Transparência corporativa e desempenho: qual o papel das mulheres nessa relação?

Palavras-chave: Participação feminina. Conselho de administração. Transparência corporativa. Desempenho empresarial..

Resumo

Objetivo: Esta pesquisa tem por objetivo investigar a influência da participação feminina no conselho de administração na relação entre a transparência corporativa e o desempenho de empresas brasileiras.

Metodologia: A pesquisa caracteriza-se como empírico-analítica. A amostra reúne 297 empresas não-financeiras listadas na B3 no período 2015-2019. Para atingir o objetivo da pesquisa, aplicaram-se o Teste t de Student e o Teste de Mann-Whitney e a técnica de regressão com dados em painel.

Resultados: Verificou-se a baixa participação feminina nos CAs, haja vista que apenas 6,9% dos membros desse tipo de colegiado são mulheres. A partir dos testes t de Student e de Mann-Whitney, identificou-se que no conjunto das empresas da amostra, aquelas com presença feminina no CA e aquelas contempladas com o Troféu Transparência não apresentam desempenho econômico diferente na comparação com as demais. Entretanto, ostentam maior desempenho de mercado. De acordo com os resultados das regressões, verifica-se que a transparência corporativa não influencia de forma significante o desempenho e, apesar do crescente debate na sociedade sobre a participação das mulheres em cargos de alta gestão, a participação feminina no conselho de administração das empresas estudadas não altera essa relação. Portanto, esses resultados sinalizam que a participação de mulheres em cargos da alta gestão não resulta em benefícios econômicos para as empresas.

Contribuições do Estudo: O estudo amplia o debate sobre a influência da presença feminina nos cargos de alta relevância nas grandes empresas brasileiras de capital aberto e contribuir para uma melhor compreensão da influência da participação das mulheres na relação entre a transparência corporativa e o desempenho econômico e o desempenho de mercado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Verivaldo Alves de Freitas, Federal University of Ceará.

Master’s student in Administration and Controllership at the Federal University of Ceará.

Messias Elmiro Gomes Loiola de Oliveira, Federal University of Ceará (UFC).

Master’s student in Administration and Controllership at the Federal University of Ceará. Federal University of Ceará.

Jislene Trindade Medeiros, Federal University of Rio Grande do Norte (UFRN).

PhD candidate in Administration and Controllership at the Federal University of Ceará.

Márcia Martins Mendes De Luca, Federal University of Ceará (UFC).

PhD in Controllership and Accounting from the University of São Paulo. Professor at the Federal University of Ceará.

Referências

Abdullah, S. N.; Ismail, K. N. I. K., & Nachum, L. (2016). Does having women on boards create value? The impact of societal perceptions and corporate governance in emerging markets. Strategic Management Journal, 37(3), 466-476. https://doi.org/10.1002/smj.2352

Adams, R. B., & Ferreira, D. (2009). Women in the boardroom and their impact on governance and performance. Journal of Financial Economics, 94(2), 291-309. https://doi.org/10.1016/j.jfineco.2008.10.007

Adams, R. B., & Funk, P. (2012). Beyond the glass ceiling: does gender matter? Management Science, 58(2), 219-235. https://doi.org/10.1287/mnsc.1110.1452

Aguilera, R. V. (2005). Corporate governance. In J. Beckert, & M. Zafiroski (Eds.). International encyclopedia of economic sociology. London: Routledge.

Ahmadi, A., Nakaa, N., & Bouri, A. (2018). Chief executive officer attributes, board structures, gender diversity and firm performance among French CAC 40 listed firms. Research in International Business and Finance, 44, 218-226. https://doi.org/10.1016/j.ribaf.2017.07.083

Assaf, A., Neto. (2012). Finanças corporativas e valor (6a. ed). São Paulo: Atlas.

Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade. (2020) Anefac. Troféu Transparência. Recuperado em 12 maio, de 2020, de https://www.anefac.org/transparencia

Belghiti-Mahut, S., & Lafont, A. L. (2010). Lien entre présence des femmes dans le top management et performance financière des entreprises en France. Gestion 2000, 27(5), 131-146.

Berle, A., & Means, G. (1932). The modern corporation and private property. New York, NY: Macmillan.

