Migração feminina brasileira e a experiência do envelhecimento em Portugal: sexismo e outros “ismos”

Palavras-chave: migrantes, gênero, racismo, idadismo, interseccionalidade

Resumo


Este artigo busca compreender como migrantes brasileiras, maiores de 50 anos, residentes em Portugal, percebem os estereótipos que lhes são imputados a partir do olhar do endogrupo, neste caso, a sociedade de acolhida. Por meio de entrevistas de Histórias de Vida, as quais analisamos sob o viés interseccional e o paradigma descolonial, contextualizamos os temas de maior recorrência nas falas destas migrantes, a saber: os meta-estereótipos, o mercado laboral, o envelhecer e algumas das estratégias de agência utilizadas nas tentativas de integração.

Palavras-chave: migrantes; gênero; racismo; idadismo; interseccionalidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALLPORT, Gordon. The Nature of Prejudice. Cambridge, MA: Addison-Wesley, 1979 (1954).
BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Trad. Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. 1ª ed. São Paulo: Edições 70, 2011 (1977).
BIGGS, Simon. ‘Age, gender, narratives, and masquerades.’ Journal of Aging Studies, 18(1), 2004, pp. 45–58. http://doi.org/10.1016/j.jaging.2003.09.005
BRAH, Avtar. ‘Diferença, diversidade, diferenciação’, Cadernos Pagu (26). Campinas: Unicamp, 2006, pp.239-376.
BUTLER, Judith. Mecanismos psíquicos del poder - teorias sobre la sujeción. Madrid: Ediciones Cátedra, 2001.
CABECINHAS, Rosa. ‘Expressões de racismo: mudanças e continuidades’. In A.C.S MANDARINO. & E. GOMBERG (Eds.), Racismo: Olhares Plurais. Salvador: Editora da Universidade Federal da Bahia, 2010. pp. 11–43.
CORREIA, Cristina, & NEVES, Sofia. ‘Ser Brasileira Em Portugal – Uma Abordagem às representações, preconceitos e estereótipos sociais’. Actas do VII Simpósio Nacional de Investigação em Psicologia Universidade do Minho, Portugal, 2010, pp. 378–392
CRENSHAW, Kimberlé. ‘Demarginalizing the intersection of race and sex: a black feminist critique of antidiscrimination doctrine, feminist theory and antiracist politics’. University of Chicago Legal Forum: Vol. 1989: Iss. 1, Article 8. [http://chicagounbound.uchicago.edu/uclf/vol1989/iss1/8, acesso em abril de 2017].
CRENSHAW, Kimberlé. ‘Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero’. Estudos Feministas, Florianópolis, v.10, n.1, 2002, pp. 171-188.
ELIAS, Norbert & SCOTSON, John. Os estabelecidos e os outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.
FARIA, Maria Rita. Migrações Internacionais no plano multilateral. Reflexões para a política externa brasileira. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2015.
FRANÇA, Thais. ‘Mulheres Brasileiras em Portugal: o que esconde um sorriso?’ VII Congresso Português de Sociologia. Porto: Associação Portuguesa de Sociologia, 2012. [http://www.aps.pt/vii_congresso/papers/finais/PAP0779_ed.pdf, acesso em abril de 2017].
FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade – A Vontade de Saber, Vol. I, Rio de Janeiro: Graal, 1985.
FREDRICKSON, George. Racismo. Uma breve história. Porto: Campos das Letras, 2004.
GARCIA, Loreley. ‘Mulheres transnacionais’. In Imaginário, vol. 13, nº 14, 2007, pp.379-398.
GÓIS, Pedro et al. ‘Segunda ou terceira vaga ? As características da imigração brasileira recente em Portugal’. Revista Migrações - Número Temático Migrações entre Portugal e América Latina, 5, 2009, p.111–133.
GOMES, Mariana. O Imaginário Social em Portugal: Uma Análise da Construção de Saberes, das Relações de Poder e dos Modos de Subjetivação. Tese de doutoramento, Escola de Sociologia e Políticas Públicas. Instituto Universitário de Lisboa – IUL, 2013.
GÓMEZ, Ángel. ‘If my group stereotypes others, others stereotype my group... and we know.Concept, research lines and future perspectives of meta-stereotypes’. Revista de Psicología Social, 2002, 17 (3), pp. 253-282.
HIRATA, Helena. ‘Gênero, classe e raça. Interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais’. Tempo Social, Revista de Sociologia da USP, v. 26, n. 1. São Paulo: USP, 2014, pp.61-73.
HONDAGNEU-SOTELO, Pierrete & AVILA, Ernestine. ‘Im here, but I’m there’. The Meanings of Latina Transnational Motherhood’. Gender and Society, v. 11, n. 5, 1997, pp. 548-571.
hooks, bell. Feminism is for everybody. South End Press (Vol. 1), 2000. Acedido em [https://excoradfeminisms.files.wordpress.com/2010/03/bell_hooks-feminism_is_for_everybody.pdf, acesso em março de 2017].
