GRAU DE ADERÊNCIA AOS INDICADORES DE DESEMPENHO AMBIENTAL DO GRI EM UM MERCADO EMERGENTE: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS COM POTENCIAL POLUIDOR EM DOIS SEGMENTOS

Autores

  • Thales Luiz Gomes Braga Silva Faculdade de Ciências Contábeis/ Universidade Federal de Uberlândia
  • Leonardo Caixeta de Castro Maia Faculdade de Gestão e Negócios/ Universidade Federal de Uberlândia
  • Edvalda Araújo Leal

DOI:

https://doi.org/10.21680/2176-9036.2017v9n1ID7463

Resumo

O objetivo foi analisar o grau de evidenciação dos indicadores da vertente ambiental dos relatórios de sustentabilidade do ano de 2013 de empresas listadas na BMF&Bovespa, de dois segmentos e com potencial poluidor, frente ao novo padrão Global Reporting Initiative - GRI. O estudo tem caráter descritivo e abordagem qualitativa. A coleta dos dados foi realizada por meio de fontes secundárias constantes nos Relatórios de Sustentabilidade. A amostra foi composta por 4 empresas (Duratex, Petrobrás, Irani e Braskem). O objeto de análise foram as informações relativas aos indicadores da vertente ambiental elaborados pelas diretrizes gerais fornecidas pelo GRI em sua quarta versão. Os resultados do estudo corroboraram para a confirmação de pesquisas anteriormente realizadas, apontando para o fato de que em mercados emergentes, as organizações não se atêm às decisões gerenciais sustentáveis. Evidenciou-se que, não existe total transparência nas informações relativas à dimensão ambiental. Por fim, observou-se que as empresas do setor petroquímico apresentaram GAPIE superior se comparado às empresas do setor de papel e celulose.

Palabras-clave: Indicadores de desempenho. Ambiental. Global Reporting Initiative (GRI)

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thales Luiz Gomes Braga Silva, Faculdade de Ciências Contábeis/ Universidade Federal de Uberlândia

Graduando em Ciências Contábeis, Faculdade de Ciências Contábeis/ Universidade Federal de Uberlândia

Leonardo Caixeta de Castro Maia, Faculdade de Gestão e Negócios/ Universidade Federal de Uberlândia

Doutor em Administração pela Fundação Getúlio Vargas – FGV/SP; Mestre em Administração FAGEN/UFU, professor adjunto da Faculdade de Gestão e Negócios/Universidade Federal de Uberlândia

Edvalda Araújo Leal

Doutora em Administração pela Fundação Getúlio Vargas – FGV/SP; Mestre em Ciências Contábeis pela PUC/SP; professora adjunta da Faculdade de Ciências Contábeis/Universidade Federal de Uberlândia

Referências

BAZANI, C. L; LEAL. E. A. Nível de Evidenciação das Informações Contábeis Ambientais e o Grau de Aderência aos Indicadores GRI: um estudo comparativo com empresas de três segmentos. Revista de Administração e Negócios da Amazônia, v.6, n.2, p.89-108, 2014.

CALIXTO, L.; BARBOSA, R. R.; LIMA, M. B. Disseminação de informações ambientais voluntárias: relatórios contábeis versus internet. Revista Contabilidade & Finanças, v.18, p.84-95, 2007.

CAPPELLE, M. C. A.; MELO, M. C.O.L.; GONÇALVES, C. A. Análise de conteúdo e análise de discurso nas ciências sociais. Organizações Rurais & Agroindustriais, v.5, n.1, 2011.

CARVALHO, Fernanda de Medeiros. Análise da utilização dos indicadores da Global ReportingInitiative nos relatórios sociais em empresas brasileiras. Dissertação (Mestrado) – FACC/UFRJ, Rio de Janeiro, 2007.

CORRÊA, R.; RIBEIRO, H.C.M.; SOUSA, M.T.S. Disclosure ambiental: informações sobre GEES das empresas brasileiras que declaram no nível A+ da GRI. In: SIMPÓSIO DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO, LOGÍSTICA E OPERAÇÕES INTERNACIONAIS, 15, 2012, São Paulo- SP. Anais... São Paulo, 2012. 16 p.

CRISÓSTOMO, V. C. FREIRE, F.S. VASCONCELLOS, F. C. Corporate Social Responsability, FirmValueand Financial Performance in Brazil. Social ResponsabilityJournal, v.7, p. 295-309,2011.

