Equilíbrio fiscal e a influência do crescimento econômico na variação da despesa com pessoal dos estados brasileiros face aos limites da LRF

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/2176-9036.2024v16n2ID33614

Palavras-chave:

Despesas de Pessoal, ciclos políticos orçamentários, : Lei de Responsabilidade Fiscal

Resumo

Objetivo: Investigar qual a influência do crescimento econômico na variação da despesa com pessoal dos estados brasileiros, após a publicação da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Ele amplia pesquisas anteriores relacionadas ao gasto com pessoal e ao crescimento econômico dos Estados.

Metodologia: Foi realizada análise documental nos Relatórios de Gestão Fiscal (RGF), publicados por todos os entes no período de 2002 a 2018. Ao todo foram analisados 1170 documentos fiscais com a finalidade de descrever o comportamento dessas despesas ao longo dos anos. A análise dos dados foi realizada com a utilização de técnicas econométricas por meio de um modelo de regressão de dados em painel, considerando o fato da amostra ser composta por dados temporais e seccionais.

 Resultados: A análise de regressão pelo efeito fixo demonstrou que a variação do Produto Interno Bruto, os limites estabelecidos pela Lei de Responsabilidade Fiscal e a População apresentaram sinal positivo e influência significativa ao nível de 1% sobre a variação das despesas com pessoal dos estados brasileiros. Em outras palavras, quanto maior o crescimento econômico e a população do estado, maior será o gasto público com pessoal. A variável, Limite da Lei de Responsabilidade Fiscal, apresentou influência direta sobre o controle dos gastos públicos com as despesas de pessoal, demonstrada através das análises gráficas e econométrica. Assim, a pesquisa conclui que o crescimento econômico, representado pelo PIB dos estados, e tamanho da população influenciam positivamente na variação das despesas com pessoal dos estados brasileiros, tendo em vista que tais fatores representam pressões por gastos com pessoal, afetando de forma direta a gestão dos recursos públicos e, consequentemente, o endividamento dos estados.

Contribuição do Estudo: Identificar determinantes que influenciam na variação das despesas com pessoal e seus respectivos limites estabelecidos na Lei de Responsabilidade Fiscal. A relevância se dá devido a composição da despesa com pessoal em relação ao orçamento fiscal, onde representa uma parcela significativa no âmbito orçamentário e preocupa os gestores e órgãos de controle quanto a necessidade de equilíbrio das contas públicas. Por fim, estudos sobre os impactos fiscais que a LRF trouxe para a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios são de grande valia para que se possa comprovar se a norma contribuiu para que os entes federados evitassem o desequilíbrio orçamentário e o endividamento excessivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jeremias Pereira da Silva Arraes, Universidade de Brasília - UNB

Doutorando do Programa de Pós-graduação em Ciências Contábeis da Universidade de Brasília (UnB), Brasil. Mestre em Gestão Pública pela Universidade de Brasília (UnB).

Francielle Rodrigues do Nascimento Voltarelli de Freitas, Universidade de Brasília-UNB

Doutoranda do Programa de Pós-graduação em Ciências Contábeis da Universidade de Brasília (UnB), Brasil. Mestre em Contabilidade pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste).

Djones Derkyan Texeira dos Santos, Universidade de Brasília-UNB

Doutorando do Programa de Pós-graduação em Ciências Contábeis da Universidade de Brasília (UnB), Brasil. Mestre em Ciências Contábeis pela Universidade de Brasília (UnB).

Dimmitre Morant Vieira Gonçalves Pereira, Universidade de Brasília-UNB

Doutorando do Programa de Pós-graduação em Ciências Contábeis da Universidade de Brasília (UnB), Brasil. Mestre em Ciências Contábeis pela Universidade de Brasília (UnB).

Referências

Afonso, J. R. (2016). Uma História da Lei Brasileira de Responsabilidade Fiscal. Direito Público, 13. Recuperado de https://portal.idp.emnuvens.com.br/direitopublico/article/view/2610

Araújo, A. H. S., & Santos, J. E. F., & Gomes, F. G. (2015). Lei de Responsabilidade Fiscal: efeitos e consequências sobre os municípios alagoanos no período 2000-10. Revista de Administração Pública, 49(3), 739-759. Recuperado de https://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/49092

Arraes, J. P. S. & Freitas, F. R. N. V. & Santos, D. D. T. & Pereira, D. M. V. G. (2022).