Beuren, I. M., & Silva, G. P. (2013). Reflexos na controladoria com a adesão da empresa à governança corporativa. Revista Catarinense de Ciência Contábil, 12(36), 70-82. http://dx.doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v12n36p70-82

Boubaker, S., Dang, R., & Nguyen, D. K. (2014). Does board gender diversity improve the performance of French listed firms?. Gestion 2000, 31(1), 259-269.

Boulouta, I. (2013). Hidden connections: the link between board gender diversity and corporate social performance. Journal of Business Ethics, 113(2), 185-197. https://doi.org/10.1007/s10551-012-1293-7

Bruni, A., Gherardi, S., & Poggio, B. (2004). Entrepreneurmentality, gender and the study of women entrepreneurs. Journal of Organizational Change Management, 17(3), 256-268. http://dx.doi.org/10.1108/09534810410538315

Bushman, R. M., Piotroski, J. D., & Smith, A. J. (2004). Whats determines corporate transparency? Journal Accounting Research, 42(2), 207-252. https://doi.org/10.1111/j.1475-679X.2004.00136.x

Campbell, K., & Vera, A. M. (2010). Female board appointments and firm valuation: short and long-term effects. Journal Management Governance, 14(1), 37-59. https://doi.org/10.1007/s10997-009-9092.y

Carnevale, C., Mazzuca, M., & Venturini, S. (2012). Corporate social reporting in European banks: the effects on a firm’s market value. Corporate Social Responsibility and Environmental Management, 19(3), 159-177. https://doi.org/10.1002/csr.262

Carter, D. A., Simkins, B. J., & Simpson, W. G. (2003). Corporate governance, board diversity, and firm value. Financial Review, 38(1), 33-53. https://doi.org/10.1111/1540-6288.00034

Carvalho, A. M., Neto, Tanure, B., & Andrade, J. (2010). Executivas: carreira, maternidade, amores e preconceitos. RAE-eletrônica, 9(1), 1-23. https://doi.org/10.1590/S1676-56482010000100004

Costa, L., Sampaio, J. O., & Flores, E. S. (2019). Diversidade de gênero nos conselhos administrativos e sua relação com desempenho e risco financeiro nas empresas familiares. Revista de Administração Contemporânea, 23(6), 721-738. http://doi.org/ 10.1590/1982-7849rac2019180327

Dang, R., Bender, A.-F., & Scotto, M.-J. (2014). Women on French corporate board of directors: how do they differ from their male counterparts? Journal of Applied Business Research, 30(2), 489-508. https://doi.org/10.19030/jabr.v30i2.8420

Dezsö, C. L., & Ross, D. G. (2012). Does female representation in top management improve firm performance? A panel data investigation. Strategic Management Journal, 33(9), 1072-1089. https://doi.org/10.1002/smj.1955

Espejo, M. M. D. S. B., & Daciê, F. D. P. (2016). Redução da assimetria informacional sob a ótica do controle gerencial: discussão sobre práticas em empresas transparentes. Revista Contabilidade & Finanças, 27(72), 378-392. http://dx.doi.org/10.1590/1808-057x201603000

Ferreira, D. Board diversity. (2010). In: Baker, H. K., & Anderson, R. (Ed.). Corporate governance: a synthesis of theory, research, and practice. The Robert W. Kolb series in finance. New Jersey: Wiley.

Fitzsimmons, S. R. (2012). Women on board of directors: why skirts in seats aren’t enough. Business Horizons, 55(6), 557-566. https://doi.org/10.1016/j.bushor.2012.07.003

Ghani, A. N. A., Martelanc, R., & Kayo, E. K. (2015). Há diferença de restrição de crédito para empresas de capital aberto e fechado no Brasil? evidência empírica pela abordagem do Cash Flow Sensitivity. Revista Contabilidade & Finanças - USP, 26(67), 85-92. DOI: 10.1590/1808-057x201400260

Grybaité, V. (2006). Analysis of theoretical approaches to gender pay gap. Journal of Business Economics and Management, 7(2), 85-91. https://doi.org/10.1080/16111699.2006.9636127

Gul, F. A., Srinidhi, B., & Ng, A. C. (2011). Does board gender diversity improve the informativeness of stock prices? Journal of Accounting and Economics, 51(3), 314-338. https://doi.org/10.1016/j.jacceco.2011.01.005

