EMPREGO DA TÉCNICA DE MAPAS CONCEITUAIS EM DISCIPLINAS DE CONTABILIDADE COM ABORDAGEM GERENCIAL

  • Yumara Lúcia Vasconcelos Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE)
  • Ricardo Henrique Miranda de Araújo Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE)

Resumo

Essa pesquisa objetivou discutir os benefícios proporcionados pelo emprego da técnica de elaboração de mapas conceituais na prática de ensino-aprendizagem. Pesquisa qualitativa de natureza exploratória, apoiou-se nos resultados de uma pesquisa-ação, analisados segundo os paradigmas entregues pela revisão de literatura. As conclusões apontam para o reconhecimento da utilidade da ferramenta no processo didático-pedagógico. A técnica revelou-se útil ao empreendimento de ações pedagógicas socializantes e individualizantes, desenvolvendo habilidades sociais, de comunicação, negociação e liderança. Sua flexibilidade inerente a coloca em posição de conformar-se a diferentes propósitos de aprendizagem e disciplinas, fomentando a iniciativa e autonomia discente.

Palavras-chave: mapas conceituais, aprendizagem significativa, técnicas de ensino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Yumara Lúcia Vasconcelos, Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE)
Professora permanente do PPGC - Programa de Pós Graduação em Controladoria da UFRPE.
Ricardo Henrique Miranda de Araújo, Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE)
Mestrando PPGC-Programa de Pós Graduação em Controladoria da UFRPE (curso em andamento)

Referências

ABRAHÃO, Maria Helena M. B. O modo dialógico de construir conhecimento. In: ABRAHÃO, Maria Helena M. B. Professores e alunos: aprendizagem significativa em comunidades de prática educativa. Porto Alegre, 2008.

ARAÚJO, Ana Marina Teixeira; MENEZES, CS de; CURY, Davidson. Um ambiente integrado para apoiar a avaliação da aprendizagem baseado em mapas conceituais. Anais do XII Simpósio Brasileiro de Informática na Educação, p. 49-58, 2002.

ARENAS, Agustín Campos. Mapas conceptuales, mapas mentales: y otras formas de representación del conocimiento. Coop. Editorial Magisterio, 2005.

AUSUBEL, D. P. Cognitive structure and the facilitation of meaningful verbal learning. Journal of Teacher Education, n. 14, p. 217-221, 1963.

BARBOSA, Márcio Lobo et al. Mapas conceituais na avaliação da aprendizagem significativa. Simpósio Nacional de Ensino de Física, v. 14, 2005.

BITTENCOURT, B. A. V.. Mapas cognitivos e a pesquisa organizacional: explorando aspectos metodológicos. Brasil: Red Estudos de Psicologia, 2006.

CAÑAS, Alberto J. et al. Herramientas para construir y compartir modelos de conocimiento basados en mapas conceptuales. Revista de Informática Educativa, v. 13, n. 2, p. 145-158, 2000.

CASTAÑEDA, Sandra Figueiras (Ed.). Evaluacion Del Aprendizaje en El Nivel Universitario. Elaboracion. UNAM, 2006.

CICUTO, Camila Aparecida Tolentino; CORREIA, Paulo Rogério Miranda. Estruturas hierárquicas inapropriadas ou limitadas em mapas conceituais: um ponto de partida para promover a aprendizagem significativa. Aprendizagem Significativa em Revista, Porto Alegre, v. 3, n. 1, p. 1-11, 2013.

COIMBRA, José de Ávila Aguiar. Considerações sobre a interdisciplinaridade. Interdisciplinaridade em ciências ambientais, v. 1, 2000.

D’ÁVILA, Cristina. Por uma didática colaborativa no contexto das comunidades virtuais de aprendizagem. In: SANTOS, Edméa. ALVES, Lynn. Práticas pedagógicas e tecnologias digitais. Rio de Janeiro: E-papers, 2006.

DENZIN, N.K.; LINCOLN, Y.S. Handbook of qualitative research. Califórnia: Sage Publications, 2000.