Equilíbrio fiscal e a influência do crescimento econômico na variação da despesa com pessoal dos estados brasileiros face aos limites da LRF. [Anais]. 22º USP International Conference in Accounting, São Paulo.

Barroso, R., & Rocha, R. (2004). Is the Brazilian Fiscal Responsibility Law (LRF) really binding? Evidence from state-level government [A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) realmente é vinculante? Evidências do governo estadual]. Anais do XXXII Encontro Nacional de Economia. https://ideas.repec.org/p/anp/en2004/024.html

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. (1988). Brasília. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm

Dalmonech, L. F., Teixeira, A., & Sant'anna, J. M. B. (2011). O impacto ex-post da Lei de Responsabilidade Fiscal nº101/2000 nas finanças dos estados brasileiros. Revista de Administração Pública, 45(4), 1173-1196. Recuperado de . https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0034-6122011000400012&script=sciarttext&tlng =pt

Dias, F. A. C. (2009). O controle institucional das despesas com pessoal. Brasília: Centro de Estudos da Consultoria do Senado Federal. https://www2.senado.leg.br/bdsf/handle/id/150158

Fávero, L. P., & Belfiore, P., & Silva, F. L., & Chan, B. L. (2009). Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisões (4a reimp.). Rio de Janeiro, RJ: Elsevier.

Faria, D. M. (2009). Gestão fiscal responsável e qualidade de vida da sociedade: uma análise do desempenho dos estados brasileiros. (Dissertação de Mestrado) Escola Brasileira de Administração Pública e Empresas da Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, RJ.

FRIEDMAN, J. (2011). Insurgencies. London: Routledge.

Giuberti, A. C. (2005). Efeitos da lei de responsabilidade fiscal sobre os gastos dos municípios brasileiros (Dissertação de Mestrado). Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.

Gray, D. E. (2012). Pesquisa no mundo real (2a. ed.). Porto Alegre: Penso.

Gujarati, D. N., & Porter, D. C. (2011). Econometria básica (5a. ed.). Porto Alegre: AMGH.

Herling, L. H. D., Moritz, G. O., Costa, A. M., & Pereira, M. F. (2013). A pesquisa quantitativa nas finanças de curto prazo. Revista de Administração, 12(2). Recuperado de https://www.redalyc.org/pdf/1940/194032106007.pdf

Khair, A. A. (2000). Lei de Responsabilidade Fiscal: guia de orientação para as prefeituras. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão; BNDES.

Lei Complementar nº 101, 4 de maio de 2000. Dispõe sobre a Lei de Responsabilidade Fiscal - LRF. Brasília, DF. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LCP/Lcp101.htm

Linhares, F., Penna, C., & Borges, G. (2013). Os efeitos da Lei de Responsabilidade Fiscal no endividamento dos municípios do Piauí. Revista de Administração Pública, 47(6), 1359-1374. Recuperado de https://www.scielo.br/j/rap/a/JxLMtchvmZ5nLYPQ57vRmjS/?format=pdf

Lima, S. C. D. (2011). Desempenho fiscal da dívida dos grandes municípios brasileiros. (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.

Lima, S. C. & Diniz, J. A. (2016). Análise Financeira Governamental (1a. ed). São Paulo: Atlas.

Lopes, B. L., Da Cruz, A. F., Pimenta, D. P., & Soares, G. F. (2018). A gestão fiscal do estado do Rio de Janeiro: uma análise à luz da LRF e da sustentabilidade da dívida no período de 2001 a 2017. Revista de Administração Pública. 52(4), 764-775. Recuperado de https://periodicos.fgv.br/rap/article/view/75726

Macedo, J. J., & Corbari, E.C. (2009). Efeitos da lei de responsabilidade fiscal no endividamento dos municípios brasileiros: uma análise de dados em painéis. Revista Contabilidade & Finanças, 20(51), 44-60. doi: 10.1590/S1519-70772009000300004

Malafaia, F. C. B. (2011). Controle social e controle externo podem interagir? Avaliação das práticas do TCE-TO no estímulo à participação cidadã .Dissertação Mestrado. Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas da Fundação Getúlio Vargas.

