Estilos de aprendizagem e técnicas de ensino: uma análise sobre seus efeitos no conhecimento adquirido

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/2176-9036.2023v15n1ID29453

Palavras-chave:

Técnicas de ensino, Estilos de aprendizagem, avaliação formativa e autoavaliação.

Resumo

Objetivo: Averiguar se os estilos de aprendizagem dos alunos impactam no conhecimento adquirido levando em consideração a aplicação de técnicas de ensino em sala de aula, buscando, especificamente, saber se os sujeitos estudados aprendem no decorrer da aplicação da técnica.

Metodologia: Um quase-experimento em uma turma do curso de graduação de uma Universidade Federal, com abordagem quantitativa por meio da Análise de modelos generalizados mistos.

Resultados: Constatou-se que os estilos de aprendizagem não interferem na aprendizagem dos alunos, nas técnicas método de caso e PBL. Porém, na técnica Role-Play foi constatado que os estilos de aprendizagem interferiram na aprendizagem dos alunos. Deve-se observar que a predominância foi do estilo Assimilador, seguido do Convergente e após Acomodador. Os alunos pertencentes ao estilo acomodador possuíram um rendimento melhor se comparado aos outros alunos dos outros estilos.

Contribuições do Estudo: Observou-se que as técnicas de ensino podem contribuir com o conhecimento, e que especialmente, técnicas mais lúdicas como o Role-Play são favoráveis, mas dependem das características de aprendizagem de cada indivíduo. Dessa forma, o presente estudo contribui para o conhecimento no aspecto de indicar que o uso de técnicas de ensino, pode produzir resultados satisfatórios, desde que percebido o estilo de aprendizagem de cada aluno.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiane Munhoz de Azevedo, Universidade Federal do Rio Grande - FURG

Possui graduação em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do Rio Grande (2005). Possui especialização em Perícia Contábil pela Faculdade Unyleya (2017). Possui mestrado em Ciências Contábeis pela FURG(2020). Atualmente trabalha na empresa Azevedo Assessoria Contábil Ltda, atuando como contadora e também e atua professora da Escola Técnica Estadual Getúlio Vargas. Possui experiência em gestão nas áreas contábil, financeira e de recursos humanos. Possui experiência em Gestão de Qualidade ISO 9001, sendo responsável por processos na área de financeira-contábil e de participação em processos na área de recursos humanos. Atuação como auditora de processos ISO 9001. Possui experiência como Professora de Contabilidade no Curso de Técnico em Contabilidade. 

Alexandre Costa Quintana, Universidade Federal do Rio Grande - FURG

Doutor em Controladoria e Contabilidade pela Universidade de São Paulo (USP), Mestre em Administração pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e Graduado em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Atualmente professor da Universidade Federal do Rio Grande(FURG). Autor dos Livros: Fluxo de Caixa: Demonstrações Contábeis; Contabilidade Pública; Exame de Suficiência do CFC Comentado; Transparência: instrumento para governança pública no Brasil; NBCASP - Normas de Contabilidade Aplicadas ao Setor Público sob a ótica das IPSAS: um estudo comparativo; e Contabilidade Básica. Tem experiência na área de Contabilidade, com ênfase em Contabilidade Pública e Educação em Contabilidade, atuando principalmente nos seguintes temas: contabilidade aplicada ao setor público, transparência, tecnologias educacionais, pesquisa em contabilidade, organizações do terceiro setor e demonstração dos fluxos de caixa.

Marco Aurélio Gomes Barbosa, Universidade Federal do Rio Grande - FURG

Graduado em Ciências Contábeis pela Universidade Federal do Rio Grande - FURG (2004), Especialista em Auditoria e Perícia Contábil pela Universidade Católica de Pelotas - UCPEL (2006), Mestre em Ciências Contábeis e Controladoria (2009) e Doutor em Ciências Contábeis (2017) pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS. Atualmente é professor efetivo do curso de Ciências Contábeis e do PPG em Contabilidade da Universidade Federal do Rio Grande - FURG, Coordenador do Grupo InCompliance Brasil, Membro da Academia de Ciências Contábeis do Rio Grande do Sul, Vice-Presidente do CRCRS, Membro da Comissão para Elaboração de Projetos e Ações que visem o Aprimoramento do Ensino Contábil no País no CFC e da Comisíon Técnica Interamericana de Educacíon da Asociacíon Interamericana de Contabilidad (AIC). Possui interesse em pesquisas sobre Teorias para a Contabilidade, História da Contabilidade, Compliance, Ensino, Regulação e Controle.