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. (2015). Código das melhores práticas de governança corporativa. (5a ed.) São Paulo: IBGC. Recuperado em 11 maio, 2020, de https://conhecimento.ibgc.org.br/Lists/Publicacoes/Attachments/21138/Publicacao-IBGCCodigo-CodigodasMelhoresPraticasdeGC-5aEdicao.pdf

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. (2019). Blog. Apenas 10,8% das empresas do Ibovespa têm mulheres em conselhos. São Paulo: IBGC. Recuperado em 12 maio, 2020, de https://www.ibgc.org.br/blog/sep500-b3-mulheres

Instituto Brasileiro e Governança Corporativa. (2011). Relatório de mulheres na administração das empresas brasileiras listadas 2010-2011. São Paulo: IBGC Recuperado em 21 junho, 2020, de https://conhecimento.ibgc.org.br/Lists/Publicacoes/Attachments/23495/Mulheres_no_Conselho%202a%20edi%c3%a7%c3%a3o.pdf

Jensen, M., & Meckling, W. (1976). Theory of the firm: managerial behavior, agency costs, and capital structure. Journal of Financial Economics, 3, 305-360. https://doi.org/10.1016/0304-405X(76)90026-X

Kammler, E. L., & Alves, T. W. (2005). Análise da capacidade de explicação dos investimentos das empresas brasileiras de capital aberto através do modelo do acelerador. Revista Contabilidade & Finanças, 16(39), 81-92. https://doi.org/10.1590/S1519-70772005000300007.

Khan, W. A., & Vieito, J. P. (2013). CEO gender and firm performance. Journal of Economics and Business, 67, 55-66. https://doi.org/10.1016/j.jeconbus.2013.01.003

Lazzaretti, K., & Godoi, C. K. (2012). A participação feminina nos conselhos de administração das empresas brasileiras: uma análise das características de formação acadêmica e experiência profissional à luz da teoria do capital humano. Revista Gestão & Conexões, 1(1), 159-186. DOI: 10.13071/regec.2317-5087.2012.1.1.4059.

Lazzaretti, K., Godoi, C. K., Camilo, S. P. O., & Marcon, R. (2013). Gender diversity in the boards of directors of Brazilian businesses. Gender in Management: An International Journal, 28(2), 94-110. https://doi.org/10.1108/17542411311303239

Leite, M., & Silva, T. P. (2019). Relação da estrutura de capital e do valor econômico agregado no desempenho econômico em empresas industriais brasileiras e chilenas. Revista Facultad de Ciencias Económicas: Investigación y Reflexión, 27(1),11-42. https://doi.org/10.18359/rfce.3129

Lückerath-Rovers, M. (2013). Women on boards and firm performance. Journal of Management & Governance, 17(2), 491-509. https://doi.org/10.1007/s10997-011-9186-1

Luo, J., Xiang, Y., & Huang, Z. (2017). Female directors and real activities manipulation: evidence from China. China Journal of Accounting Research, 10(2), 141-166. https://doi.org/10.1016/j.cjar.2016.12.004

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Metodologia científica. 5. Ed. 4. São Paulo: Atlas, 2010.

Marques, V. A., da Silva, F. G. D., Louzada, L. C., Amaral, H. F., & de Souza, A. A. (2015). Qualidade informacional e nível de transparência: um estudo entre empresas ganhadoras e não ganhadoras do troféu transparência FIPECAFI-SERASA EXPERIAN. RACE-Revista de Administração, Contabilidade e Economia, 14(2), 769-796. https://doi.org/10.18593/race.v14i2.5912

Martins, G. de A. (2002). Manual para elaboração de monografias e dissertações. 3 ed. São Paulo: Atlas.

Martins, O. S., Mazer, L., Lustosa, P., & Paulo, E. (2012). Características e Competências dos Conselhos de Administração de Bancos Brasileiros E Suas Relações Com Seus Desempenhos Financeiros. Revista Universo Contábil, 8(3), 40-61. https://ssrn.com/abstract=2308190

Michener, G., & Bersch, K. (2013). Identifying transparency. Information Polity, 18(3), 233-242. https://doi.org/10.3233/IP-130299

Nisiyama, E. K., & Nakamura, W. T. (2018). Diversidad del consejo de administración y la estructura de capital. Revista de Administração de Empresas, 58(6), 551-563. https://doi.org/10.1590/s0034-759020180604

