EMPREGO DA TÉCNICA DE MAPAS CONCEITUAIS EM DISCIPLINAS DE CONTABILIDADE COM ABORDAGEM GERENCIAL

Autores

  • Yumara Lúcia Vasconcelos Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE)
  • Ricardo Henrique Miranda de Araújo Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE)

DOI:

https://doi.org/10.21680/2176-9036.2017v9n1ID8889

Resumo

Essa pesquisa objetivou discutir os benefícios proporcionados pelo emprego da técnica de elaboração de mapas conceituais na prática de ensino-aprendizagem. Pesquisa qualitativa de natureza exploratória, apoiou-se nos resultados de uma pesquisa-ação, analisados segundo os paradigmas entregues pela revisão de literatura. As conclusões apontam para o reconhecimento da utilidade da ferramenta no processo didático-pedagógico. A técnica revelou-se útil ao empreendimento de ações pedagógicas socializantes e individualizantes, desenvolvendo habilidades sociais, de comunicação, negociação e liderança. Sua flexibilidade inerente a coloca em posição de conformar-se a diferentes propósitos de aprendizagem e disciplinas, fomentando a iniciativa e autonomia discente.

Palavras-chave: mapas conceituais, aprendizagem significativa, técnicas de ensino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Yumara Lúcia Vasconcelos, Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE)

Professora permanente do PPGC - Programa de Pós Graduação em Controladoria da UFRPE.

Ricardo Henrique Miranda de Araújo, Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE)

Mestrando PPGC-Programa de Pós Graduação em Controladoria da UFRPE (curso em andamento)

Referências

ABRAHÃO, Maria Helena M. B. O modo dialógico de construir conhecimento. In: ABRAHÃO, Maria Helena M. B. Professores e alunos: aprendizagem significativa em comunidades de prática educativa. Porto Alegre, 2008.

ARAÚJO, Ana Marina Teixeira; MENEZES, CS de; CURY, Davidson. Um ambiente integrado para apoiar a avaliação da aprendizagem baseado em mapas conceituais. Anais do XII Simpósio Brasileiro de Informática na Educação, p. 49-58, 2002.

ARENAS, Agustín Campos. Mapas conceptuales, mapas mentales: y otras formas de representación del conocimiento. Coop. Editorial Magisterio, 2005.

AUSUBEL, D. P. Cognitive structure and the facilitation of meaningful verbal learning. Journal of Teacher Education, n. 14, p. 217-221, 1963.

BARBOSA, Márcio Lobo et al. Mapas conceituais na avaliação da aprendizagem significativa. Simpósio Nacional de Ensino de Física, v. 14, 2005.

BITTENCOURT, B. A. V.. Mapas cognitivos e a pesquisa organizacional: explorando aspectos metodológicos. Brasil: Red Estudos de Psicologia, 2006.

CAÑAS, Alberto J. et al. Herramientas para construir y compartir modelos de conocimiento basados en mapas conceptuales. Revista de Informática Educativa, v. 13, n. 2, p. 145-158, 2000.

CASTAÑEDA, Sandra Figueiras (Ed.). Evaluacion Del Aprendizaje en El Nivel Universitario. Elaboracion. UNAM, 2006.

CICUTO, Camila Aparecida Tolentino; CORREIA, Paulo Rogério Miranda. Estruturas hierárquicas inapropriadas ou limitadas em mapas conceituais: um ponto de partida para promover a aprendizagem significativa. Aprendizagem Significativa em Revista, Porto Alegre, v. 3, n. 1, p. 1-11, 2013.

COIMBRA, José de Ávila Aguiar. Considerações sobre a interdisciplinaridade. Interdisciplinaridade em ciências ambientais, v. 1, 2000.

D’ÁVILA, Cristina. Por uma didática colaborativa no contexto das comunidades virtuais de aprendizagem. In: SANTOS, Edméa. ALVES, Lynn. Práticas pedagógicas e tecnologias digitais. Rio de Janeiro: E-papers, 2006.

DENZIN, N.K.; LINCOLN, Y.S. Handbook of qualitative research. Califórnia: Sage Publications, 2000.

