Avaliação do nível de disclosure de arrendamentos mercantis nas demonstrações contábeis de empresas de consumo não-cíclico: um estudo sob a luz do novo IFRS 16

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/2176-9036.2022v14n1ID27711

Palavras-chave:

IFRS 16, Arrendamento, Evidenciação..

Resumo

Objetivo: O presente artigo então tem como objetivo averiguar o nível de disclosure contábil demandado de acordo com o IFRS16 nas empresas de capital aberto na B3, mais precisamente no segmento de consumo não-cíclico.

Metodologia: Com método qualitativo, se faz a análise das informações dispostas nas demonstrações contábeis das empresas alvo do estudo sobre as operações de leasing.

Resultados: Conclui-se que até o momento, a grande maioria das empresas ainda não se adequaram ao nível de divulgação exposto na nova norma técnica, divulgando pouco mais do que a metade dos itens dispostos, havendo a possibilidade de melhoria da conformidade.

Contribuições do Estudo: Os resultados do presente estudo contribuem para entendimento da aplicação da evidenciação contábil sobre operações de leasing no Brasil, à luz da recente entrada da nova regulação que trouxe novos itens para divulgação se comparado com a norma anterior.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ícaro Luiz de Sousa Silva, Master's student at the Master's Program in Controllership, Finance and Accounting at the Pontifical Catholic University of São Paulo (PUC-SP).

Master's student at the Master's Program in Controllership, Finance and Accounting at the Pontifical Catholic University of São Paulo (PUC-SP).

Alexandre Gonzales, PhD in Controllership and Accounting from USP. Master’s in accounting and Actuarial Sciences at PUC/SP. Specialist in Tax Law by IBET/SP

PhD in Controllership and Accounting from USP. Master’s in accounting and Actuarial Sciences at PUC/SP. Specialist in Tax Law by IBET/SP.

Fernando de Almeida Santos, Pontifical Catholic University of São Paulo (PUC-SP).

PhD in Social Sciences, Professor of the Master’s in accounting, Controllership and Finance at the Pontifical Catholic University of São Paulo (PUC-SP).

Referências

Arrozio, M., Gonzales, A., & da Silva, F. (2016). Alterações nos Indicadores Financeiros das Companhias do setor de Atacado e Varejo decorrentes da Nova Contabilização do Arrendamento Mercantil Operacional. Revista Eniac Pesquisa, 5(2), 139-159. <https://doi.org/10.22567/rep.v5i2.380>

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Carmo, C. H. S. do, Ribeiro, A. M., & Carvalho, L. N. G. de (2018). Regulação Contábil Internacional: Interesse Público ou Grupos de Interesse? Journal of Accounting, Management and Governance, 21(1), 1-20. ISSN 1984-3925. <http://dx.doi.org/10.21714/1984-3925_2018v21n1a1>

Chimisso, S. H. (2004). Matéria da Revista de Administração. Leasing e Arrendamento Mercantil: Alternativa de Financiamento de Longo Prazo para empresas brasileiras, 3(5).

Coelho, A. M. R. V. (2007). Método do estudo de caso ( Método do estudo de caso (case studies) ou método do caso (teaching cases). Uma análise dos dois métodos no ensino e pesquisa em Administração.

Collis, J., & Hussey, R. (2005). Pesquisa em administração (2a. ed.). Porto Alegre: Bookman.

Comitê De Pronunciamentos Contábeis (2010). Pronunciamento Técnico 06 (R1): Operações de Arrendamento Mercantil. Recuperado de http://static.cpc.aatb.com.br

Comitê De Pronunciamentos Contábeis (2011). Pronunciamento Técnico 00: Estrutura Conceitual para Elaboração e Divulgação de Relatório Contábil-Financeiro.

Comitê De Pronunciamentos Contábeis (2017). Pronunciamento Técnico 06 (R2): Operações de Arrendamento Mercantil. Recuperado de http://static.cpc.aatb.com.br/

Conselho Federal De Contabilidade (2017). NBC TG 06 (R3). São Paulo.

Coutinho, J. S., & Silva, A. H. C. (2013). Impactos da Adoção às Normas Internacionais de Contabilidade nas Companhias Abertas Brasileiras do Setor de Construção Civil. Artigo classificado em 2o lugar no Prêmio Contador Américo Matheus Florentino - Edição 2013.

Dantas, J. A., Zendersky, H. C., Santos, S. C. D., & Niyama, J. K. (2005). A dualidade entre os benefícios do disclosure e a relutância das organizações em aumentar o grau de evidenciação. Revista Economia & Gestão, 5(11), 56-76.

Dantas, J. A., Rodrigues, F. F., Niyama, J. K., & Mendes, P. C. M. (2010). Normatização contábil baseada em princípios ou em regras? Benefícios, custos, oportunidades e riscos. Revista de Contabilidade e Organizações, 4(9), 3-29. <https://doi.org/10.11606/rco.v4i9.34765>

Gil, A. C. (2008). Como elaborar projetos de pesquisa (4a. ed.). São Paulo: Atlas.

Gonçalves, O., & Ott, E. (2002). A evidenciação nas companhias brasileiras de capital aberto. Anais do Encontro Anual Da Associação Nacional Dos Programas De Pós-Graduação Em Administração – ENANPAD, Salvador, BA, Brasil, 26.

International Accounting Standards Board (2005). International Accounting Standards nº 17. Leases—A user’s guide through the official text of IAS 17. IFRIC 4 and SICs 15 & 27.

