Structuring of management control systems by resident organizations in technological parks

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21680/2176-9036.2024v16n1ID34956

Palavras-chave:

Sistemas de Controle Gerencial; Parques Tecnológicos; Empresas Incubadas.

Resumo

Objetivo: A presente pesquisa enfatiza os modelos de sistema de controle gerencial, com o objetivo de analisar a estruturação dos SCGs das empresas incubadas no Parque de Ciência e Tecnologia Guamá, permitindo mensurar o nível de estruturação de seus processos de gestão.

Metodologia: Trata-se de pesquisa exploratória desenvolvida com abordagem quantitativa, por meio da aplicação de questionários aplicados presencialmente em 15 empreendimentos do Parque de Ciência e Tecnologia Guamá.

Resultados: Os resultados indicaram que os empreendedores residentes possuem sistemas de controle gerencial estruturados, com maior ênfase para marcadores de planejamento e controle de resultados e menor estruturação de controles culturais e comportamentais, coadunando com os resultados obtidos com a própria importância atribuída pelos gestores ao uso de SCG. Conclui-se que as empresas participantes da pesquisa realizam uma gestão equilibrada entre o planejamento e o controle operacional, com necessidade de realização de ações para estimular o uso de ferramentas gerenciais que auxiliem na divulgação da cultura e nos controles comportamentais.

Contribuições do Estudo: Como contribuição prática, este estudo coopera para o aprimoramento da gestão de Parques Tecnológicos, a partir do mapeamento das necessidades de seus usuários. Como contribuição acadêmica, acreditamos que compreender fatores de gestão que estão melhor desenvolvidos e os que precisam se desenvolver para o atingimento de níveis satisfatórios de sistemas de controle gerencial é crítico para a definição de políticas internas de desenvolvimento dos processos de gestão, dessa forma, caminhando para a contribuição social da pesquisa, na qual o aprimoramento teórico favorece empreendedores e seus empreendimentos, com ganhos para o ecossistema dos parques tecnológicos e para a sociedade como um todo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Márcia Athayde Moreira, Federal University of Pará.

PhD in Controllership and Accounting (USP). Professor at the Federal University of Pará - Faculty of Accounting Sciences.

Everaldo Marcelo Souza da Costa, University of Amazonia.

PhD in Business Administration. Professor at the University of Amazonia - Master's and Doctoral Program in Administration

Carlos Augusto Santana de Freitas, Federal University of Pará.

Scientific Initiation Fellow. Federal University of Pará - Faculty of Accounting Sciences.

Referências

Abbud, E. B.; Tonelli, D. F. (2018). Governança Colaborativa: Implantação de Parques Tecnológicos pelo Governo De MG. BASE – Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, 15(2), 95-110.

Anthony, R. N.; Govindarajan, V. (2011). Sistemas de controle gerencial. AMGH Editora.

Associação Nacional De Entidades Promotoras De Empreendimentos Inovadores (ANPROTEC). (2021). Sobre a ANPROTEC. Recuperado em 4 de fevereiro, 2021, de: https://anprotec.org.br/site/sobre/.

Audy, J., & Piqué, J. (2016). Dos parques científicos e tecnológicos aos ecossistemas de inovação: desenvolvimento social e econômico na sociedade do conhecimento. Brasília, DF: ANPROTEC.

Benedetti, M. H., Rebello, K. M. R., & Reyes, D. E. C. (2006). Empreendedores e inovação: contribuições para a estratégia do empreendimento. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 5(1), 1-15. (https://doi.org/10.21529/RECADM.20060501005).

Beuren, I. M., Santos, V., & Theiss, V. (2018). Análise da Formalidade dos Sistemas de Controle Gerencial em Empresas Incubadas. RMC, Revista Mineira de Contabilidade, 19(2), 19-30. (https://doi.org/10.21714/2446-9114RMC2018v19n2t02).

Borsatto Junior, J. L.; Vesco, D. G. D. (2020). Sistemas de Controle Gerencial como Instrumento de Poder sob a Ótica De Bourdieu. Revista Universo Contábil, 16(1), 27-53. (http://dx.doi.org/10.4270/ruc.2020102).

Brasil (2004). Lei nº 10.973, 2 dez. 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Recuperado em 4 fevereiro, 2021, de: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.973.htm>.

Campos, B. R.; Gáudio, A. E. G. M. (2014). A Utilização de Ferramentas de Controle Gerencial em Micro e Pequenas Empresa da Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Revista da Micro e Pequena Empresa, 8(3), 66 – 78.

Chenhall, R. H. (2003). Management control systems design within its organizational context: findings from contingency-based re¬search and directions for the future. Accounting, Organizations and Society, 28(2-3), 127-168. (https://doi.org/10.1016/S0361-3682(01)00027-7).

Costa, L. F. S., França, M. C. L. & Teixeira, R. M. (2010). Apoio gerencial na incubação de empresas de base tecnológica: o caso da incubadora Cise. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 4(1), 1-15.

Fávero, L. P. L.; Belfiore, P. P. (2017). Manual De Análise De Dados: estatística e modelagem multivariada com Excel, SPSS e Stata. Rio de janeiro: Elsevier.