Referências

Anastasiou, L. G. C., & Alves, L. P. (2005). Processos de ensinagem na universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. (5. ed.) Joinville: Univalle.

Andrade C. S, de. (2002). O Ensino de contabilidade introdutória nas universidades públicas do Brasil. (Dissertação de Mestrado) Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. Universidade de São Paulo. São Paulo, Brasil.

Applegate, L. M. (1993). Case Teaching of Harvard Business School: Some Advice for New Faculty. Boston: HBS, 12.

Araújo, A. M. P., & Slomski, V. G. (2013). Aplicação do método problem based learning (PBL) no curso de especialização em Controladoria e Finanças. Congresso Internacional PBL. Anais …

Arsmtrong, E. K. (2003). Applications of Role-Playing in tourism management teaching: AnEvaluation of a Lerarning Method. Journal of Hospitality, Leisure, Sport and Tourism Education, 2(1).

Batista, I. V. C. (2004). Percepções dos alunos de negócios acerca de um jogo de empresas online considerando os seus estilos de aprendizagem. (Dissertação de Mestrado) Faculdade Economia e Administração, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Bonk, C. J. & Smith, G. S. (1998). Alternative Instructional Stratégies for criative and critical thinking in the accounting curriculum. Journal accounting education, 16(16), 261-293.

Breslow, N. E. & Clayton, D. G. (1993). Approximate inference in generalized linear mixed models. JASA, 88, 9-25.

Campbell, D. T. & Stanley, J. C. (1973). Experimental and quase-experimental designs for research. Chicago: Rand Macnally & Company.

Cerqueira, T. C. (2008). Estilos de aprendizagem de kolb e sua importância na educação. Rev. De Estilos De Aprendizaje, 1(1), 109-123.

Chechin. M. R. (2002). Role-play para graduandos e o ensino da leitura. Linguagens & Cidadania, 4(2).

Cheetham, G. & Chivers, G. (2001). How professionals learn - the theory. Journal of European Industrial Training, 25(5), 247-292.

Dewey, J. (1953). Como Pensamos. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Dewey, J. (1959). Democracia e Educação. São Paulo: Companhia Editora Nacional.

Dochy, F., Segers, M, Bossche, P. V. D, & Gijbels, D. (2003). Effects of problem-based learning: a meta-analysis. Learning and Instruction. 13, 533-568.

Dunn, R. (1986). Learning styles: link between individual differences and affective instruction. North Carolina Educational Leadership, 1, 3-22.

Freire, P. (2013). Pedagogia do oprimido. São Paulo: Paz e Terra.

Frezatti, F, & Silva, S. C. (2014). Prática versus incerteza: como gerenciar o estudante nessa tensão na implementação de disciplina sob o prisma do PBL? Universo Contábil, 10, 28-46.

Gall, M. D., Borg, W. & Gall, M. (2003). Educational research. 7.ed. White Plains, New York: Longman Publishing.

Ghirardi, José. G (2021). Métodos de ensino em direito: conceitos para debate. São Paulo: Saraiva.

Gressler, T. H. (2002). Theatre as the essential liberal art in the American University. In: The Edwin Mellen Press. Queenston, Ontario, 16.

Guerra, C. J. O., & Teixeira. A. J. C. (2016). O impacto da adoção de metodologias ativas no desempenho dos discentes do curso de ciências contábeis de instituição de ensino superior mineira. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade (REPEC), 10(4).

Hackathorn, J., Solomon, E. D., Blankmeyer, K. L., Tennial, R. E., & Garczynski, A. M. (2011). Learning by doing: na empirical study of active theaching techniques. Journal of Effective Teaching. 11(2), 40-54.

Hair, J. F et al. (2009). Análise Multivariada de dados. (6. ed.) São Paulo: Bookman.

Kane, L. (2004). Educators, learners and active learning methologies. International Journal of lifelong education. 23(3), 275-286. Doi: 10.1080/0260/37042000229237

Kolb, A. Y., Kolb, D. A. (2005). The Kolb Learning Style Inventory – Version 3.1.2005.

Recuperado de: Htps://pdfs.semanticscholar.org/3cfe/53acc0eff44d736311d2402e9eadb2aa296f.pdf?_ga=2.210777425.597824170.1564951603-1248360529.1564951603, em 04 ago 2019.

Kolb, D. A. (1997). A gestão e o processo de aprendizagem. In: Starkey, K. Como as organizações aprendem: relatos do sucesso das grandes empresas. Sp: Fitura.

Kolb, D. A. (1984). Experimental learning: experience as the source of learning and development. New Jersey: Prentice-Hall, England Cliffs.

Kolb, D. A. (1993). Self-scoring Inventory and Interpretation Booklet. Boston, Hay Macber.