International Financial Reporting Standards (2016). IFRS 16 - Leases. Londres: IFRS Foundation.

Iudícibus, S. (1995). Teoria da Contabilidade (4a. ed.) São Paulo: Atlas.

Iudícibus, S. de, & Lopes, A. B. Teoria avançada da contabilidade. São Paulo: Atlas, 2004

Lemes, S., & Oliveira, V. A. (2011). Nível de convergência dos princípios contábeis brasileiros e norte-americanos às normas do IASB: uma contribuição para a adoção das IFRS por empresas brasileiras. Revista Contabilidade & Finanças - USP, 22(56), 155-173. <https://doi.org/10.1590/S1519-70772011000200003>

Lopes, J. E. G., Ribeiro Filho, J. F., Pereira, D. M. V. G., Pederneiras, M. M. M., Silva, F. D. C., & Santos, R. D. (2010). Um estudo da relação entre o lucro contábil e o disclosure das companhias abertas do setor de Materiais Básicos. BASE - Revista de Administração e Contabilidade da UNISINOS, 7(3), 208-220. <https://doi.org/10.4013/base.2010.73.03>

Martins, E., Martins, V. A., & Martins, É. A. (2007). Normatização Contábil: Ensaio Sobre Sua Evolução E O Papel Do Cpc. Revista de Informação Contábil, 1(1) 2007. <https://doi.org/10.34629/ufpe-iscal/1982-3967.2007.v1.7-30>

Martins, O. S., Vasconcelos, A. F. de, & Souza, M. V. de (2008). O tratamento contábil do arrendamento mercantil nas demonstrações financeiras: o jogo de interesses versus a busca pela transparência dessas demonstrações. Qualitas Revista Eletrônica, 7(1). <http://dx.doi.org/10.18391/qualitas.v7i1.158>

Matos, N. B., & Niyama, J. K. (2018). IFRS 16 - Leases: Desafios, Perspectivas e Implicações à Luz da Essência Sobre a Forma. Revista De Educação E Pesquisa Em Contabilidade (REPeC), 12(3). <https://doi.org/10.17524/repec.v12i3.1858>

Moura, C. M. (2017). Análise do grau de evidenciação do arrendamento mercantil pelas empresas listadas no Ibovespa. Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG, Brasil.

Murcia, F., & de Matos, E. (2020). IFRS 16: uma visão contábil prática e crítica da nova norma de leasing sob a ótica das arrendatárias. Revista Brasileira De Contabilidade, (238), 50-65.

Niyama, J. K., & Gomes, A. O. (1996). Contribuição ao aperfeiçoamento dos procedimentos de evidenciação contábil aplicáveis às demonstrações financeiras de bancos e instituições assemelhadas. Anais do Congresso Brasileiro de Contabilidade, Brasília, DF, Brasil.

Niyama, J. K. (1998). Comparação entre princípios contábeis norte-americanos e brasileiros - principais divergências no âmbito das instituições financeiras. Contabilidade, Gestão e Governança, 1(1).

Niyama, J. K., Silva, C. A. T. (2011). Teoria da Contabilidade (2a. ed.). São Paulo: Atlas.

Oliveira, A. C. L. B., Bonfim, M. P., & Fraga, A. N. (2019). CPC 06 (R2): Uma Análise de sua Aplicação e Impacto nas Demonstrações Financeiras da Arrendatário. Pensar Contábil, 21(74), 31-40.

Pereira, D., Lopes, J., Pederneiras, M., Santos, R. (2008). Um estudo sobre a relação entre o lucro contábil e o disclosure das companhias abertas do setor de materiais básicos: evidências empíricas no mercado brasileiro de capitais. Anais do Encontro da Associação Nacional do Programas de Pós Graduação em Ciências Contábeis, Salvador, BA, 2.

PriceWaterhouseCoopers (2019). CPC 06 - Operações de Arrendamento Mercantil - IN RFB nº 1.889/2019.

Ribeiro, C. (1970). Leasing: fator de produtividade. Rio de Janeiro: Guanabara.

Ribeiro, T. (2017). IFRS 16: impacto no setor aéreo. Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG, Brasil.

Santos, D., Castilho, D., & Gonzales, A. (2017). Avaliação do nível de Disclosure de passivos ambientais contingentes pelas principais empresas do setor elétrico entre 2010 E 2014. Revista Científica Hermes - FIPEN, 19, 585-609.

Silva, A. da, Brighenti, J., & Klann, R. C. (2018). Efeitos da convergência às normas contábeis internacionais na relevância da informação contábil de empresas brasileiras. Revista Ambiente Contábil, 10(1), 121-138. <https://doi.org/10.21680/2176-9036.2018v10n1ID11016>

Publicado

06-01-2022

Como Citar

SILVA, Ícaro L. de S. .; GONZALES, A. .; SANTOS, F. de A. . Avaliação do nível de disclosure de arrendamentos mercantis nas demonstrações contábeis de empresas de consumo não-cíclico: um estudo sob a luz do novo IFRS 16 . REVISTA AMBIENTE CONTÁBIL - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ISSN 2176-9036, [S. l.], v. 14, n. 1, 2022. DOI: 10.21680/2176-9036.2022v14n1ID27711. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/ambiente/article/view/27711. Acesso em: 27 jun. 2022.

Edição

Seção

Seção 7: Internacional (S7)