DIAS, Lidiane Nazaré da Silva. Análise da utilização dos indicador essenciais da Global Reporting Initiative nos relatórios sociais em empresas latino-americanas. Dissertação (Mestrado) – FACC/ UFRJ, Rio de Janeiro, 2006.

EUGÉNIO, Teresa. Avanços na divulgação de informação social e ambiental pelas empresas e a teoria da legitimidade .Revista Universo Contábil, v. 6, n.1, p. 102-118, jan./mar., 2010.

FERNANDES, F. S.; SIQUEIRA, J. R. M.; GOMES, M. Z. A decomposição do modelo da Global Reporting Initiative (GRI) para avaliação de relatórios de sustentabilidade. Revista do BNDES, v.34, p.101-132,2010.

FERREIRA, A. C. S. Contabilidade Ambiental: Uma Informação para o Desenvolvimento Sustentável. São Paulo: Atlas, 2009.

GIL, A.C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

GRI- Global Reporting Initiative. Diretrizes para Relato de Sustentabilidade. Disponível em <https://www.globalreporting.org/> Acesso em: 02 set. 2014.

GRI- Global Reporting Initiative. Níveis de aplicação da GRI. Disponível em <https://www.globalreporting.org/> Acesso em: 02 set. 2014.

GRI- Global Reporting Initiative. Sobre GRI. Disponível em:<https://www.globalreporting.org/> Acesso em: 02 set. 2014.

IBAMA. Instrução normativa IBAMA nº 06, de 15 de março de 2013. Regulamenta o Cadastro Técnico Federal de Atividades Potencialmente Poluidoras e Utilizadoras de Recursos Ambientais - CTF/APP. Disponível em: <http://www.ibama.gov.br/phocadownload/Qualidade_Ambiental/in_06_cadastro.pdf>

JABBOUR, C. J. C.; SILVA, E. M.; PAIVA, E. L.; SANTOS, F.C. A. Environmental management in Brazil: is it a completely competitive priority?. Journal of Cleaner Production, v. 21, p. 11-22, 2012.

KRAEMER, M. E.P. Contabilidade Ambiental como sistema de informações. Contabilidade Vista e Revista, v.12, n.3, p.71-92, 2001.

LOURENÇO,I. S. BRANCO, M. C. Determinants of sustainability performance in emerging markets: the Brazilian case. Journal of Cleaner Production, v.57, p.134-141, 2013.

MARTINS, G. de A.; THEÓPHILO, C. R. Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. SãoPaulo: Atlas, 2007.

MOZZATO, A. R. GRZYBOVSKI, D. Análise de conteúdo como técnica de análise de dados qualitativos no campo da administração: potencial e desafios. Revista de Administração Contemporânea, v. 15, n. 4, p. 731-747, 2011.

PORTER M. E.; VAN DER LINDE C. Green and Competitive: Ending of stalemate. Harvard Business Review, set./out., 1995.

REED, M.S. Stakeholder participation for environmental management: A literature review. Biological Conservation, v.141, p.2417-2431, 2008.

ROVER, R. et al. Divulgação de informações ambientais nas demonstrações contábeis: um estudo exploratório sobre o disclosure das empresas brasileiras pertencentes a setores de alto impacto ambiental. Revista de Contabilidade e Organizações, v. 3, n. 2, p. 53-72, 2008.

SARKIS, J.; GONZALEZ- TORRE, P.; ADENSO-DIAZ, B. Stakeholder pressure and the adoption of environmental practices: The mediating effect of training. Journal of Operations Management, v.28, p. 163-176, 2010.

SEARCY, C.ELKHAWAS, D. Corporate sustainability ratings: an investigation into how corporations use the Dow Jones Sustainability Index. Journal of Cleaner Production 35, 79-92.

TINOCO, J.E.P.; KRAEMER, M.E.P. Contabilidade e Gestão Ambiental. São Paulo: Atlas, 2007.

Downloads

Publicado

02-01-2017

Como Citar

SILVA, T. L. G. B.; MAIA, L. C. de C.; LEAL, E. A. GRAU DE ADERÊNCIA AOS INDICADORES DE DESEMPENHO AMBIENTAL DO GRI EM UM MERCADO EMERGENTE: UMA ANÁLISE EM EMPRESAS COM POTENCIAL POLUIDOR EM DOIS SEGMENTOS. REVISTA AMBIENTE CONTÁBIL - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ISSN 2176-9036, [S. l.], v. 9, n. 1, p. 21–36, 2017. DOI: 10.21680/2176-9036.2017v9n1ID7463. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/ambiente/article/view/7463. Acesso em: 23 fev. 2024.

Edição

Seção

ARTIGOS