DONGO-MONTOYA, Adrián Oscar. Teoria da aprendizagem na obra de Jean Piaget. São Paulo: UNESP, 2009.

FAGUNDES, T.C.P.C. Metodologia de pesquisa: especialização em EAD. Salvador: UNEB/EAD, 2009.

FAYOL, H. Administração industrial e geral. Tradução: Irene de Bojano e Mário de Sousa. 3.ed. São Paulo: Atlas, 1958.

FLICK, Uwe. Desenho da pesquisa qualitativa: Coleção Pesquisa qualitativa. Bookman, 2009.

FRANCO, Maria Amélia Santoro. Pedagogia da pesquisa-ação. Educação e pesquisa, v. 31, n. 3, p. 483-502, 2005.

GAVA, T. B. S.; MENEZES, C. S. de; CURY, D. Aplicações de mapas conceituais na educação como ferramenta metacognitiva. III International Conference on Engineering and Computer Education-ICECE. 16 a 19 de março de 2003 – UNISANTA.

GAVA, Tânia Barbosa Salles; MENEZES, CS de; CURY, Davidson. Aplicações de mapas conceituais na educação como ferramenta metacognitiva. In: III International Conference on Engineering and Computer Education-ICECE 2003. 2003.

GOLDENBERG, Mirian. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em ciências sociais. 1997.

GUERRA, Isabel Carvalho. Pesquisa qualitativa e análise de conteúdo: sentidos e formas de uso. Lucerna, 2006.

KOTLER, P. Administração de Marketing. Tradução: Bazán Tecnologia e Lingüística. ed. 10. São Paulo: Prentice Hall, 2000.

LÓPEZ, A. R. . La estructuración del proceso de enseñanza y la investigación sobre el aprendizaje en el ser humano. Argentina: El Cid Editor | apuntes, 2009.

MAHONEY, Abigail Alvarenga; ALMEIDA, Laurinda Ramalho de. Afetividade e processo ensino-aprendizagem: contribuições de Henri Wallon. Psicologia da educação, n. 20, p. 11-30, 2005.

MARTÍNEZ, Lourdes Villalustre; DEL MORAL PÉREZ, María Esther. Mapas conceptuales, mapas mentales y líneas temporales: objetos' de'aprendizaje y'para'el aprendizaje en Ruralnet. RELATEC: Revista Latinoamericana de Tecnología Educativa, v. 9, n. 1, p. 15-27, 2010.

MOREIRA, M. A. Linguagem e aprendizagem significativa. Conferência de encerramento do IV Encontro Internacional sobre Aprendizagem Significativa, Maragogi, AL, Brasil, 8 a 12 de setembro de 2003.

MOREIRA, Marco Antônio; BUCHWEITZ, Bernardo. Mapas conceituais: instrumentos didácticos, de avaliaçao e de análise de currículo. Moraes, 1987.

MOREIRA, Marco Antônio; ROSA, Paulo. Mapas conceituais. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 3, n. 1, p. 17-25, 1986.

NOVAK, J. D.; A. J. CAÑAS, The theory underlying concept maps and how to construct and use them. Technical Report IHMC CmapTools 2006-01 Rev 01-2008, Florida Institute for Human and Machine Cognition, 2008.

NOVAK, Joseph D. Ayudar a los alumnos a aprender cómo aprender. La opinión de un profesor-investigador. In: Enseñanza de las Ciencias. 1991. p. 215-228.

NOVAK, Joseph Donald; GOWIN, D. Bob; OTERO, José. Aprendiendo a aprender. Barcelona: Martínez Roca, 1988.

ORELLANA, V. R.. Mapas conceptuales y aprendizaje significativo. Argentina: El Cid Editor | apuntes, 2009.

PALMERO, Maria Luz Rodríguez. La teoría del aprendizaje significativo. In: PALMERO, Maria Luz Rodríguez (Org.). La teoría del aprendizaje significativo en la perspectiva de la psicología cognitiva. España: Ediciones Octaedro, S.L., 2010.

PEÑA, Antonio Ontoria (Ed.). Mapas conceptuales: una técnica para aprender. Narcea Ediciones, 1994.