INE. Instituto Nacional de Estatística. ‘Censos. Resultados Definitivos Portugal’ 2011. [http://censos.ine.pt/xportal/xmain?xpid=CENSOS&xpgid=ine_censos_publicacao_det&contexto=pu&PUBLICACOESpub_boui=73212469&PUBLICACOESmodo=2&selTab=tab1&pcensos=61969554, acesso em março de 2017].
IOM. Glossary on Migration, International Migration Law Series No. 25, 2011. [https://www.iom.int/key-migration-terms, acesso em fevereiro de 2017]
MACHADO, Igor José. Cárcere público - processos de exotização entre imigrantes brasileiros no Porto, Portugal. Tese de doutoramento. Antropologia, Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP, 2003.
MAGLIANO, Maria José. 'Interseccionalidad y migraciones: potencialidades y desafíos'. Estudos Feministas, Florianópolis, 23(3), 2015, pp. 691–712.
McCLINTOCK, Anne. Couro imperial. Raça, gênero e sexualidade no embate colonial. Trad. Plinio Dentzien. Campinas: Editora da Unicamp, 2010.
MIRANDA, Joana. Mulheres Imigrantes em Portugal: Memórias, Dificuldades de Integração e Projectos de Vida. Observatório da Imigração. Lisboa: ACIDI, 2009.
MORAES, Roque. ‘Análise de conteúdo’. Revista Educação, Porto Alegre, v. 22, n. 37, 1999, pp. 7-32.
NEVES, Sofia & MIRANDA, Joana (eds.). ‘Dossier: Género e Migrações’. Ex-aequo, 24, Vila Franca de Xira, 2011.
PADILLA, Beatriz & GOMES, Mariana. ‘Racismo contra as mulheres brasileiras em Portugal? Algumas reflexões’. Livro de atas do VII Congresso Português de Sociologia. 2012. [http://www.aps.pt/vii_congresso/papers/finais/PAP0271_ed.pdf, acesso em março de 2017].
PEIXOTO, José et al (orgs.). Vagas Atlânticas. Migrações entre Brasil e Portugal no Início do Século XXI. Lisboa: Editora Mundos Sociais, 2015.
PISCITELLI, Adriana. ‘Interseccionalidades, categorias de articulação e experiências de migrantes brasileiras’. Sociedade e Cultura, v.11, n.2, jul/dez.. Goiânia: Universidade Federal de Goiás, 2008, pp. 263-274
PRINS, Baukje. ‘Narrative Accounts of Origins: a blind spot in the intersectional approcah?’, European Journal of Women's Studies,13; 277, 2006. DOI: 10.1177/1350506806065757.
QUIJANO, Aníbal. ‘Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina’ in A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales (CLACSO), 2005, pp. 227-278.
RAVENSTEIN, Ernst. ‘As leis da migração’ in H. MOURA (org.). Migração interna, textos selecionados: teorias e modelos de análise. Fortaleza: BNB, 1980 (1885).
RIBEIRO, Maíra & CERQUEIRA, Carla.. ‘As imigrantes brasileiras no jornalismo impresso regional’. Actas do 8o Congresso LUSOCOM, 2009, pp.1901–1924.
SANT’ANA, Helena. Migrantes Hindus em Portugal: Trajectos Margens e Poderes, Tese de doutoramento. Sociologia, Lisboa: ISCTE, 2008.
SANTOS, Boaventura & MENESES, Maria Paula (orgs.). Epistemologias do Sul. Coimbra: Edições Almedina, 2009.
SANTOS, Clara. 2007. ‘Mulheres Imigrantes na Imprensa Portuguesa’ in Imigração e Etnicidade – vivências e trajectórias de mulheres em Portugal. Lisboa: SOS Racismo, 2007. pp.51-62.
SASSEN, Saskia. Contrageografias de la globalización. Género y ciudadanía en los circuitos transfronterizos. Madrid: Queimada Gráficas, 2003.
SEFSTAT. Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, ‘Relatório Estatístico Anual 2007’. [www.sefstat.sef.pt/relatorios.aspx, acesso em maio de 2017].
SEFSTAT. Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, ‘Relatório Estatístico Anual 2015’. [www.sefstat.sef.pt/relatorios.aspx, acesso em maio de 2017].
SPIVAK, Gaiatry. Pode o subalterno falar? Trad. Sandra Almeida, Marcos Feitosa e André Feitosa. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2010.
UNITED NATIONS. 2014. ‘Resolution adopted by the General Assembly on 19 December 2014’. International migration and development. [http://www.iom.int/sites/default/files/UN_Documents/69th_Session/N1471371.pdf, acesso em março de 2017].
VALA, Jorge; BRITO, Rodrigo e LOPES, Diniz. Expressões dos racismos em Portugal. Lisboa: Instituto de Ciências Sociais, 1999.
WIEVIORKA, Michel. O racismo, uma introdução. São Paulo: Perspectiva, 2007.
Publicado
27-02-2020
Como Citar
CRAVEIRO QUEIROZ, C.; CABECINHAS, R.; CERQUEIRA, C. Migração feminina brasileira e a experiência do envelhecimento em Portugal: sexismo e outros “ismos”. Equatorial – Revista do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, v. 7, n. 12, p. 1-23, 27 fev. 2020.