Kolb. D. A., & Fry, R. (1975). Toward an applied theory of experiential learning. In: C. Cooper (ed.) Theories of Group Process, London: John Wiley.

Libaneo, J. C. (2004). A didática e a aprendizagem do pensar e do aprender: a teoria histórico-cultural da atividade e a contribuição de Vasili Davydov. Rev. Brasileira de Educação. Rio de Janeiro, 27, 5-24.

Lima Filho, R. N., Bezerra, E. S., Silva, T. B. J. (2016). Estilo de Aprendizagem dos alunos do curso de ciências contábeis. Revista Gestão Universitária na América Latina, 2(9), 95-112. Doi: 10.5007/1983-4535.2016v9n2p95

Maier, N., Solem, A., & Maier, A.(1975). The Role-Play Technique: a handbook for management and leadership practice. University Associates Inc., La Jolla.

Martins, D, B., Espejo, M, M, S., & Frezatti, F. (2015). Problem-based Learning no Ensino de Contabilidade Gerencial: Relato de uma Experiência Brasileira. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade (REPeC), 9(4), 430-452.

Martins, G. A., & Theóphilo, C. R. (2016). Metodologia da Investigação Científica. São Paulo. (3. ed.) Atlas.

Naffah, N. (1979). O psicodrama: descolonizando o imaginário em ensaio sobre J. L Moreno. São Paulo.

Nuñez, A. M. (2003). El estúdio de casos: un enfoque cognitivo. México, DF: Trillas.

Reis, L. G., Tarifa, M. R., Nogueira, D. R. (2009). O processo de ensino da contabilidade custos e gerencial: uma análise comparativa entre o ensino presencial e o ensino à distância. In: Congresso Brasileiro de Custos, 16. Anais... Fortaleza, CE, Brasil. Recuperado em: https://anaiscbc.emnuvens.com.br/anais/article/viewFile/1116/1116, em: 14 set. 2020.

Resolução CNE/CES 10, de 16 de dezembro de 2004. (2004). Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. Brasília, DF. Recuperado de: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rces10_04.pdf, em 14 set. 2020.

Ribeiro, L. R. C. (2008). Aprendizagem Baseada em Problemas – PBL: uma experiência em ensino superior. São Carlos: EDUFSCAR.

Richardson, J. D. & Kleiner, B. H. (1992). The relevant effectiveness of diferente training and development methodologies. Management Research News, 15(10), 23-26.

Schimidt, H. G. (1993). Fundations of problem-based learning: some explanatory notes. Medical Education. 27, 422-432.

Silva, D. M. (2006). O impacto dos estilos de aprendizagem no ensino de contabilidade na FEA-RP/USP. Dissertação de Mestrado em Controladoria e Contabilidade da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto/USP, São Paulo, Brasil.

Souza, L. N. (2006). Role-play aplicado ao ensino de contabilidade: um estudo à luz dos estilos de aprendizagem e percepções discentes. Dissertação de Mestrado da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Stonham, P. (1995). For and against the case method. European Management Training Journal, 13(2), 230-232.

Swiercz, P. & Ross, K (2003). Rational, human, political and symbolic text in Harvard business school casa: a study of structure and content. Journal of Management Education, 21(4), 407–430.

Vergara, S. C. (2003). Repensando a relação ensino-aprendizagem em administração: argumentos teóricos, práticas e recursos. Organização da sociedade. 10, 131-142.

Vieira, R. M. & Vieira, C. (2005). Estratégias de ensino/aprendizagem. Lisboa. Instituto Piaget.

Wilcoxon, F. (1945). Individual comparisons by ranking methods. Biométrics Bulletin, 1(6), 80-83.

Wilks, D. S. (2006). Método estatístico nas ciências atmosféricas. (2.ed.). Elsevier.

Zabalza, M. A. (2004). O ensino universitário seu cenário e seus protagonistas. Porto Alegre. Artmed.

Downloads

Publicado

02-01-2023

Como Citar

AZEVEDO, C. M. de; QUINTANA, A. C.; BARBOSA, M. A. G. Estilos de aprendizagem e técnicas de ensino: uma análise sobre seus efeitos no conhecimento adquirido. REVISTA AMBIENTE CONTÁBIL - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ISSN 2176-9036, [S. l.], v. 15, n. 1, p. 365–388, 2023. DOI: 10.21680/2176-9036.2023v15n1ID29453. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/ambiente/article/view/29453. Acesso em: 24 jun. 2024.

Edição

Seção

Seção 3: Pesquisas de Campo sobre Contabilidade (Survey) (S3)