado

04-07-2022

Como Citar

TEIXEIRA, R. F. A. P.; MACEDO, M. Álvaro da S.; SANTOS, O. M. dos. A relação entre as informações contábeis e o desempenho das operadoras de saúde suplementar. REVISTA AMBIENTE CONTÁBIL - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ISSN 2176-9036, [S. l.], v. 14, n. 2, p. 58–80, 2022. DOI: 10.21680/2176-9036.2022v14n2ID25894. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/ambiente/article/view/25894. Acesso em: 10 dez. 2022.

Edição

Seção

Seção 1: Contabilidade Aplicada ao Setor Empresarial (S1)