PIAGET, J. A equilibração das estruturas cognitivas: problema central do desenvolvimento. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.

POMBO, Olga. Interdisciplinaridade e integração dos saberes. Liinc em revista, v. 1, n. 1, 2006.

RODRÍGUEZ, Elaime Maciques. Trastornos del aprendizaje. Estilos de aprendizaje y el diagnóstico psicopedagógico. Infomed, Portal de Salud de Cuba, 2004.

RUIZ, H. Ó. D.. Competencias comunicativas: proponer y argumentar. Colombia: Universidad Cooperativa de Colombia, 2006.

SAXE, Eleonora Badilla; MURILLO, Alejandra Chacón. Construccionismo: objetos para pensar, entidades públicas y micromundos. Actualidades investigativas en Educación, v. 4, n. 1, 2011.

SCHLEMMER, Eliane; SIMÃO NETO, Antonio. A construção de redes de significações: dos mapas conceituais aos “concept webbing”. In: IX Congreso Iberoamericano de Informática Educativa-RIBIE, Caracas–Venezuela, Universidade de Caracas. 2008. p. 46-56.

SILVA, Luciana Saraiva da et al. Formação de profissionais críticos-reflexivos: o potencial das metodologias ativas de ensinoaprendizagem e avaliação na aprendizagem significativa. Formação de profissionais críticos-reflexivos, metodologias ativas e aprendizagem significativa. Revista del Congrés Internacional de Docència Universitària i Innovació (CIDUI), n. 2, 2015.

STRAUSS, A.; CORBIN, J. Pesquisa qualitativa: técnicas e procedimentos para o desenvolvimento de teoria fundamentada. Porto Alegre: Artmed, 2008.

TAVARES, Romero. Construindo mapas conceituais. Ciências & Cognição, v. 12, p. 72-85, 2007.

THIESEN, Juares da Silva. A interdisciplinaridade como um movimento articulador no processo ensino-aprendizagem. Revista Brasileira de Educação, v. 13, n. 39, p. 545, 2008.

THIOLLENT, Michel. Metodologia da pesquisa-ação. In: Metodologia da pesquisa-ação. Cortez, 2011.

TRIPP, David. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e pesquisa, v. 31, n. 3, p. 443-466, 2005.

TOZONI-REIS, M.F.C. Metodologia da pesquisa. Curitiba: IESDE, 2009.

VASCONCELOS, C.; PRAIA, J. F.; ALMEIDA, L. S. Teorias de aprendizagem e o ensino/aprendizagem das ciências: da instrução à aprendizagem. Psicologia Escolar e Educacional, v. 7, n. 1, p.11-19, 2003.

VASCONCELOS, Yumara L. Função diagnóstica dos mapas conceituais no processo ensino-aprendizagem. Revista Tecnologias na Educação, n.13, dezembro de 20015.

VEIGA, Ilma Passos Alencastro. Ensinar, aprender, pesquisar e avaliar com mapas conceituais. In: VEIGA, Ilma Passos Alencastro (Org.). Novas tramas para as técnicas de ensino e estudo. Campinas, SP: Papirus, 2013.

VICTER, Eline das Flores; LOPES, Jurema Rosa; SOUZA, Antonio Carlos de. Uma discussão sobre a aprendizagem significativa: o ohar do professor e dos alunos. Almanaque Multidisciplinar de Pesquisa, v. 1, n. 2, 2015.

Downloads

Publicado

02-01-2017

Como Citar

VASCONCELOS, Y. L.; DE ARAÚJO, R. H. M. EMPREGO DA TÉCNICA DE MAPAS CONCEITUAIS EM DISCIPLINAS DE CONTABILIDADE COM ABORDAGEM GERENCIAL. REVISTA AMBIENTE CONTÁBIL - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ISSN 2176-9036, [S. l.], v. 9, n. 1, p. 117–143, 2017. DOI: 10.21680/2176-9036.2017v9n1ID8889. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/ambiente/article/view/8889. Acesso em: 23 fev. 2024.

Edição

Seção

ARTIGOS