IASP - International Association of Science Parks. (2020). Definitions. Recuperado em 4 de fevereiro, 2021, de: https://www.iasp.ws/our-industry/definitions.

Lenzi, F. C., & Kiesel, M. D. (Org.). (2009). O empreendedor de visão. São Paulo: Atlas.

Malmi, T.; Brown, D. (2008). Management control systems as a package – Opportunities, challenges, and research directions. Manage¬ment Accounting Research, 19(4), 287-300. (https://doi.org/10.1016/j.mar.2008.09.003).

Moreira, M. A.; Borges, D, N.; Santiago, A. M. (2017). Relação Entre Formação Estratégica E Sistemas De Controle Gerencial. Contabilidade, Gestão E Governança – Brasília, 20(1), 133-152.

Neck, H. M., Meyer, G. D., Cohen, B., & Corbett, A. C. (2004). An entrepreneurial system view of new venture creation. Journal of small business management, 42(2), 190-208.

Oliveira, R., & Velho, L. (2009). Benefícios e riscos da proteção e comercialização da pesquisa acadêmica: uma discussão necessária. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 17(62), 25-54. (https://doi.org/10.1590/S0104-40362009000100003).

Pardini, D. J., & Paim, L. R. C. (2001). Empreendedorismo e interdisciplinaridade: uma proposta metodológica no ensino de graduação. In: II EGEPE. Anais..., Londrina: EGEPE.

PCT Guamá - Parque de Ciência e Tecnologia do Guamá. (2021). Informações. Recuperado em 4 de fevereiro, 2021 de: http://pctguama.org.br.

Pereira, M. J., Oliveira, Edson A. A. Q., & Oliveira, A. L. (2016). Origens dos parques tecnológicos e as contribuições para o desenvolvimento regional brasileiro. Latin American Journal of Business Management, 7(1), 117-138.

Pletsch, C. S.; Lavarda, C. E. F. (2016). Uso das Alavancas De Controle De Simons (1995) na Gestão de uma Cooperativa Agroindustrial. Revista de Contabilidade e Organizações, 10(28), 18-31. (https://doi.org/10.11606/rco.v10i28.117375).

Ribeiro, H. A. S.; Sotello, F.; Damke, E. J. (2017). Aderência às Alavancas de Controle Estratégico: estudo em uma indústria farmacêutica brasileira. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, 10(3), 197-222. (https://doi.org/10.19177/reen.v10e32017197-222).

Santos, V., Beuren, I. M., & Conte, A. (2017). Uso De Instrumentos do Sistema de Controle Gerencial em Empresas Incubadas. Revista Contabilidade Vista & Revista, 28(3), 103-132.

Simons, R. (1995). Control in an age of empowerment. Harvard Business Review, 73(2), 8-88.

Steiner, J. E., Cassim, M. B., & Robazzi, A. C. (2008). Parques tecnológicos: ambientes de inovação. Revista IEA. USP. São Paulo.

Thiesen, L. G. R. S.; Theiss, V. (2020). Influência do Pacote de Sistema de Controle Gerencial no Desempenho de Tarefas, moderado pela Presença de Recursos Financeiros em Startups. In: 10º Congresso UFSC. Anais (p. 1-17), Santa Catarina: UFSC.

Tonelli, D. F. (2012). Perspectivas de política científica e tecnológica para a cooperação governo - universidade - empresa: diferenças e possibilidades. Revista em Gestão Pública: Práticas e Desafios, 3(5), 24-42.

Tonelli, D. F., Marquesini, M. A., Zambalde, A. L., & de Almeida, R. E. (2015). Implantação de Parques Tecnológicos como Política Pública: Uma Revisão Sistemática sobre seus Limites e Potencialidades. Revista Gestão & Tecnologia, 15(2), 113-134.

United Kingdom Science Park Association - UKSPA. About UKSPA. Recuperado em 4 de fevereiro, 2021, de: <https://www.ukspa.org.uk/>.

Vedovello, C. A.; Judice, V. M. M.; Maculan, A. M. D. (2006). Revisão Crítica às Abordagens a Parques Tecnológicos: Alternativas Interpretativas às Experiências Brasileiras Recentes. RAI - Revista de Administração e Inovação, 3(2), 103-118.

Veroneze, S., & Kruger, S. D. (2021). Uso de controles e informações gerenciais por empresas startups incubadas. ABCustos, 16(1). (https://doi.org/10.47179/abcustos.v16i1.600).

Widener, S. K. (2007). An empirical analysis of the levels of control framework. Accounting, Organizations and Society, 32(7-8), 757-788.

Publicado

02-01-2024

Como Citar

MOREIRA, M. A. .; COSTA, E. M. S. da .; FREITAS, C. A. S. de . Structuring of management control systems by resident organizations in technological parks. REVISTA AMBIENTE CONTÁBIL - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ISSN 2176-9036, [S. l.], v. 16, n. 1, 2024. DOI: 10.21680/2176-9036.2024v16n1ID34956. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/ambiente/article/view/34956. Acesso em: 24 jul. 2024.

Edição

Seção

Seção 7: Internacional (S7)