Paniagua, J.; Rivelles, R., & Sapena, J. (2018). Corporate governance and financial performance: the role of ownership and board structure. Journal of Business Research, 89, 229-234. https://doi.org/10.1016/j.jbusres.2018.01.060

Perez, M., & Famá, R. (2003). Métodos de avaliação de empresas e o balanço de determinação. Caderno de Pesquisas em Administração, 10(4), 47-59. https://doi.org/10.20946/rad.v6i1.686

Pires, C. O., & Macagnan, C. B. (2013). Governança corporativa e assimetria de informação: uma revisão desta relação. Revista Brasileira de Administração Científica, 4(4), 83-94. https://doi.org/10.6008/ESS2179-684X.2013.004.0005

Price, R., Román, F. J., & Routreen, B. (2011). The impact of governance reform on performance and transparency. Journal of Financial Economics, 99(1), 76-96. https://doi.org/10.1016/j.jfineco.2010.08.005

Ripley, W. Z. (1927). Main street and wall street. Boston, MA: Little Brown & Co.

Rodrigues, J., & Seabra, F. (2011). Conselho de administração: que funções? Revista de Gestão dos Países de Língua Portuguesa, 10(1-2), 2-12.

Sewpersah, N. S. (2019). Attributes of the board of directors as influencing profitability under endogeneity: an econometric analysis in South Africa. The ACRN Journal of Finance and Risk Perspectives, 8(1), 133-151.

Shleifer, A., & Vishny, R. W. (1997). A survey of corporate governance. Journal of Finance, 52(2), 737-783. https://doi.org/10.1111/j.1540-6261.1997.tb04820.x

Sila, V., Gonzalez, A., & Hagendorff, J. (2016). Women on board: does boardroom gender diversity affect firm risk?. Journal of Corporate Finance, 36, 26-53. https://doi.org/10.1016/j.jcorpfin.2015.10.003

Silva, A. C., & Margem, H. (2015). Mulheres em cargos de alta administração afetam o valor e desempenho das empresas brasileiras? Revista Brasileira de Finanças, 13(1), 102-133. http://dx.doi.org/10.12660/rbfin.v13n1.2015.35116

Silva, C. P., & Martins, O. S. (2017). Mulheres no conselho afetam o resultado financeiro? Uma análise da representação feminina nas empresas listadas na BM&FBovespa. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 12(1), 67-76. https://doi.org/10.21446/scg_ufrj.v12i1.13398

Silveira, A. D. M. D. (2002). Governança corporativa, desempenho e valor da empresa no Brasil. Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Silveira, A. D. M., Lanzana, A. P., Barros, L. A. B. D. C., & Famá, R. (2004). Efeito dos acionistas controladores no valor das companhias abertas brasileiras. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, 39(4), 362-372.

Solomon, J., & Solomon A. (2006). Private social, ethical, and environmental disclosure. Accounting, Auditing, & Accountability Journal, 19(4), 564-591. https://doi.org/10.1108/09513570610679137

Styhre, A. (2018). The making of shareholder welfare society: a study in corporate governance. New York: Routledge.

Tonello, M. (2010). Board composition and organization issues. In H. K. Baker, & R. Anderson (Ed.). Corporate governance: a synthesis of theory, research, and practice. The Robert W. Kolb series in finance. New Jersey: Wiley.

Turrent, G. C. B. (2014). Factores que inciden en una mayor transparencia de gobernanza corporativa en empresas cotizadas latinoamericanas. Revista Mexicana de Economía y Finanzas, 9(2), 105-124. https://doi.org/10.21919/remef.v9i2.58

Zuccolotto, R., Teixeira, M. A. C., & Riccio, E. L. (2015). Transparência: reposicionando o debate. Revista Contemporânea de Contabilidade, 12(24), 137-151. http://dx.doi.org/10.5007/2175-8069.2015v12n25p137
Publicado
06-01-2022
Como Citar
FREITAS, V. A. DE; OLIVEIRA, M. E. G. L. DE; MEDEIROS, J. T.; DE LUCA, M. M. M. Transparência corporativa e desempenho: qual o papel das mulheres nessa relação?. REVISTA AMBIENTE CONTÁBIL - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ISSN 2176-9036, v. 14, n. 1, 6 jan. 2022.
Seção
Seção 7: Internacional (S7)