DONGO-MONTOYA, Adrián Oscar. Teoria da aprendizagem na obra de Jean Piaget. São Paulo: UNESP, 2009.

FAGUNDES, T.C.P.C. Metodologia de pesquisa: especialização em EAD. Salvador: UNEB/EAD, 2009.

FAYOL, H. Administração industrial e geral. Tradução: Irene de Bojano e Mário de Sousa. 3.ed. São Paulo: Atlas, 1958.

FLICK, Uwe. Desenho da pesquisa qualitativa: Coleção Pesquisa qualitativa. Bookman, 2009.

FRANCO, Maria Amélia Santoro. Pedagogia da pesquisa-ação. Educação e pesquisa, v. 31, n. 3, p. 483-502, 2005.

GAVA, T. B. S.; MENEZES, C. S. de; CURY, D. Aplicações de mapas conceituais na educação como ferramenta metacognitiva. III International Conference on Engineering and Computer Education-ICECE. 16 a 19 de março de 2003 – UNISANTA.

GAVA, Tânia Barbosa Salles; MENEZES, CS de; CURY, Davidson. Aplicações de mapas conceituais na educação como ferramenta metacognitiva. In: III International Conference on Engineering and Computer Education-ICECE 2003. 2003.

GOLDENBERG, Mirian. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em ciências sociais. 1997.

GUERRA, Isabel Carvalho. Pesquisa qualitativa e análise de conteúdo: sentidos e formas de uso. Lucerna, 2006.

KOTLER, P. Administração de Marketing. Tradução: Bazán Tecnologia e Lingüística. ed. 10. São Paulo: Prentice Hall, 2000.

LÓPEZ, A. R. . La estructuración del proceso de enseñanza y la investigación sobre el aprendizaje en el ser humano. Argentina: El Cid Editor | apuntes, 2009.

MAHONEY, Abigail Alvarenga; ALMEIDA, Laurinda Ramalho de. Afetividade e processo ensino-aprendizagem: contribuições de Henri Wallon. Psicologia da educação, n. 20, p. 11-30, 2005.

MARTÍNEZ, Lourdes Villalustre; DEL MORAL PÉREZ, María Esther. Mapas conceptuales, mapas mentales y líneas temporales: objetos' de'aprendizaje y'para'el aprendizaje en Ruralnet. RELATEC: Revista Latinoamericana de Tecnología Educativa, v. 9, n. 1, p. 15-27, 2010.

MOREIRA, M. A. Linguagem e aprendizagem significativa. Conferência de encerramento do IV Encontro Internacional sobre Aprendizagem Significativa, Maragogi, AL, Brasil, 8 a 12 de setembro de 2003.

MOREIRA, Marco Antônio; BUCHWEITZ, Bernardo. Mapas conceituais: instrumentos didácticos, de avaliaçao e de análise de currículo. Moraes, 1987.

MOREIRA, Marco Antônio; ROSA, Paulo. Mapas conceituais. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 3, n. 1, p. 17-25, 1986.

NOVAK, J. D.; A. J. CAÑAS, The theory underlying concept maps and how to construct and use them. Technical Report IHMC CmapTools 2006-01 Rev 01-2008, Florida Institute for Human and Machine Cognition, 2008.

NOVAK, Joseph D. Ayudar a los alumnos a aprender cómo aprender. La opinión de un profesor-investigador. In: Enseñanza de las Ciencias. 1991. p. 215-228.

NOVAK, Joseph Donald; GOWIN, D. Bob; OTERO, José. Aprendiendo a aprender. Barcelona: Martínez Roca, 1988.

ORELLANA, V. R.. Mapas conceptuales y aprendizaje significativo. Argentina: El Cid Editor | apuntes, 2009.

PALMERO, Maria Luz Rodríguez. La teoría del aprendizaje significativo. In: PALMERO, Maria Luz Rodríguez (Org.). La teoría del aprendizaje significativo en la perspectiva de la psicología cognitiva. España: Ediciones Octaedro, S.L., 2010.

