Percepções discentes sobre a influência de jogos educacionais na realização e motivação, um estudo baseado na Teoria do Fluxo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/2176-9036.2022v14n2ID29394

Palavras-chave:

Teoria do Fluxo; Jogos Educacionais; Experiência do Fluxo; Realização Discente; Motivação Discente.

Resumo

Objetivo: O presente estudo teve como objetivo analisar a influência de jogos educacionais nas percepções de motivação e realização dos discentes de uma disciplina de Contabilidade e Análise de Custos de uma IES da região Sul do Brasil.

Metodologia: Aplicou-se um jogo seguido de um questionário a 32 (trinta e dois) estudantes. O jogo aplicado chama-se Space Race. O questionário baseou-se na Teoria do Fluxo com intuito de captar as percepções dos alunos quanto à experiência de fluxo vivenciada durante a aplicação do jogo. A Teoria do Fluxo analisa o estado mental caracterizado pela concentração e foco em uma atividade, tendo como consequência a realização e a motivação, baseando-se no equilíbrio entre habilidades e o desafio enfrentado. Os dados quantitativos foram tratados por meio de estatística descritiva e Teste de Kruskal-Wallis.

Resultados: Os resultados evidenciaram que os alunos vivenciaram uma experiência de fluxo, sendo as dimensões Clareza do Objetivo e o Feedback as que mais contribuíram para esse resultado. Outros resultados foram que: i) o Feedback imediato motivou os alunos que estavam acertando as questões, porém frustrou os que estavam errando; ii) a competição oriunda do jogo gerou reações diversas de ansiedade a motivação nos alunos e; iii) problemas com a conexão com a internet durante a realização do jogo revelam uma barreira tecnológica.

Contribuições do Estudo: O estudo contribui ao: i) apresentar a Teoria do Fluxo e suas dimensões, ferramenta que pode ser utilizada para mensuração da motivação e realização discente; ii) analisar as percepções dos discentes diante da aplicação de um jogo educacional; iii) introduzir um jogo gratuito adequado ao contexto do ensino em contabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Scuizato Telles, Controllership and Accounting at the School of Economics, Administration and Accounting of Ribeirão Preto (FEAUSP-RP).

PhD student in Controllership and Accounting at the School of Economics, Administration and Accounting of Ribeirão Preto (FEAUSP-RP).

Luana Santos Mateo, University of Maringá (UEM).

Master's student in Accounting Sciences in the Postgraduate Program in Accounting Sciences at the State University of Maringá (UEM).

Joyce Menezes da Fonseca Tonin, University of Maringá (UEM).

PhD from the Graduate Program in Accounting at the Federal University of Paraná (UFPR). Adjunct Professor, Department of Accounting, State University of Maringá (UEM).

Referências

Araújo, R. C.; & Andrade, M. A. (2011). Experiência de fluxo e prática instrumental: dois estudos de caso. Revista DAPesquisa, 6(8), pp. 553-563. doi: 10.5965/1808312906082011553

Abrantes, S. L.; & Gouveia, L. M. B. (2007). Será que os jogos são eficientes para ensinar? Um estudo baseado na experiência de fluxo. Anais da Conferência Internacional de Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação, Braga, Portugal, 5.

Calabor, M. S.; Mora, A.; & Moya, S. (2019). The future of 'serious games' in accounting education: A Delphi study. Journal of Accounting Education, 46(1), pp. 43–52. doi: 10.1016/j.jaccedu.2018.12.004

Creswell, J. W. (2010). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. (3. ed.) Porto Alegre: Artmed.

Crookall, D. (2010). Serious games, debriefing, and simulation/gaming as a discipline. Simulation & Gaming, 41(6), 898–920. doi: 10.1177/1046878110390784

Csikszentmihalyi, M. (2003). Good Business: Flow. Leadership ad Making of Meaning. New York: Viking.

Csikszentmihalyi, M. (1999). A descoberta do fluxo. Psicologia do envolvimento com a vida cotidiana. Rio de Janeiro: Rocco.

Csikszentmihalyi, M. (1997). Finding flow: The psychology of engagement with everyday life. (1. ed.) New York: BasicBooks.

Csikszentmihalyi, M. (1996). Creativity: Flow and Psychology of Discovery and Invention. New York: Harper Collins.

Csikszentmihalyi, M. (1992). A psicologia da felicidade. São Paulo: Saraiva.

Csikszentmihalyi, M. (1990). Flow: The psychology of Optimal Experience. New York: Harper & Row.

Falkembach, G. A. M. (2006). O lúdico e os jogos educacionais. Recuperado em 18 setembro 2020, de http://matpraticas.pbworks.com/w/file/fetch/85177681/Leitura_1.pdf.

Fu, F. L.; Su, R. C.; & Yu, S. C. (2009). EGameFlow: A scale to measure learners’ enjoyment of e-learning games. Computers & Education, 52(1), pp. 101– 112. doi: 10.1016/j.compedu.2008.07.004

Gil, A.C. (2018). Didática do ensino superior. (2. ed.) São Paulo: Atlas.

Gujarati, D. N. & Porter, D. C. (2011). Econometria Básica. (5. ed.) Porto Alegre: AMGH Editora Ltda.

Hair, J. F.; Black, W. C.; Babin, B. J.; Anderson, R. E.; & Tatham. R. L. (2009). Análise multivariada de dados. (6. ed.) Porto Alegre: Bookman.