Mercês, G. & Freire, N. (2017). Crise fiscal dos estados e o caso do Rio de Janeiro. Geo Uerj, (31), 64-80. https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/geouerj/article/view/32070

Nascimento, E. R., & Debus, I. (2002). Lei complementar nº 101/2000: entendendo a lei de responsabilidade fiscal. Brasília, DF: Secretaria do Tesouro Nacional.

North, D. C., Mantzavinos, C., & Shariq S. (1990). Institutions, institutional change and economic performance. Cambridge university press.

Pereira, M. (2017). Finanças públicas. (7a ed.). São Paulo: Atlas.

Portaria nº 161, de 10 de Maio de 2016. (2016). http://plataformamaisbrasil.gov.br/legislacao/portarias/portaria-n-161-de-10-de-maio-de-2016

Portaria nº 33, de 22 de janeiro de 2020. (2020). http://plataformamaisbrasil.gov.br/legislacao/portarias/portaria-n-33-de-22-de-janeiro-de-2020

Rabelo, N. C., & Rodrigues , M. S. Jr., (2018). Análise das despesas com pessoal dos Poderes Executivos dos estados do Nordeste quanto aos limites estabelecidos na lei de responsabilidade fiscal. Revista Controle: Doutrinas e artigos, 16 (1), 243. Recuperado de https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=6558141

Sacramento, A. R. S. (2005). Contribuições da Lei de Responsabilidade Fiscal para o avanço da Accountability no Brasil. Cadernos Gestão Pública e Cidadania, 10(47). http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/cgpc/article/view/44042/42965

Santolin, R., Jayme, F. G. Jr, & Reis, J. C. (2009). Lei de Responsabilidade Fiscal e implicações na despesa de pessoal e de investimento nos municípios mineiros: um estudo com dados em painel dinâmico. Estudos Econômicos, 39(4), 895-923. doi: 10.1590/S0101-41612009000400008

Schedler, A. (1999). Conceptualizing Accountability. In: A. Schedler, L. Diamond, & M. F. Plattner, The Self-Restraining State: Power and Accountability in New Democracies (pp. 13-28). Boulder, Colorado: Lynne Rienner Publishers.

Secretaria do Tesouro Nacional [STN] (2016). Boletim de Finanças Públicas de Estados e Municípios. Brasília. . http://www.tesouro.fazenda.gov.br/-/tesouro-nacional-lanca-boletim-de-financas-publicas-de-estados-e-municipios

Soares, F. X. F. (2014). Previsão da receita corrente líquida dos entes federados: análise da acurácia do modelo governo vs modelo holt-winter (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR.

Toledo, F. C. Jr. & Rossi, S. C. (2005). Lei de responsabilidade fiscal: comentada artigo por artigo. São Paulo: NDJ

Torres, F. R., & Valle, B. S. (2008). Impactos sobre a despesa com pessoal dos estados brasileiros em decorrência da LRF. Encontro da Anpad, 32. http://www.anpad.org.br/admin/pdf/APS-A154.pdf

Downloads

Publicado

01-07-2024

Como Citar

ARRAES, J. P. da S.; FREITAS, F. R. do N. V. de; SANTOS, D. D. T. dos; PEREIRA, D. M. V. G. . Equilíbrio fiscal e a influência do crescimento econômico na variação da despesa com pessoal dos estados brasileiros face aos limites da LRF. REVISTA AMBIENTE CONTÁBIL - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ISSN 2176-9036, [S. l.], v. 16, n. 2, p. 268–285, 2024. DOI: 10.21680/2176-9036.2024v16n2ID33614. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/ambiente/article/view/33614. Acesso em: 16 jul. 2024.

Edição

Seção

Seção 2: Contabilidade Aplicada ao Setor Público e ao Terceiro Setor (S2)