PEÑA, Antonio Ontoria (Ed.). Mapas conceptuales: una técnica para aprender. Narcea Ediciones, 1994.

PIAGET, J. A equilibração das estruturas cognitivas: problema central do desenvolvimento. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.

POMBO, Olga. Interdisciplinaridade e integração dos saberes. Liinc em revista, v. 1, n. 1, 2006.

RODRÍGUEZ, Elaime Maciques. Trastornos del aprendizaje. Estilos de aprendizaje y el diagnóstico psicopedagógico. Infomed, Portal de Salud de Cuba, 2004.

RUIZ, H. Ó. D.. Competencias comunicativas: proponer y argumentar. Colombia: Universidad Cooperativa de Colombia, 2006.

SAXE, Eleonora Badilla; MURILLO, Alejandra Chacón. Construccionismo: objetos para pensar, entidades públicas y micromundos. Actualidades investigativas en Educación, v. 4, n. 1, 2011.

SCHLEMMER, Eliane; SIMÃO NETO, Antonio. A construção de redes de significações: dos mapas conceituais aos “concept webbing”. In: IX Congreso Iberoamericano de Informática Educativa-RIBIE, Caracas–Venezuela, Universidade de Caracas. 2008. p. 46-56.

SILVA, Luciana Saraiva da et al. Formação de profissionais críticos-reflexivos: o potencial das metodologias ativas de ensinoaprendizagem e avaliação na aprendizagem significativa. Formação de profissionais críticos-reflexivos, metodologias ativas e aprendizagem significativa. Revista del Congrés Internacional de Docència Universitària i Innovació (CIDUI), n. 2, 2015.

STRAUSS, A.; CORBIN, J. Pesquisa qualitativa: técnicas e procedimentos para o desenvolvimento de teoria fundamentada. Porto Alegre: Artmed, 2008.

TAVARES, Romero. Construindo mapas conceituais. Ciências & Cognição, v. 12, p. 72-85, 2007.

THIESEN, Juares da Silva. A interdisciplinaridade como um movimento articulador no processo ensino-aprendizagem. Revista Brasileira de Educação, v. 13, n. 39, p. 545, 2008.

THIOLLENT, Michel. Metodologia da pesquisa-ação. In: Metodologia da pesquisa-ação. Cortez, 2011.

TRIPP, David. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e pesquisa, v. 31, n. 3, p. 443-466, 2005.

TOZONI-REIS, M.F.C. Metodologia da pesquisa. Curitiba: IESDE, 2009.

VASCONCELOS, C.; PRAIA, J. F.; ALMEIDA, L. S. Teorias de aprendizagem e o ensino/aprendizagem das ciências: da instrução à aprendizagem. Psicologia Escolar e Educacional, v. 7, n. 1, p.11-19, 2003.

VASCONCELOS, Yumara L. Função diagnóstica dos mapas conceituais no processo ensino-aprendizagem. Revista Tecnologias na Educação, n.13, dezembro de 20015.

VEIGA, Ilma Passos Alencastro. Ensinar, aprender, pesquisar e avaliar com mapas conceituais. In: VEIGA, Ilma Passos Alencastro (Org.). Novas tramas para as técnicas de ensino e estudo. Campinas, SP: Papirus, 2013.

VICTER, Eline das Flores; LOPES, Jurema Rosa; SOUZA, Antonio Carlos de. Uma discussão sobre a aprendizagem significativa: o ohar do professor e dos alunos. Almanaque Multidisciplinar de Pesquisa, v. 1, n. 2, 2015.

Publicado
02-01-2017
Como Citar
VASCONCELOS, Y. L.; DE ARAÚJO, R. H. M. EMPREGO DA TÉCNICA DE MAPAS CONCEITUAIS EM DISCIPLINAS DE CONTABILIDADE COM ABORDAGEM GERENCIAL. REVISTA AMBIENTE CONTÁBIL - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ISSN 2176-9036, v. 9, n. 1, p. 117-143, 2 jan. 2017.
Seção
ARTIGOS