Hamlen, K. R. (2010). Re-Examining Gender Differences in Video Game Play: Time Spent and Feelings of Success. Journal of Educational Computing Research, 43(3), pp. 293–308. doi: 10.2190/EC.43.3.b

Jouan, J.; De Graeuwe, M.; Carof, M.; Baccar, R; Bareille, N.; Bastian, S.; Brogna, D.; Burgio, G.; Couvreur, S.; Cupial, M.; Dumont, B.; Jacquot, A. L.; Magagnoli, S.; Makulska, J.; Maréchal, K.; Pérès, G.; Ridier, A.; Salou, T.; Tombarkiewicz, B.; Sgolastra, F.; & Godinot, O. Learning Interdisciplinarity and systems approaches in agroecology: Experience with the serious game SEGAE. Sustainability, 11(1), pp. 1-15. doi: 10.3390/su12114351

Killi, K.; Lainema, T.; Freitas, S.; & Arnab, S. (2014). Flow framework for analyzing the quality of educational games. Entertainment Computing, 5(4), pp. 367-377. doi: 10.1016/j.entcom.2014.08.002

Kiili, K. (2006). Evaluations of an experiential gaming model. Human Technology: An Interdisciplinary. Journal on Humans in ICT Environments, 2(2), pp. 187– 201.

Lucchesi, I. L. (2019). Avaliação do estado de interesse e do estudo de fluxo por meio de jogos digitais educacionais no ensino de matemática. Tese de Doutorado em Informática na Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Matsuura, A. A. (2008). Motivações e dificuldades de estudantes do curso de Ciências Contábeis no período noturno da cidade de São Paulo. Dissertação de Mestrado em Ciências Contabeis, Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (FECAP), São Paulo, SP, Brasil.

Moura, M. C.; Quirino, M. C. O.; Segantini, G. T.; & Araujo, A. O. Influência do método de ensino na aprendizagem dos métodos quantitativos no cruso de ciências contábeis da UFRN. Revista Universo Contábil, 6(1), pp. 19-34. doi 10.21680/2176-9036

Nakamura, J., & Csikszentmihalyi, M. (2009). The concept of flow. In Snyder, C. R., & Lopez, S. J. (Ed.). Oxford handbook of positive psychology. Oxford University Press, USA. 89-105.

Procci, K.; Singer, A. R.; Levy, K. R.; & Bowers, C. (2012). Measuring the flow experience of gamers: an evaluation of the DFS-2. Computers in Human Behavior, 28(6), pp. 2306–2312. doi: 10.1016/j.chb.2012.06.039

Santos, F. B. B.; Tedesco, A.; & Furtado, B. (2012). Mapeamento de jogos educacionais. REP - Revista Espaço Pedagógico, v. 19, n. 2, Passo Fundo, p. 353-363. doi: 10.5335/rep.2013.3150

Savi, R.; Ulbricht, V. R. (2008) Jogos Digitais Educacionais: Benefícios e Desafios. RENOTE - Revista Novas Tecnologias na Educação. 6(1), pp. 1-10.

Savi, R., Wangenheim, C. G. Borgatto, A. (2011). Um Modelo de Avaliação de Jogos Educacionais na Engenharia de Software. Anais do Brazilian Symposium on Software Engineering, São Paulo, SP, Brasil, 25.

Silva, I. K. O.; & Morais, M. J. O. (2011). Desenvolvimento de Jogos Educacionais no Apoio do Processo de Ensino aprendizagem no Ensino Fundamental. HOLOS, 5(1), pp. 153-164. doi: 10.15628/holos.2011.705

Silva Neto, S. R., Santos, H. R. M., Souza, A. A., & Santos, W. O. (2013). Jogos Educacionais como Ferramenta de Auxílio em Sala de Aula. Anais do Congresso Brasileiro de Informática na Educação, Campinas, SP, Brasil, 2.

Silva, R.; Rodrigues, R., & Leal, C. (2019). Play it again: how game-based learning improves flow in Accounting and Marketing education. Accounting Education, (28) 5, pp. 484-507. doi: 10.1080/09639284.2019.1647859

Socrative (2019). Space Race. Recuperado em 25 de novembro, 2019 de https://b.socrative.com.

Sweetser, P., & Wyeth, P. (2005). Gameflow: A model for evaluating player enjoyment in games. Computers in Entertainment, 3(3), 1–24. doi: 10.1145/1077246.1077253

Tantan, O. C.; Lang, D.; & Boughzala, I. (2016). Learning business process management through serious games. Anais do IEEE Conference on Business Informatics, Paris, France, 18.

Vendruscolo, M. I.; & Behar, P. A. (2014). Educação e pesquisa em contabilidade: estado da arte do Congresso USP de Controladoria e Contabilidade do período de 2004 a 2012. Revista Ambiente Contábil, 6(1), pp. 83-98. doi: 10.21680/2176-9036

Weibel, D.; Wissmath, B.; Habegger, S.; Steiner, Y.; & Groner, R. (2008). Playing online games against computer vs. human-controlled opponents: effects on presence, flow, and enjoyment, Computers in Human Behavior. 24(5); pp. 2274–2291. doi: 10.1016/j.chb.2007.11.002

Publicado

04-07-2022

Como Citar

TELLES, R. S. .; MATEO, L. S. .; TONIN, J. M. da F. . Percepções discentes sobre a influência de jogos educacionais na realização e motivação, um estudo baseado na Teoria do Fluxo . REVISTA AMBIENTE CONTÁBIL - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ISSN 2176-9036, [S. l.], v. 14, n. 2, 2022. DOI: 10.21680/2176-9036.2022v14n2ID29394. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/ambiente/article/view/29394. Acesso em: 9 dez. 2022.

Edição

Seção

Seção 7: Internacional (S7)